TSE garante votação eletrônica nas eleições de 2016

Agência Brasil  |  De André Richter



O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) confirmou hoje (10) que as eleições municipais do ano que vem serão feitas com urnas eletrônicas. Segundo o tribunal, após o Congresso aprovar o projeto de lei que mudou a meta fiscal de 2015, o Ministério do Planejamento fez uma nova estimativa de receitas que garantem a votação por meio eletrônico. Com a nova meta, a Justiça Eleitoral terá R$ 267 milhões garantidos. A equipe econômica manteve corte de R$ 161 milhões.

No dia 3 de novembro, o tribunal informou que não teria recursos para custear a eleição com urnas eletrônicas, devido ao contingenciamento de R$ 428 milhões do orçamento da Justiça Eleitoral para aguardar a decisão que mudaria a meta fiscal. Dessa forma, os eleitores brasileiros voltariam a escolher seus representantes pelo voto de papel.

Luciana Genro x Jean Wyllys: Eles são contra o impeachment e Cunha, mas discordam sobre eleições gerais em 2016

HuffPost Brasil  |  De Thiago de Araújo



Principal partido da esquerda política nacional hoje, o PSol tem posição fechada quando o assunto é combater o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) e apoiar o afastamento do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Mas uma outra questão colocou dois ícones da legenda em polos distintos.

A ex-deputada Luciana Genro (RS), candidata à Presidência da República pelo PSol nas últimas eleições, usou a sua página no Twitter para defender as bandeiras do partido contra impeachment, Cunha e Michel Temer...


Mas a polêmica surgiu quando ela mencionou a necessidade de eleições gerais em 2016, algo que Dilma deveria encaminhar ao Congresso tão logo termine a discussão sobre o impeachment.


Como já havia dito em entrevista ao HuffPost Brasil neste ano, Luciana Genro acredita que é o momento ainda de uma Assembleia Constituinte, a fim de permitir que a população possa mudar a construção ideológica, política e econômica que está presente nos rumos do País.

Após a repercussão das mensagens, o deputado federal Jean Wyllys (PSol-RJ) se posicionou contrário à sugestão de eleições gerais no próximo ano. Para ele, no Brasil “não existe revogação de mandatos” e é preciso respeitar os ritos constitucionais, o que significa permitir que Dilma conclua o seu mandato em 2018 – isso se não acabar impedida pelo processo em andamento no Congresso.


Como uma espécie de tréplica, Luciana Genro disse que não esperava unanimidade quanto às suas sugestões para o País. Contudo, voltou a defender a sua proposta, dizendo acreditar não ser possível aguardar até 2018 com “um governo que foi eleito com um programa oposto ao que está aplicando”.


O debate prossegue, em meio ao processo de impeachment que será analisado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no dia 16. Um dia antes, o Conselho de Ética vai tentar, pela oitava vez, votar o relatório que pode admitir o processo de cassação de Cunha.

'Foi infeliz, desrespeitoso, arrogante e machista', diz Kátia Abreu sobre ‘piada' de Serra

HuffPost Brasil  |  De Grasielle Castro





“Eu fiz o que qualquer mulher honrada faria.”

Com essa afirmação, a ministra da Agricultura, Kátia Abreu, explicou porque reagiu um comentário machista do senador José Serra (PSDB-SP).

Em relato à Folha de S.Paulo, a ministra contou que, em um jantar de confraternização na casa do senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), o senador José Serra chegou na roda em que a ministra estava e disse: “Dizem por aí que você é muito namoradeira”.

Segundo a ministra, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), tentou consertar, dizendo que Kátia tinha casado este ano.

De acordo com relato feito à Folha, Kátia reagiu:

"Você é um homem deselegante, descortês, arrogante, prepotente. É por isso que você nunca chegará à Presidência da República )…) E, de mais a mais, nunca traí ninguém na minha vida.”
Em seguida, segundo a Folha, a ministra jogou vinho na cara do senador e acrescentou: "Nunca lhe dei esse direito nem essa ousadia. Por favor, saia dessa roda, saia daqui imediatamente".

No Twitter, a ministra arrematou:

“Reagi a altura de uma mulher que preza sua honra.Todas as mulheres conhecem bem o eufemismo da expressão 'namoradeira'. Foi infeliz, desrespeitoso,arrogante e machista."

Especialista defende nova estratégia para combate ao Aedes aegypti

por Aline Leal - Agência Brasil
 
Segundo o presidente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva, o governo brasileiro fracassou no combate ao mosquito, vetor dos vírus da dengue, da chikungunya e do Zika


Com a situação inédita no mundo de mais de 1.200 casos suspeitos de microcefalia relacionados à infecção pelo vírus Zika no Brasil, o presidente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva, Gastão Wagner Campos, defendeu que é preciso mudar a estratégia de combate ao mosquito Aedes aegypti, vetor dos vírus da dengue, da chikungunya e do Zika. “Temos uma emergência sanitária. Uma parte importante dessas crianças que têm microcefalia morre antes de nascer, na gestação ou logo na primeira infância. outros têm convulsões, problemas neurológicos gravíssimos, deficiência intelectual, motora. É um problema muito grave”, disse Campos, em entrevista à Agência Brasil.

Segundo o especialista, o governo brasileiro fracassou no combate ao mosquito e um dos motivos é a falta de coordenação entre as unidades federativas. Ele afirma que a população não pode ser responsabilizada.

Doutor em saúde coletiva e professor da Universidade Estadual de Campinas, Campos diz que deve haver integração entre os governos municipais, estaduais e federal. “Eu defendo que sejam formados grupos que unifiquem os recursos do Ministério da Saúde, do estado em questão e do município sob um único comando, e que esse grupo possa contar com o apoio das Forças Armadas, para ir de casa em casa apoiando as pessoas a mudar, por exemplo, lajes, pôr calhas, no escoamento de criadouros”.

Segundo o especialista, alguns municípios agem, outros não e, com isso, a infestação pelo mosquito não diminui. De acordo com Campos, a ação de ir de casa em casa ajudando a população a eliminar os criadouros, de ter dia certo para recolher “bagulhos”, tem que durar anos até que a circulação do mosquito registre queda substancial.

O Aedes aegypti tem grande capacidade de adaptação, por isso é improvável que se chegue à eliminação do vetor. O professor observou que é possível diminuir drasticamente os criadouros também com sistemas de coleta de lixo mais eficientes e com uma limpeza urbana mais sistemática e rigorosa.

Apesar das críticas ao combate ao mosquito, Campos elogiou o governo pelo alerta rápido sobre as consequências do vírus Zika. “É muito importante avisar a população sobre os riscos”, disse, acrescentando que é uma decisão prudente, apesar de muito pessoal, adiar planos de gravidez.

No último sábado (5), o governo federal divulgou o Plano Nacional de Enfrentamento à Microcefalia, dividido em três eixos de ação: Mobilização e Combate ao Mosquito; Atendimento às Pessoas; e Desenvolvimento Tecnológico, Educação e Pesquisa. Para o primeiro eixo, o documento prevê a mobilização de agentes comunitários a fim de reforçar a orientação à população sobre o combate ao mosquito nas residências. Pelo novo plano, serão feitas mobilizações com agentes comunitários de saúde e agentes de combate a endemias.

Em nota, o Ministério da Saúde informa que, para o controle do vetor, o governo federal vai adquirir e disponibilizar equipamentos para a aplicação de inseticidas e larvicidas e garantir a compra dos insumos. As Forças Armadas e a Defesa Civil vão dar apoio logístico para o transporte e a distribuição de inseticidas e de profissionais de saúde. Os dois órgãos também vão atuar em visitas a residências para eliminação e controle do vetor, além de mobilizações de prevenção, como mutirões.

Wagner Moura é indicado como melhor ator por 'Narcos' no Globo de Ouro 2016

HuffPost Brasil  |  De Andréa Martinelli





Plata o plomo?

Wagner Moura concorre como Melhor Ator em Série de Drama no Globo de Ouro 2016 pelo papel do traficante colombiano Pablo Escobar, em Narcos, da Netflix. Ele é o único brasileiro da lista de indicados.

A série também concorre como Melhor Série de Drama no prêmio ao lado de Game of Thrones, Empire, Mister Robot e Outlander.


A cerimônia da 73ª edição, que está marcada para o dia 10 de janeiro, é uma das principais premiações de Hollywood anteriores ao Oscar.

O comediante Rick Gervais vai apresentar o Globo de Ouro pela quarta vez. Ele substitui agora a dupla de apresentadoras Tina Fey e Amy Poehler, que conduziram a cerimônia em 2013, 2014 e 2015.

Veja as principais categorias de premiações do cinema e da televisão:

Cinema:
Melhor ator – Drama
Bryan Cranston ("Trumbo")
Leonardo DiCaprio ("O regresso")
Michael Fassbender ("Steve Jobs")
Eddie Redmayne ("A garota dinamarquesa")

Melhor atriz – Drama:
CateBlanchett("Carol")
Brie Larson ("Room")
Rooney Mara ("Carol")
Saoirse Ronan ("Brooklyn")
Alicia Vikander ("A garota dinamarquesa")

Melhor diretor:
Todd Haynes ("Carol")
Alejandro Innaritu ("O regresso")
Tom McCarthy ("Spotlight")
George Miller ("Mad Max: A estrada da fúria")
Ridley Scott ("Perdido em Marte")

Melhor roteiro:
"O quarto de Jack"
"Spotlight"
"A grande aposta"
"Steve Jobs"
"Os 8 odiados"

Melhor filme de comédia ou musical:
"A grande aposta"
"Joy"
"Perdido em Marte"
"A espiã que sabia de menos"
"Descompensada"

Melhor animação:
"Anomalisa"
"O bom dinossauro"
"Divertida mente"
"Snoopy e Charlie Brown – Peanuts, o filme"
"Shaun, o carneiro"

Melhor filme estrangeiro:
"The brand new testament"
"The club"
"The fencer"
"Mustang"
"Son of Saul"

Melhor trilha sonora:
Carter Burwell ("Carol")
Alexandre Desplat ("A garota dinamarquesa")
Ennio Morricone ("Os 8 odiados")
Daniel Pemberton ("Steve Jobs")
"Ryuichi Sakamoto e Alva Noto ("The revenant")

Televisão:
Melhor série – Drama
"Empire"
"Game of thrones"
"Mr. robot"
"Narcos"
"Outlander"
Melhor ator em filme para TV ou minissérie
Idris Elba
Oscar Isaac
David Oyelowo
Mark Rylance
Patrick Wilson

Melhor ator de série dramática:
Wagner Moura ("Narcos")
Jon Hamm ("Mad men""
Rami Malek ("Mr. robot")
Bob Odenkirk ("Better call Saul")
Liev Schreiber ("Ray Donovan")

Melhor atriz coadjuvante em série, minissérie ou filme para TV:
Uzo Aduba
Joanne Froggatt
Regina King
Maura Tierney
Judith Light

Padre Fábio de Melo posa com travesti e relata encontro em vídeo que repercute na internet

HuffPost Brasil



O padre Fábio de Melo surpreendeu a internet ao fazer um desabafo sobre o dia em que conheceu uma transsexual no aniversário da cantora Alcione, na quadra da Mangueira, no Rio. “Fiquei lá uma horinha, mais ou menos, encontrei os amigos que também estavam lá. Mas o que me chamou a atenção, minha gente, foi uma travesti que estava lá”, explicou. Segundo ele, a experiência foi um “tapa na cara”.

Durante um evento religioso, ele relatou que, quando percebeu que a moça estava olhando para ele, ficou sem saber o que fazer. “Vou confessar publicamente minha hipocrisia. Pensei: ‘meu Deus do céu, e se esse rapaz pedir pra tirar uma foto comigo? Como eu vou reagir?'”. O padre se surpreendeu quando viu uma sombra vindo em sua direção “com um vestido longo, sensacional”.

A travesti abordou o padre e perguntou se ele costumava tirar fotos com “pecadores.” "‘Mas é claro’, eu disse. Tiramos a foto. Antes de sair, ele disse: ‘eu não acredito que o senhor permitiu’. E os olhos dele estavam emocionados”, continuou o padre.

Mais tarde, ele soube pela irmã de Alcione que Luana Muniz, coordena um projeto social no Rio de Janeiro. “Ele criou um grupo que alimenta e recolhe todos os miseráveis daquela região. Um trabalho social que foi internacionalmente conhecido. Ele leva para casa dele, dá banho, alimenta e faz tudo para a pessoa retomar a vida.”, explicou, mal conseguindo conter a emoção. “Quando ela me contou aquela história, comecei a unir as coisas dentro de mim“.

“Aquele que você enxerga e lhe provoca um desconforto por ser tão diferente de nós, não sabemos quantas coroas da dignidade foram recolocadas por essa pessoa, através de um prato de comida, de um banho, de um atendimento médico… Como um pai que abraça um filho que chega. Eu sou padre, mas nem sempre tenho disposição de ir para praça recolher os que precisam. Não cabe nenhum julgamento do lado de lá.”

Assista ao relato completo:



O desabafo do padre-celebridade emocionou internautas e virou assunto nas redes sociais.

Fique atento: Boato diz que vacina de rubéola vencida causa microcefalia

HuffPost Brasil



O verão se aproxima e com a chegada dele se intensificam as campanhas contra o mosquito causador da dengue, o aedes aegypti. Agora, as preocupações têm redobrado pela ocorrência crescente de casos de microcefalia que podem estar relacionados ao zika vírus, também transmitido pelo aedes.

Com a população em alerta, uma história está se espalhando rapidamente na internet. Os casos de microcefalia registrados no nordeste seriam, na verdade, efeitos colaterais de vacinas de rubéola vencidas, ministradas em gestantes mesmo assim.

Além da mensagem, o vídeo de um homem que afirma ser pernambucano denuncia essa tramoia. Segundo ele, ‘um contato na Saúde’ foi quem passou a informação. Pois bem, pelo tom apelativo que nós já bem conhecemos dá pra saber que essa história é mais uma invenção. E o fato é que não há nenhuma prova científica nem física (papeis, documentos, vestígios do suposto lote vencido) de que ela seja verdadeira.

Stonehenge pode ter sido erguido 500 anos antes – no País de Gales

POR Ana Luísa Fernandes EDITADO POR Tiago Jokura 

Monumento não teria sido construído originalmente em Wiltshire - e nem na época em que os pesquisadores acreditavam


Novas descobertas arqueológicas sugerem que o monumento pré-histórico de Stonehenge, no sul da Inglaterra, pode ter sido construído primeiro onde atualmente é o País de Gales, e ter permanecido lá por 500 anos até ter sido "desmontado" e arrastado para Wiltshire. Foram identificados vários buracos em Pembrokeshire, a 225 km da localização atual do monumento, que encaixam perfeitamente com a forma, estrutura e tamanho das pedras.

Os buracos datam de 3.400 até 3.200 a.C, enquanto Stonehenge só foi criada em Wiltshire por volta do ano 2.900 a.C. "O mais provável é que as pedras tenham sido utilizadas primeiramente em um monumento local, perto das pedreiras. Depois, foi desmanchado e arrastado até onde está agora", diz Mike Pearson, professor da University College London, que lidera o estudo.

Leia também: Arqueólogos descobrem as origens de Stonehenge

O que conhecemos hoje como Stonehenge provavelmente é um "monumento de segunda mão": o original estaria perdido. A princípio, imaginava-se que os arquitetos originais pegaram as pedras de um lugar próximo, por razões desconhecidas. Os estudiosos do assunto se dividem: alguns dizem que Stonehenge seria um templo religioso, outros, que seria uma fonte de conhecimentos astronômicos para os povos neolíticos.

O time de arqueólogos vai continuar a escavar as pedreiras de Gales em 2016, com a esperança de encontrar a obra inicial. "Se nós conseguirmos achar o monumento original no País de Gales, finalmente poderemos resolver o mistério de por que Stonehenge foi construída.


Fonte: Revista SuperInteressante




Campanha 'Mais Conha, Menos Cunha' pede a legalização da maconha em Brasília

HuffPost Brasil


O coletivo de cultivadores e ativistas Growroom criaram uma nova campanha favorável à legalização da maconha.

Na verdade, eles decidiram juntar duas coisas: pedir a legalização e ironizar e presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

O nome? Mais Conha, Menos Cunha. E aí eles começaram a adesivar e fotografar pontos próximos ao Palácio do Planalto, o Congresso e demais pontos de Brasília.

A campanha está no começo. Segundo o site Smoke Bud, que cobre as notícias sobre a legalização, a campanha vai ganhar mais profundidade nos próximos dias. Com camisetas, adesivos, lambe lambe e artes próprias.

É esperar para ver.

Após acusações de Cerveró, FHC nega que no seu governo tivesse 'corrupção organizada'

HuffPost Brasil  |  De Thiago de Araújo




O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) usou a sua página no Facebook, na última quarta-feira (9), para rebateu as supostas acusações do ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró, de que o senador Delcídio do Amaral (PT-MS) recebeu propina durante a gestão do tucano na Presidência da República (1995-2002).

“Se houve algo durante o meu governo, foi conduta imprópria do Delcídio, não corrupção organizada, como agora. Dele nada se sabia, tanto que em 2001 foi aceito pelo PT, e se elegeu senador, depois foi candidato a governador do Mato Grosso do Sul. Derrotado pelo PSDB, virou líder da Dilma, sem que suspeitas fossem levantadas. Espero que as investigações se aprofundem e que se comprovado o fato, todos sejam punidos”, escreveu.



Na época dos fatos narrados por Cerveró aos investigadores da Operação Lava Jato, Amaral era diretor de Gás e Energia da estatal, entre 1999 e 2001. Segundo o ex-diretor da Petrobras, o senador hoje no PT teria recebido US$ 10 milhões em propinas da multinacional Alstom na época em que ocupou o cargo na petrolífera durante o governo FHC. O pagamento seria em razão da compra de turbunas para uma termoelétrica, a TermoRio, que construída no Rio, por US$ 550 milhões.

A busca por alternativas energéticas era uma prioridade do governo tucano, após o apagão que atingiu o Brasil entre 2001 e 2002. De acordo com reportagem do jornal Folha de S. Paulo, as usinas contratadas por Amaral quando integrou a Petrobras nos idos tucanos na Presidência teriam dado um prejuízo superior ao da refinaria de Pasadena (EUA). Nesta quinta-feira (10), FHC voltou a se pronunciar diante da repercussão de suas palavras. “Tática do PT é embolar o jogo. Não passarão”, escreveu.


Na conversa gravada por Bernardo Cerveró, filho do ex-diretor da Petrobras, o senador, preso pela Polícia Federal, conta que, em um dos encontros com o banqueiro André Esteves, também preso, viu uma anotação manuscrita com o nome dele e o da Alstom na última página do acordo de delação de Nestor Cerveró, obtido pelo dono do BTG Pactual. No diálogo, Delcídio demonstra surpresa e preocupação por ter se deparado com o manuscrito.

Um dos principais responsáveis pelo genocídio de Ruanda, Ladislas Ntaganzwa é preso no Congo

HuffPost Brasil


Um dos últimos suspeitos de envolvimento no genocídio de Ruanda, em 1994, foi preso nesta semana na República Democrática do Congo, segundo informações da ONU.

Ladislas Ntaganzwa, 53, é acusado de organizar estupros em massa e o massacre de milhares de pessoas. Segundo a BBC, os Estados Unidos lançaram uma campanha oferecendo US$ 5 milhões (R$ 19 milhões) de recompensa por sua prisão, classificando Ntaganzwa como "um dos principais instigadores do genocídio".

Ele enfrenta acusações de genocídio e crimes contra a humanidade e deve ser julgado em Ruanda. Cerca de 800 mil pessoas, a maioria membro da minoria Tutsi foram mortas durante cem dias de violência em 1994. A maioria dos crimes foi cometida pela maioria étnica Hutus, que também mataram Hutus moderados.

Ntaganzwa, que foi prefeito de Butare, também é acusado de proferir discursos estimulando a eliminação dos Tutsis que viviam na região e de facilitar o assassinato de refugiados da etnia.

Chá verde e cacau protegem contra complicações do diabetes

por José Tadeu Arantes | Agência FAPESP

Os dois produtos podem atuar como coadjuvantes na prevenção ou no tratamento de complicações renais e da retina decorrentes da doença


 
Fotos: Wikimedia Commons

Em testes realizados com modelos experimentais e culturas de células, o chá verde e o cacau mostraram-se positivos na prevenção ou reversão da nefropatia e retinopatia diabéticas
Em testes realizados com modelos experimentais e culturas de células, o chá verde e o cacau mostraram-se positivos na prevenção ou reversão da nefropatia e retinopatia diabéticas
Os efeitos benéficos do chá verde e do cacau, como antioxidantes e anti-inflamatórios, têm sido bastante difundidos. O Projeto TemáticoEfeitos do chá verde (Camellia sinensis), do cacau e de um doador de óxido nítrico na nefropatia e retinopatia diabética: papel da redução do estresse oxidativo e da inflamação e do aumento do óxido nítrico,apoiado pela FAPESP, demonstrou que esses dois produtos podem atuar também como coadjuvantes na prevenção ou no tratamento de complicações renais ou da retina decorrentes do diabetes:

“Partimos da hipótese de que esses produtos poderiam ser benéficos por reduzir o estresse oxidativo e a inflamação e aumentar a taxa de óxido nítrico (NO), que é um vasodilatador cuja presença se encontra diminuída no quadro diabético. Então, estudamos separadamente os efeitos do chá verde, do cacau e de um doador de óxido nítrico. E constatamos benefícios reais tanto do chá verde quanto do cacau.

A pesquisa gerou 10 artigos científicos em revistas especializadas”, disse Jose Butori Lopes de Faria, professor titular de Nefrologia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e coordenador do projeto à Agência FAPESP.

Os estudos relativos à retina foram coordenados pela oftalmologista e pesquisadora da UnicampJacqueline Mendonça Lopes de Faria.

A pesquisa utilizou modelos experimentais (camundongos e ratos) com diabetes induzido. E também culturas de células (de camundongos e humanas) expostas a alta concentração de glicose para mimetizar o diabetes. Foram descritos diversos mecanismos de lesão dos rins ou das retinas e a reversão do quadro por meio do chá verde ou do cacau.

“Além de seu conhecido efeito antioxidante e anti-inflamatório, demonstramos, de forma rigorosa, que o chá verde faz diminuir a morte programada (apoptose) dos podócitos, as células que formam a barreira que restringe a passagem de proteínas do sangue para a urina. A passagem de albumina para a urina é a principal alteração renal do indivíduo diabético”, informou o pesquisador.

Os efeitos benéficos tanto do chá verde quanto do cacau são atribuídos à presença de polifenóis: no caso do chá verde, à epigalocatequina-galato, e, no caso do cacau, à epicatequina. Em colaboração com o químico Marcelo Ganzarolli de Oliveira, professor titular do Departamento de Físico-Química do Instituto de Química da Unicamp, os pesquisadores fizeram a caracterização química dos produtos, confirmando a presença das referidas substâncias por meio de cromatografia de alta pressão e espectrometria de massa.

Mas o surpreendente foi que o cacau atuou de forma positiva mesmo quando eliminado o polifenol. “Para investigar o efeito da epicatequina, utilizamos dois tipos de cacau. Um, rico na substância; outro, do qual a substância tinha sido retirada. E, a despeito do que supúnhamos, também este último apresentou efeito protetor contra as complicações associadas ao diabetes. Isso jamais havia sido descrito pela literatura especializada. Então, escrevemos um trabalho afirmando que a teobromina, que é uma metil-xantina, talvez fosse responsável pelo efeito. Posteriormente, foram publicados outros estudos corroborando nossa opinião”, afirmou Lopes de Faria.

Já existe uma expressiva literatura científica sobre os efeitos benéficos do chá verde e do cacau. Segundo o pesquisador, dois estudos recentes precisam ser citados. O primeiro é uma meta-análise, publicada no British Journal of Nutrition, cobrindo uma amostragem com centenas de milhares de indivíduos e mostrando que o consumo de chá verde apresenta proteção em relação a múltiplas causas de mortalidade e doença cardiovascular.

O outro é um artigo, publicado no The Journal of the American Medical Association (JAMA), demonstrando que mesmo o consumo diário de apenas um quadradinho de chocolate com alta concentração de cacau já produz uma redução significativa na pressão arterial sistólica.

Publicações resultantes do projeto

Peixoto EB,et al. Reduced LRP6 expression and increase in the interaction of GSK3β with p53 contribute to podocyte apoptosis in diabetes mellitus and are prevented by green tea. J Nutr Biochem.2015 Apr;26(4):416-30. doi:10.1016/j.jnutbio.2014.11.012.
Duarte DA, et al. Polyphenol-enriched cocoa protects the diabetic retina from glial reaction through the sirtuin pathway. J Nutr Biochem. 2015 Jan;26(1):64-74. doi:10.1016/j.jnutbio.2014.09.003.
Papadimitriou A, et al. Theobromine increases NAD+/Sirt-1 activity and protects the kidney under diabetic conditions. Am J Physiol Renal Physiol. 2015 Feb 1;308(3):F209-25. doi:10.1152/ajprenal.00252.2014.
Rosales MA, et al. Endocytosis of tight junctions caveolin nitrosylation dependent is improved by cocoa via opioid receptor on RPE cells in diabetic conditions.Invest Ophthalmol Vis Sci. 2014 Sep 4;55(9):6090-100. doi:10.1167/iovs.1414234.
Papadimitriou A, et al. Increase in AMPK brought about by cocoa is renoprotective in experimental diabetes mellitus by reducing NOX4/TGFβ-1 signaling. J Nutr Biochem.2014 Jul;25(7):773-84. doi:10.1016/j.jnutbio.2014.03.010.
Rosales MA, et al. S-nitrosoglutathione inhibits inducible nitric oxide synthase upregulation by redox posttranslational modification in experimental diabetic retinopathy. Invest Ophthalmol Vis Sci. 2014 May 2;55(5):2921-32. doi:10.1167/iovs.13-13762.
Silva KC, et al. Green tea is neuroprotective in diabetic retinopathy.Invest Ophthalmol Vis Sci. 2013 Feb 15;54 (2):1325-36. doi:10.1167/iovs.12-10647.
8: Faria AM, et al. Uncoupling endothelial nitric oxide synthase is ameliorated by green tea in experimental diabetes by re-establishing tetrahydrobiopterin levels. Diabetes. 2012 Jul;61(7):1838-47. doi:10.2337/db11-1241.
Ribaldo PD, et al. Green tea (Camellia sinensis) attenuates nephropathy by downregulating Nox4 NADPH oxidase in diabetic spontaneously hypertensive rats. J Nutr. 2009 Jan;139(1):96-100. doi:10.3945/jn.108.095018.
Tata A, et al. Spatial distribution of theobromine--a low MW drug--in tissues via matrix-free NALDI-MS imaging. Drug Test Anal. 2014 Sep;6(9):949-52. doi:10.1002/dta.1691.


Fonte: National Geographic Brasil

Muhammad Ali golpeia queixo de Trump: 'Não há nada islâmico em matar pessoas inocentes'

HuffPost Brasil  |  De Rafael Nardini



Muhammad Ali é uma lenda. Três vezes campeão mundial dos pesos-pesados, é justamente considerado um dos maiores pugilistas da história e um dos mais carismáticos também.

E aí que o ringue que armaram para ele foi com quem ninguém menos que Donald Trump, o mais do que polêmico pré-candidato republicano à presidência dos Estados Unidos .

O ex-atleta de 72 anos é muçulmano. E ele não gostou nada dos insultos de Trump contra sua religião.

"Nós, como muçulmanos, temos de erguer-nos contra aqueles que usam o Islã para avançar sua própria agenda pessoal", disse Ali, em comunicado divulgado pela NBC News.

"Sou um muçulmano e não há nada islâmico em matar pessoas inocentes em Paris, San Bernardino, ou qualquer outro lugar no mundo", afirmou o eterno astro.

"Os verdadeiros muçulmanos sabem que a violência implacável dos chamados jihadistas islâmicos vai contra os próprios princípios de nossa religião."

E os golpes contra Trump seguiram duros. Jab, cruzado e ganchos. Teve de tudo para cima do republicano.

"Acredito que nossos líderes políticos devem usar sua posição para trazer compreensão sobre a religião do Islã e esclarecer que esses assassinos equivocados perverteram a opinião das pessoas sobre o que realmente é o Islã".

O porta-voz de Ali, Robert Gunnell, diria mais tarde que a declaração não era uma resposta a Trump, mas uma declaração do atleta para que os muçulmanos rejeitem o extremismo e os jihadistas.

A mais nova declaração aburda de Trump veio após um ataque a tiros na semana passada em San Bernardino, Califórnia. Um casal muçulmano que teria se inspirado no Estado Islâmico é acusado pela ação.

PF investiga superfaturamento em obras de transposição do São Francisco

Da Agência Brasil Edição: Denise Griesinger


A Polícia Federal (PF) deflagrou hoje (11) a Operação Vidas Secas – Sinhá Vitória, que investiga o superfaturamento de obras de engenharia executadas por empresas em dois dos 14 lotes da transposição do Rio São Francisco. Empresários do consórcio OAS/Galvão/Barbosa Melo/Coesa utilizaram empresas de fachada para desviar cerca de R$ 200 milhões das verbas públicas.

Os valores eram destinados à transposição do rio, no trecho que vai do agreste de Pernambuco até a Paraíba. Os contratos investigados, até o momento, são de R$ 680 milhões.

Segundo a PF, as investigações apontaram que algumas empresas ligadas à organização criminosa estariam em nome de um doleiro e também envolvem um lobista, ambos investigados na Operação Lava Jato.

Estão sendo cumpridos 32 mandados judicias, sendo 24 de busca e apreensão, quatro de condução coercitiva e quatro de prisão, em Pernambuco, Goiás, Mato Grosso, Ceará, São Paulo, Rio de Janeiro, Rio grande do Sul, Bahia e Brasília. Cerca de 150 policiais federais participam da operação.

Os investigados responderão pelos crimes de associação criminosa, fraude na execução de contratos e lavagem de dinheiro.

A PF explicou que o nome da operação, Sinhá Vitória, representa a mulher do sertão, que não se rende à miséria. Uma personagem descrita no livro Vidas Secas, de Graciliano Ramos, como uma mulher forte, que fazia as contas do pagamento recebido do dono da fazenda onde trabalhavam sempre chegando à conclusão de que eram roubados.


Chega ao Canadá primeiro avião com refugiados sírios

Da Agência Lusa


O primeiro grupo de 163 refugiados sírios que chega ao Canadá foi recebido pelo primeiro-ministro Justin Trudeau, no aeroporto de Toronto, na madrugada de hoje (11).

O avião aterrissou no aeroporto de Toronto às 23h30 locais (4h30 desta sexta-feira em Lisboa), procedente de Beirute, no Líbano, após escala técnica na Alemanha.

O governo canadense espera acolher 10 mil refugiados sírios até o fim deste mês.


Suspeita de bomba esvazia estações de trem em São Paulo

Fernanda Cruz – Repórter da Agênci Brasil Edição: Talita Cavalcante


A suspeita da existência de bombas em duas estações da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) prejudica a circulação de trens da zona leste na manhã de hoje (11).

De acordo com a Polícia Militar, um objeto suspeito foi abandonado na Estação Guaianases da Linha 11-Coral. O suposto artefato explosivo está acoplado a um celular e amarrado dentro de uma sacola, informou a PM. Uma equipe do Grupo de Operações Táticas (Gate) foi deslocada para o local. A circulação de trens entre as estações Antônio Gianetti Neto e Tatuapé precisou ser interrompida às 6h10.

Outra suspeita de bomba também prejudica o atendimento aos usuários na Estação Itaquera, da Linha 3-Vermelha do Metrô. Segundo a PM, o possível artefato abandonado tem três tubos enrolados com fita crepe, contendo um visor. O Gate foi acionado, mas ainda não chegou ao local.


Projeto de acordo final sobre alterações climáticas é adiado para este sábado

Da Agência Lusa


Acordo final da COP21 tem o objetivo de reduzir as emissões de gases de efeito estufa Agência Ansa Brasil/EPA/Direitos Reservados

O projeto de acordo final para o combate às alterações climáticas, que deveria ser apresentado hoje (11) na conferência mundial do clima em Paris, foi adiado para amanhã (12) de manhã, anunciou o governo francês. “Preferimos dar tempo para consultas às delegações ao longo de todo o dia de hoje”, antes de apresentar o texto final para ser aprovado em plenário, acrescentou a mesma fonte, citada pela agência France Presse.

O texto “vai ser apresentado logo cedo na manhã deste sábado para aprovação ao meio-dia”,  depois de uma segunda noite em claro para os representantes de 195 países reunidos há duas semanas em Bourget, ao norte da capital francesa, no âmbito da conferência do clima, a COP21.

“As coisas estão na direção certa”, disse o presidente da COP21 e ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Laurent Fabius. Ele acrescentou que espera ter condições de apresentar uma versão final do acordo no dia de hoje.

A conferência tem como objetivo alcançar um acordo global para a redução de emissões de gases de efeito de estufa, em substituição do Protocolo de Quioto - tratado complementar à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, criado em 1997.


Presidente da Venezuela acusa oposição de criar “desestabilização”

Da Agência Lusa Edição: Graça Adjuto


O presidente da Venezuela, Nicolás MaduroFabio Pozzebom/Agência

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou, nessa quinta-feira (10), a oposição, que ganhou as eleições parlamentares de domingo (6), de querer criar uma “desestabilização” do poder. Maduro fez o comentário durante congresso extraordinário do seu partido, o Socialista Unido da Venezuela (PSUV) que convocou em Caracas.

“Essa direita prepara-se unicamente para continuar o seu esquema de destabilização e de golpe de Estado permanente, utilizando a Constituição”, afirmou o presidente venezuelano.

A oposição, reunida sob a plataforma Mesa da Unidade Democrática (MUD), conquistou nas eleições de domingo maioria de dois terços na Assembleia Nacional (Parlamento). A vitória da oposição, a primeira em 16 anos, marca uma virada histórica contra o chavismo (corrente inspirada no nome do ex-presidente Hugo Chávez, que dirigiu o país de 1999 a 2013), que detinha até agora a totalidade dos poderes no país.

A maioria de dois terços permite à oposição convocar um referendo, declarar uma assembleia constituinte ou destituir magistrados do Supremo tribunal de Justiça. A oposição poderá ainda designar membros do Conselho Nacional Eleitoral, aprovar e modificar leis orgânicas, submeter a referendo tratados internacionais e projetos de lei, votar projetos de reforma constitucional e mesmo determinar a saída antecipada do presidente Nicolás Maduro, por meio de uma redução da duração do seu mandato, que vai até 2019.


Comissão da Verdade do Rio entrega relatório final com lista de torturadores

Cristina Indio do Brasil – Repórter da Agência Brasil Edição: Aécio Amado


O relatório final da Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro (CEV-Rio) foi entregue nessa quinta-feira (10) ao governo do estado, em cerimônia no Palácio Guanabara, na capital fluminense. O documento de 456 páginas identifica 183 agentes da ditadura responsáveis por violações dos direitos humanos no estado do Rio, incluindo presidentes da República, quem praticou diretamente torturas e faz 40 recomendações elaboradas com a participação de movimentos sociais, militantes, ex-presos e perseguidos políticos, famílias, especialistas e acadêmicos.

O relatório expressa o trabalho da comissão instalada em maio de 2013, para esclarecer as violações dos direitos humanos praticados pelo Estado, entre 1946 e 1988, inclui avaliações feitas em projetos de sete universidades contempladas por um edital lançado pela Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj), além de pesquisas feitas por dez especialistas, sobre as empresas que apoiaram o golpe e a ditadura e a violência praticada contra moradores de favelas, negros, mulheres e população LGBT.

O texto é dividido em seis tópicos que vão desde a avaliação de que o golpe de 1964 foi uma ação da elite contra os projetos de reformas populares do governo João Goulart, da violência e terror do Estado contra militantes políticos de oposição e integrantes de setores sociais como trabalhadores rurais e urbanos.

A presidenta da CEV-Rio, a advogada Rosa Cardoso, disse que a principal conclusão do trabalho está mais relacionada a desrespeitos aos direitos humanos que ocorrem atualmente, em plena democracia, como os casos de torturas e violência praticadas por policiais e nos sistemas penitenciário e de segurança, que ainda persistem. Segundo ela, como essas questões não foram resolvidas, estão surgindo no país comissões da Verdade da Democracia, e uma delas vai ser instalada pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Sobre as recomendações feitas pela comissão, Rosa Cardoso destacou as ações de educação e da memória. "Educação em direitos humanos, educação para a democracia e memória, no sentido de concretizações desse direito, criando aqui museus, memoriais, sinalizações, placas que façam a sociedade conviver com a ideia de não se repetir o que aconteceu e o que está acontecendo ainda", disse.

O deputado Wadih Damous, que foi presidente da CEV-Rio, ao discursar na cerimônia, reforçou o pedido encabeçado pela comissão e por entidades de direitos humanos e famílias de vítimas de torturas, para que o antigo prédio do Departamento de Ordem Política e Social (Dops), no centro do Rio, seja transformado em Memorial da Resistência e em um Centro de Referência para estudos da violação de direitos humanos.

Nesse sentido, ele pediu ao secretário de estado da Casa Civil, Leonardo Espíndola, que conversasse com o governador Luiz Fernando Pezão e com a Polícia Civil, que quer fazer do local a sede de um museu policial. "Nós reconhecemos a pretensão da polícia, mas esse prédio, infelizmente, notabilizou-se como centro de torturas e de aprisionamento de militantes políticos. Não podemos esquecer isso. Esse prédio merece ser destinado à memória da repressão e como um culto à democracia", afirmou.

Para Damous, as pesquisas sobre a memória desse período de repressão devem continuar para que as novas gerações saibam o que aconteceu e entender que a democracia é uma conquista de todos os dias. "Entendendo o que aconteceu no passado, nós conseguimos entender muitas das coisas que acontecem no presente. Conseguimos entender, por exemplo, que golpes de Estado tiveram um padrão em um determinado momento, sobretudo, em sociedades latino-americanas, e hoje assumem um novo padrão, que é o padrão que está em curso, e que nós queremos resistir mais uma vez, queremos ter a consciência, e não vamos permitir que aconteça", disse.

O presidente da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, Paulo Abrão, afirmou que o Brasil, no passado, escondia as suas mazelas, graves violações e genocídios. Hoje tem a transparência como elemento construtivo da memória nacional. "Exigir justiça não é revanche. É simplesmente levar a sério o Brasil e as nossas instituições. É acreditar que a lei vale para todos e ninguém está acima da lei". Abrão considerou ainda que a democracia é muito cara e não pode haver quebra do jogo democrático. "Não pode haver ruptura. O resultado das urnas tem que ser respeitado", acrescentou.

Como estava em um compromisso em Brasília, o governador Luiz Fernando Pezão foi representado na cerimônia pela primeira-dama Maria Lúcia Horta, presidenta da Obra Social RioSolidário. Ela disse que jogar luz sobre o passado é a melhor maneira de não repetir os erros ou omissões cometidas. "Vamos construir o futuro sem esquecer o que aconteceu. Todos aqui estão comprometidos em sempre olhar o passado, de modo que o preconceito, a intolerância e a perseguição nunca mais assombrem a nossa história".

Ainda na cerimônia, integrantes do Grupo de Filhos e Netos por Memória, Verdade e Justiça, movimento social suprapartidário de direitos humanos, fizeram a leitura de um poema em que lembraram os desaparecidos da ditadura e dos casos que ainda ocorrem atualmente, como o do pedreiro Amarildo, na Favela da Rocinha, envolvendo policiais militares da Unidade de Polícia Pacificadora da comunidade.

Depois eles apresentaram uma lista de pedidos ao governador, entre eles a punição e identificação de agentes públicos envolvidos em torturas e assassinatos. "A gente espera que as reivindicações se transformem em realidade. A gente sabe que não é de uma hora para outra. É uma luta difícil, mas estamos lutando e, talvez, ocorra bem rápido, a transformação do prédio do ex-Dops", disse à Agência Brasil a professora Márcia Curi Vaz Galvão.


Novo relator apresenta na terça parecer sobre processo de Cunha

Karine Melo - Repórter da Agência Brasil Edição: Carolina Pimentel


Deputado federal Marcos Rogério é o novo relator do caso Cunha no Conselho de ÉticaLúcio Bernardo Junior/Câmara dos Deputados

O deputado Marcos Rogério (PDT-RO), novo relator do processo sobre o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), anunciou hoje (10) que na próxima terça-feira (15) apresentará formalmente o novo relatório sobre o caso e lembrou que, como já era de conhecimento de todos os parlamentares, será favorável à admissibilidade do processo.

“Meu parecer em razão da discussão da matéria já é conhecido de todos, então apresentarei apenas de maneira formal meu relatório”, disse Marcos Rogério, destacando que, por zelo ao processo, não apresentaria o voto imediatamente.

“Vou repeitar o devido processo. Não aturarei com açodamento nem procrastinação, serei na condição de relator, um ajudante de cumpridor do regimento. Vou zelar pela probidade do processo”, afirmou.

O relator também elogiou o presidente do Conselho, deputado José Carlos Araújo (PSD-BA), que, segundo ele, mesmo discordando da substituição do antigo relator, Fausto Pinato (PRB-SP), agiu com a cautela que o processo exige acatando a decisão da vice-presidência da Casa.

Líder da Coreia do Norte diz, pela primeira vez, que tem bomba de hidrogênio

Da Agência Lusa


O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, afirmou, pela primeira vez, que o país tem a bomba de hidrogênio, informou hoje (10) a agência oficial KCNA, embora vários peritos duvidem que o país tenha conseguido desenvolver essa arma.

Kim Jong-un disse que a Coreia do Norte "se transformou num poderoso Estado, que tem armas nucleares, capaz de fazer detonar uma bomba atômica e também uma bomba H (de hidrogênio) para defender eficazmente a soberania e dignidade da nação", acrescentou a KCNA.

Ele fez a afirmação durante visita à região de Phyongchon, na capital norte-coreana, onde foi construída a primeira fábrica de munições do país há seis décadas.

O líder, de 32 anos, reafirmou em várias ocasiões que a Coreia do Norte tem armas nucleares e que esse recurso é o principal pilar da defesa contra os planos de invasão pelos Estados Unidos.

De acordo com peritos sul-coreanos, esta é a primeira vez que o regime da Coreia do Norte garante ter a bomba de hidrogênio, um explosivo que pode multiplicar por milhares a potência de um míssil nuclear comum, como os que foram lançados sobre as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki, em 1945.

Os serviços secretos sul-coreanos (NIS) disseram desconhecer que o regime de Kim Jong-un tenha desenvolvido a bomba de hidrogênio, informou um dos responsáveis do NIS à agência sul-coreana de notícias Yonhap, em Seul.

"A Coreia do Norte não teve êxito na miniaturização das bombas nucleares, por isso não pode contar com a tecnologia para produzir uma bomba H", acrescentou a mesma fonte, que considerou as declarações de Kim Jong-un "simples retórica".

No caso das bombas nucleares comuns, a Coreia do Norte conseguiu grande desenvolvimento tecnológico, tendo realizado três explosões em 2006, 2009 e 2013.

Dilma embarca para Argentina onde participa da posse de Mauricio Macri

Ana Cristina Campos – Repórter da Agência Brasil Edição: Talita Cavalcante

Brasília - A presidenta Dilma Rousseff recebeu, na semana passada, a futura chanceler da Argentina Susana Malcorra e o presidente eleito, Mauricio Macri, no Palácio do PlanaltoElza Fiúza/Agência Brasil

A presidenta Dilma Rousseff embarcou na manhã de hoje (10) para a Argentina, onde participa da posse do novo presidente Mauricio Macri. Ele sucede Cristina Kirchner que ocupou a Presidência durante oito anos. Macri foi eleito no segundo turno das eleições, em 22 de novembro, com 51,42% dos votos, contra 48,60% de Daniel Scioli, o candidato apoiado pelo governo.

A cerimônia de posse está marcada para meio-dia no Congresso argentino. Em seguida, haverá os cumprimentos ao novo presidente na Casa Rosada, sede do governo. Dilma deverá chegar a Brasília no início da noite de hoje.

Na semana passada, Dilma recebeu Macri no Palácio do Planalto. Depois de conversar por cerca de meia hora com a presidenta, Macri, afirmou, em entrevista à imprensa, que ela estava “muito tranquila” durante o encontro. Segundo ele, Dilma explicou a situação política brasileira e disse que continuará trabalhando, enquanto durar o processo de impeachment, inclusive em questões do Mercosul.

De acordo com o Planalto, a Argentina é o principal sócio político e um dos maiores parceiros comerciais do Brasil. Entre 2002 e 2014, a corrente de comércio bilateral passou de US$ 7,1 bilhões para US$ 28,4 bilhões. As exportações entre os dois países são formadas majoritariamente de produtos manufaturados. No caso do Brasil, as exportações de industrializados representaram 95% das vendas para a Argentina nos 11 primeiros meses de 2015.


Diário Oficial publica portaria que autoriza aumento de tarifas dos Correios

Daniel Lima - Repórter da Agência Brasil Edição: Graça Adjuto


Agência dos CorreiosMarcello Casal Jr/Agência Brasil

O Diário Oficial da União publicou hoje (10) portaria autorizando o aumento das tarifas dos serviços postais e telegráficos, nacionais e internacionais, prestados exclusivamente pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT). A correção das tarifas, como as de entrega de cartas e telegramas, será 8,89% e ajudará a diminuir o déficit no orçamento da estatal, que deve chegar a R$ 2 bilhões até o fim do ano.

Além da revisão das tarifas, o novo presidente dos Correios, Giovanni Queiroz, informou à Agência Brasil que medidas administrativas também fazem parte do pacote previsto. Ele quer adiar a renovação das frotas de carros e caminhões da empresa, que atualmente ocorre a cada cinco anos.

Os contratos de 4,8 mil imóveis que a empresa aluga serão também revistos, verbas publicitárias e de patrocínio serão cortadas e até o horário de funcionamento das agências poderá sofrer alterações. Para o ano que vem, o objetivo é cortar R$ 1,7 bilhão em gastos e aumentar em R$ 300 milhões a receita da empresa.


Nível de radiação em água subterrânea de Fukushima aumenta 4 mil vezes

Da Agência Lusa Edição: Denise Griesinger


A proprietária da central nuclear de Fukushima detectou índices de radiação 4 mil vezes superiores aos do ano passado na água de um túnel subterrâneo, próximo ao edifício de tratamento de resíduos daquela unidade.

Um porta-voz da Tokyo Electric Power (Tepco) confirmou hoje (10) à agência EFE que os dados revelam uma “alta densidade de césio” no ponto de observação adjacente à central japonesa. A operadora disse desconhecer, até o momento, as causas do aumento, apesar de acreditar que não ocorreu vazamento para o mar.

Nas amostras recolhidas no dia 03 de dezembro no túnel – onde se acumulam entre 400 e 500 toneladas de água contaminada, incluindo a arrastada pelo tsunami de março de 2011 – foram detectados 482 mil becquereis por litro de césio radioativo, um índice 4 mil vezes superiores aos medidos no ano passado.

Os dados também revelaram a presença de 500 mil becquereis por litro de outras substâncias emissoras de raios beta – 4,1 mil vezes mais do que os apurados no ano passado.

O túnel encontra-se perto das instalações utilizadas para armazenar temporariamente água altamente radioativa que arrefece o combustível nuclear fundido no interior dos reatores danificados.

A Tepco assegurou que os índices de radiação na água armazenada são superiores aos registrados no edifício em si e que foram adotadas as medidas necessárias para que não ocorrer vazamento de água.

Além de descartar vazamentos para o mar, a elétrica afastou a possibilidade de eventuais vazamentos para outros túneis, dado que os níveis de radiação na água subterrânea próxima não subiram.

A operadora está investigando o caso para determinar a causa da alta.

África Subsaariana tem as mais elevadas taxas de casamento infantil

Da Agência Lusa


A organização Human Rights Watch (HRW) pediu hoje (10) aos governos africanos que coordenem ações, principalmente com líderes religiosos, a fim de melhorar leis e conscientizar a população para acabar com o casamento infantil, que só na Africa Subsaariana afeta 40% das menores.

Apesar de os tratados de direitos humanos e da mulher e da criança, acordados pelos Estados africanos, estabelecerem que a idade mínima para contrair matrimônio deve ser os 18 anos, o continente continua a apresentar as mais elevadas taxas de casamento infantil.

“Não há uma solução única para acabar com o matrimônio infantil. Os governos africanos devem comprometer-se a realizar uma mudança integral, que inclua uma reforma jurídica, assim como o acesso à  educação de qualidade, à informação e aos serviços de saúde sexual e reprodutiva”, afirmou a pesquisadora da organização HRW na África, Agnes Odhiambo.

A propósito do Dia Internacional dos Direitos Humanos, a organização divulgou relatório em que alerta para os riscos a que estão expostas as menores, intitulado Acabar com o matrimónio infantil na África: abrindo às crianças as portas da educação, saúde e proteção contra a violência”.

Com o casamento, explica, termina a educação da criança, que fica exposta à violência doméstica e sexual e aumenta os riscos de morte por maternidade precoce ou por HIV.

Embora muitos fatores contribuam para o matrimônio infantil, a pobreza figura como um dos principais motivos. A família vê no casamento precoce uma forma de sobrevivência econômica, ao ficar com menos um filho para alimentar ou educar.

Segundo a HRW, pelo menos 20 países africanos permitem que as meninas se casem antes dos 18 anos, por meio de leis que contemplam exceções em caso de consentimento dos pais.

A falta de acesso à educação também pode contribuir para o casamento infantil, assim como as crenças tradicionais sobre os papéis de gênero, que continuam a subordinar meninas e mulheres.

“Os funcionários do governo não podem obter uma mudança sozinhos, devem trabalhar com os líderes religiosos e da comunidade que desempenham papel influente na definição das normas sociais e culturais”, disse Odhiambo.

Segundo estimativas do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), caso não ocorram avanços no plano da prevenção do matrimônio infantil, o número de meninas casadas na África vai aumentar de 125 milhões para 310 milhões em 2050.


Quarteto para o Diálogo na Tunísia recebe hoje o Prêmio Nobel da Paz

Da Agência Lusa

Quarteto premiado por contribuir para a criação de uma democracia na Tunísia na sequência da Revolução de JasmimDa Agência Lusa/Direitos Reservados

A cerimônia de entrega do Prêmio Nobel da Paz ao Quarteto para o Diálogo Nacional na Tunísia ocorre hoje (10) em Oslo, na Noruega, antes da entrega dos demais prêmios, prevista para Estocolmo.

O Quarteto tunisiano – contemplado com 855 mil euros, valor atribuído a cada categoria do Prêmio Nobel – e escolhido em 2015 pela sua “decisiva contribuição à criação de uma democracia plural na sequência da Revolução de Jasmim”, já está na capital norueguesa. Os integrantes do grupo afirmam que o diálogo continua sendo “a chave” para todos os problemas políticos, incluindo a Síria e a Líbia.

“As armas nunca poderão ser uma solução, nem na Síria nem na Líbia. É necessário o diálogo e não sangue, nem combatentes”, declarou nessa quarta-feira, em entrevista, Abdessatar Ben Moussa, presidente da Liga Tunisiana dos Direitos Humanos (LTDH), uma das quatro organizações do país premiadas.

Além da LTDH e da central sindical União Geral Tunisiana do Trabalho (UGTT), o quarteto é composto pela organização patronal Utica e pela Ordem dos Advogados.

Pouco depois, durante cerimônia em Estocolmo, na Suécia, o rei Gustavo entrega os demais prêmios Nobel, com destaque para o de literatura, atribuído à jornalista e escritora bielorrussa Svetlana Alexievich.


Hackers atacam página do primeiro-ministro do Japão por caça às baleias

Da Agência Lusa Edição: Graça Adjuto


O movimento de hackers (pessoas que elaboram e modificam softwares e hardwares de computadores) Anonymous bloqueou hoje (10) o acesso à página na internet do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, num ataque em protesto contra o programa de caça às baleias.

O portal do primeiro-ministro permanece parcialmente bloqueado devido a um ataque de recusa de serviços (DDos ou Distributed Denial of Service), cuja autoria foi reivindicada pelo grupo internacional de hackers na rede social Twitter, onde afirma que a caça de baleias “não é um direito cultural”.

O porta-voz do Executivo japonês, ministro Yoshihide Suga, reconheceu, em entrevista, que o ataque limitou o acesso ao portal de Shinzo Abe e informou que a polícia investiga se ele foi cometido por integrantes do Anonymous.

A ação dos piratas ocorre em represália à decisão do governo japonês de retomar o programa de caça de baleias. Pelo programa, poderão ser capturadas, na atual temporada, 333 exemplares no Oceano Antártico para fins que, segundo o governo, são científicos.

Mais de 30 países, incluindo todos os que integram a União Europeia, os Estados Unidos, o México e a Austrália, apresentaram nesta semana proposta conjunta ao governo japonês contra a caça de baleias, que também é contestada por organizações ambientalistas.

A rede Anonymous posicionou-se contra essa prática, como fez em relação à caça de golfinhos de Taiji, no oeste do Japão, em novembro, quando os hackers provocaram o colapso de dezenas de portais japoneses.


Países pobres e em desenvolvimento são os que mais recebem refugiados, diz Acnur

Cristina Indio do Brasil – Repórter da Agência Brasil Edição: Aécio Amado



Os atuais campos de refugiados, construídos para abrigar temporariamente pessoas que deixam seus países fugindo da guerra, da fome e de perseguições política, social e religiosa, têm se transformado em situação duradoura, e esse é um dos piores dramas da atual política de refugiados e apátridas (pessoas que não têm nacionalidade) no mundo.

 A refugiada síria Maha Mamo, que atua na difusão do projeto da ONU #ibelong, voltado para os apátridas, debate as fronteiras do século 21 e a crise migratóriaTomaz Silva/Agência Brasil

A avaliação é do oficial de Proteção do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) no Brasil, Gabriel Godoy. Atualmente, segundo ele, perto de 45% dos refugiados no mundo vivem uma situação prolongada de refúgio, que afeta mais de 25 mil pessoas por um período superior a cinco anos.

“Infelizmente, os campos de refugiados construídos para dar uma resposta imediata para as vítimas que cruzam as fronteiras e buscam em um país vizinho a oportunidade de reconstruir suas vidas têm se tornado uma solução que passa de temporária para duradoura”, afirmou durante o debate Fronteiras do Século 21 e a crise migratória, incluído na programação do Projeto Emergências, promovido pelo Ministério da Cultura, por meio da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural (SCDC), na Fundição Progresso, no centro do Rio.

De acordo com Godoy, ao contrário do que se poderia pensar, não são os países ricos, os que mais recebem essas pessoas. “Os estados que mais acolhem os refugiados no mundo são os países pobres, os países em desenvolvimento”, disse. Segundo ele, 86% dos refugiados do mundo nesses países.

O oficial de Proteção do Alto Comissariado das ONU para Refugiados no Brasil, Gabriel Godoy, debate as fronteiras do século 21 e a crise migratória Brasil)Tomaz Silva/Agência Brasil

De acordo com dados do Acnur, este é o momento mundial em que ocorre a maior crise de refugiados desde a 2ª Guerra Mundial, com cerca de 60 milhões de pessoas que deixaram seus países. Para Godoy, a continuidade de velhos conflitos e a emergência de novas guerras, obrigam as pessoas que não têm mais os seus direitos de cidadania a se deslocar porque perderam a proteção do seu estado de origem.

“São quase 20 milhões de pessoas que tiveram que deixar o seu país de origem para buscar asilo em outro lugar. Tiveram que cruzar uma fronteira internacional, por serem perseguidas em razão da sua opinião política, da sua raça, da sua nacionalidade, da sua religião, porque pertencem a um determinado grupo social ou porque fogem de um conflito armado”, disse. Ele acrescentou que cerca de 38 milhões são deslocados internos, que não puderam fugir para o exterior, mas tiveram que encontrar um outro lugar no seu próprio país de origem.

A coordenadora do Programa de Atendimento a Refugiados da Cáritas do Rio de Janeiro, Aline Thuller, informou que conforme os dados de setembro levantados para entidade existiam 21 mil 130 pessoas em deslocamento no estado, a maior parte de Angola (2.336). A faixa etária com mais frequência está entre 18 e 59 anos. Do total, 8 mil 530 eram refugiados reconhecidos e o restante de solicitantes de refúgio. Apesar de 70% serem homens, segundo ela, tem aumentado o número de mulheres. “No início dos anos 1990 a gente tinha um número muito maior de homens chegando e agora a gente vem experimentando a chegada cada vez maior de mulheres com crianças e grávidas sozinhas, especialmente, da República Democrática do Congo”, disse.

Aline Thuller ressaltou que o idioma é a principal dificuldade dos refugiados no Brasil, por isso, a Cáritas oferece um curso para o aprendizado da lígua portuguesa. Nessas aulas, eles recebem também informações sobre a história do país e do estado; noções de direitos e legislação. Outra área difícil, segundo Aline, é a trabalhista. De acordo com a coordenadora da Cáritas, alguns empregadores têm atitudes racistas e procuram refugiados negros por achar que eles podem resistir às atividades mais pesadas.

A assistente social e ativista dominicana Génesis Aquino debate as fronteiras do século 21 e a crise migratória no Encontro Global Emergências, que acontece no RioTomaz Silva/Agência Brasil

Ainda no debate a assistente social e ativista dominicana Génesis Aquino; a refugiada síria Maha Mamo, que atua na difusão do projeto da ONU #ibelong, voltado para os apátridas no mundo; e Nuradin Abdi, refugiado somali na Inglaterra deram depoimentos.

Génesis vive em Nova York, onde trabalha em projetos de apoio a refugiados, mas se ressente de não poder ter a cidadania do seu país. Segundo a ativista, após uma mudança na legislação, dominicanos com ascendência haitiana perderam os seus registros, mas a alteração não atingiu a todos. Na família de Génesis só ela ficou sem o documento e não houve explicação do governo para isso. Uma vez chegaram a chamá-la para resolver o problema, mas sempre pediam para que voltasse na próxima semana. “Me deu frustração esse protesto. Agora inventaram que o problema é com o nome da minha mãe. É mentira. Tenho muitas cópias em minha casa”, afirmou.

Maha Mamo é filha de pais sírios de religiões diferentes e que, por isso, fugiram para o Líbano, onde ela nasceu, mas por causa dessa situação não teve a nacionalidade reconhecida. “Meu pai é sírio, mas eu não posso virar síria, nasci no Líbano, mas não posso virar libanesa. Fiquei sem nacionalidade”, disse.

Depois de tentar refúgio em vários países, foi acolhida há pouco mais de um ano pelo Brasil. Ela e dois irmãos moram com uma família em Belo Horizonte, mas nos documentos ainda tem a inscrição apátrida. “Eu fiquei muito feliz, tenho aqui direito para trabalhar. Tenho carteira de trabalho e tenho CPF. Tenho muitas coisas e consigo viajar aqui dentro do Brasil, mas minha classe é de refugiada apátrida”, acrescentou.

O somali Nuradin Abdi teve que sair do seu país por causa da violência, e mora na Inglaterra. Ele chegou em Manchester com 9 anos, onde estudou. Apesar de se sentir acolhido, destacou que na escola aprendeu uma cultura muito diferente da sua. “Foi um choque. Era um modo de vida totalmente diferente, por exemplo, o clima era diferente, a cultura era estranha, o ritmo de vida, muito mais rápido, a comida era horrível”.

O refugiado somaliano e ativista anti-guerra Nuradin Abdi debate as fronteiras do século 21 e a crise migratóriaTomaz Silva/Agência Brasil

Nuradin Abdi sofreu ainda discriminação por ser negro e uma vez foi retirado pela polícia de dentro de um ônibus, em consequência precisou andar por cinco horas até chegar em casa. “O único refúgio para mim e para meus amigos era o futebol. Esse era o meu consolo, me ajudou a lidar com o trauma e me manteve distante do crime. Salvou a minha vida”, afirmou emocionado.

Na avaliação do oficial de Proteção do Acnur, o que é colocado como crise imigratória no mundo, na verdade, retrata a luta de sobrevivência. Para ele, o modelo de tratamento de refugiados após a 2ª Guerra Mundial ficou superado e não atende aos atuais desafios.

“Apostar na mesma fórmula talvez seja insistir em algo que não vai dar certo. Existem várias lacunas para novas situações que provocam o deslocamento forçado. Não existe uma categoria jurídica dentro do direto internacional para falar dos refugiados do clima, que dirá para falar dos refugiados do capital e da pobreza”, afirmou. De acordo com Godoy, o novo modelo necessário exige uma resposta política “que passa pela reflexão do que está na raiz do deslocamento forçado”.


Dilma e Temer afirmam que terão relação profícua, pessoal e institucional

Paulo Victor Chagas – Repórter da Agência Brasil Edição: Aécio Amado


A presidenta da República, Dilma Rousseff, disse há pouco, por meio de nota divulgada pelo Palácio do Planalto, que ela e o vice-presidente Michel Temer decidiram ter  “uma relação extremamente profícua, tanto pessoal quanto institucionalmente”.

O vice-presidente Michel Temer, após reunião com a presidenta Dilma Rousseff, no Palácio do Planalto Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

“Na nossa conversa, eu e o vice-presidente Michel Temer decidimos que teremos uma relação extremamente profícua, tanto pessoal quanto institucionalmente, sempre considerando os maiores interesses do país”.

Um pouco antes, ao sair da reunião, o vice-presidente disse aos jornalistas que na conversa com Dilma ficou acertado que os dois terão “uma relação pessoal, institucional que seja a mais fértil possível".

"Combinamos, eu e a presidenta Dilma, que nós teremos uma relação pessoal, institucional que seja a mais fértil possível", afirmou Temer.

Dilma e Temer se reuniram no começo da noite, durante pouco mais de 50 minutos, no Palácio do Planalto. Desde a semana passada, os dois não se encontravam pessoalmente. Na segunda-feira (7), Temer enviou carta à presidenta em que aponta “fatos reveladores” da desconfiança que o governo tem em relação a ele e ao PMDB.

No documento, entregue no fim da tarde no Palácio do Planalto,  o vice “rememorou fatos ocorridos nesses últimos cinco anos, mas somente sob a ótica do debate da confiança que deve permear a relação entre agentes públicos responsáveis pelo país”.

De acordo com a assessoria de imprensa da Vice-Presidência, a decisão de Temer de escrever a carta foi tomada após a presidenta informar, durante entrevista coletiva à imprensa, na manhã de segunda-feira, que procuraria o vice para conversar.

O encontro desta noite com Michel Temer ficou definido após o chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, a pedido de Dilma, ter ligado para o vice-presidente marcando a reunião, que ocorreu após a presidenta voltar de Roraima, onde cumpriu uma agenda de entrega de moradias do Programa Minha Casa, Minha Vida.


Cunha: decisão do ministro Fachin não é boa para quem quer acelerar impeachment

Iolando Lourenço - Repórter da Agência Brasil Edição: Fábio Massalli


O presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse hoje (9) que respeita a decisão do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), dada na Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF), que questiona os trâmites do processo de impeachment em tramitação na Câmara. Segundo ele, a decisão não é boa para aqueles que desejam acelerar o processo.

“Essa decisão é contra aqueles que querem antecipar o processo. Ela atrasa o processo porque não fizemos a eleição suplementar, [por isso] a comissão especial não vai ser instalada. Se o julgamento se dá na quarta-feira [16], dificilmente dá para fazer a eleição na quinta [17] e com isso a eleição vai ficar para a última semana de dezembro”, disse. “A gente respeita a decisão, seja monocrática, seja coletiva, do STF em qualquer instância. Poderia ter sido levado em questão de ordem na sessão de hoje [do STF], talvez fosse mais fácil”.

Segundo Cunha, o adiamento da decisão para o dia 16 no plenário provoca uma paralisação no processo de oito dias, onde todos ficam aguardando a decisão da Corte. “Mas a decisão foi essa e vamos aguardar o que vai acontecer no julgamento do dia 16, mas aqui certamente ficará paralisado pelas obstruções a espera dessa decisão”.

Cunha disse que, em função da obstrução dos partidos da oposição, dificilmente haverá quórum para qualquer votação da Câmara até a decisão do STF sobre a ADPF. Hoje não houve quórum para votações na Casa. Sobre a possível convocação do Congresso no recesso parlamentar para tratar do processo de impeachment, Cunha disse que só se posicionará sobre o assunto após a decisão do STF sobre o processo.

Em relação a troca de relator no Conselho de Ética na processo contra ele, Cunha disse que falou várias vezes que o relator do processo contra ele não poderia ser do mesmo bloco formado no início da legislatura. Ele disse também que já proferiu várias decisões na Câmara com relação à questão dos blocos partidários. “Aqui tudo é preenchido pelos blocos. Em todas as comissões as vagas são dos blocos no início da legislatura”.




Professor brasileiro é finalista do prêmio Global Teacher Prize

Mariana Tokarnia - Repórter da Agência Brasil Edição: Nelio Neves de Andrade


O professor Marcio de Andrade Batista é o único brasileiro entre os 50 finalistas do Global Teacher Prize, considerado o Prêmio Nobel da Educação. Segundo a organização do prêmio, Batista foi escolhido entre milhares de candidatos de 148 países. Apenas 29 nações estão representadas entre os finalistas. O vencedor será anunciado em março do ano que vem, em Dubai, e receberá US$ 1 milhão.

Engenheiro químico e professor da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Batista recebeu a indicação pelo trabalho que faz em escolas do ensino médio público. Ele orienta projetos sugeridos pelos próprios estudantes. A ideia é que os alunos desenvolvam interesse pela ciência desde o ensino básico. "Sempre tive como meta mostrar que ser cientista é tão legal quanto ser jogador de futebol ou outra profissão que os alunos admiram. Queria inserir a ciência dentro do rol de interesses dos alunos", diz.

Com as orientações do professor, surgem assim projetos como a utilização da casca da castanha de baru, típica do cerrrado da região, para fazer pisos e a utilização de resíduo de soro de queijo para enriquecer pães e dar mais qualidade à alimentação. Uma das alunas, Bianca Valeguzki de Oliveira recebeu o prêmio Jovem Cientista pelas mãos da presidenta Dilma Rousseff.

"Quando me mudei para cá em 2010, vi que a universidade estava muito distante do ensino médio. Moramos em uma região pouco favorecida no sentido de acesso a materiais, de disponibilidade de laboratório. A intenção foi trabalhar com alguns alunos para replicar conhecimentos práticos para problemas da realidade deles", explica.

Como orientandas ele prioriza as mulheres, por acreditar que são necessárias mais oportunidades para as meninas. "Se dermos apoio a esses meninos, eles vão longe. Principalmente as meninas. Vivemos em um país, digamos, machista. Às vezes uma mulher e um homem exercem a mesma função, mas a mulher ganha menos. Essas meninas tem que romper a barreira do machismo, de estar longe dos grandes centros urbanos", defende.

O Global Teacher Prize está no segundo ano e é oferecido pela Fundação Varkey, fundada por Sunny Varkey, reconhecido internacionalmente pelo trabalho feito na educação. A intenção é mostrar o importante papel que os professores desempenham, reconhcendo um professor excepcional, que tenha feito um excelente trabalho em sua região.

A professora Nancie Atwell, dos Estados Unidos, foi a ganhadora do prêmio em 2015. Professora de inglês, ela deixa que os alunos escolham os livros que lerão e os assuntos sobre os quais escreverão nas aulas. Com a metodologia, cada aluno consegue ler em média 40 livros de 14 gêneros literários, além de escrever cerca de 21 artigos de 13 gêneros. Devido ao encorajamento e apoio, muitos dos seus alunos tornaram-se autores.


Cunha se defende no STF contra eventual pedido de afastamento do cargo

André Richter - Repórter da Agência Brasil Edição: Jorge Wamburg
Defesa de Eduardo Cunha foi ao STF para tentar neutralizar um eventual pedido de afastamento da presidência da Câmara por parte da PGRWilson Dias/Agência Brasil

A defesa do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse  hoje (9) ao Supremo Tribunal Federal (STF) que um eventual pedido de afastamento do cargo será “absurdo e infundado”, segundo manifestação enviada espontaneamente ao ministro Teori Zavascki, relator dos dois inquéritos a que Cunha responde na Corte, relacionados com a Operação Lava Jato.

Na petição, os advogados afirmam que tomaram a iniciativa de levar o assunto à Corte diante de notícias publicadas na imprensa sobre eventual pedido de afastamento de Cunha por parte da Procuradoria Geral da República ( PGR). A defesa também negou que Cunha esteja atrasando os trabalhos da Comissão de Ética da Câmara que analisa a abertura de seu processo de cassação por falta de decoro, por meio de recursos e atos para impedir a realização das sessões no período da manhã, quando não há sessões do plenário.

Para os advogados, adversários políticos de Cunha tentam utilizar a Procuradoria-Geral da República como “instrumento de uma disputa política”.

“A despeito de confiar em uma avaliação isenta dos fatos pelo procurador-geral República, que se não foi, certamente será indevidamente demandado pelos adversários políticos do peticionante a requerer um absurdo e infundado pedido de seu afastamento da presidência da Câmara, a defesa acredita ser absolutamente necessário e fundamental levar ao conhecimento de Vossa Excelência [Zavascki] e dos demais ministros deste Supremo tais acontecimentos, para ficar claro que, a despeito de se pretender dar a falsa conotação de questão jurídica, trata-se, em verdade, de fatos relativos a divergências exclusivamente políticas”, argumentam os advogados.

Pela manhã, deputados do PSOL e do Rede entregaram à Procuradoria-Geral da República (PGR) pedido de afastamento cautelar de Cunha do cargo.


Aprovada PEC que prevê licença maternidade maior para mães de bebês prematuros

Mariana Jungmann - Repórter da Agência Brasil Edição: Fábio Massalli


O plenário do Senado aprovou hoje (9) o aumento da licença maternidade em casos de bebês prematuros. Pelo texto aprovado, as mães poderão ficar afastadas do trabalho por tempo superior ao previsto atualmente para licença maternidade, que é de quatro meses obrigatoriamente.

Assim, o tempo da licença de 120 dias começará a contar a partir da alta hospitalar e não do nascimento do bebê como ocorre com crianças saudáveis. O benefício vale para crianças nascidas entre a 20ª e a 30ª semana de gestação. Fica estabelecido também que o tempo máximo de licença será de 12 meses, sendo oito de internação e quatro de licença.

A proposta, de autoria do senador Aécio Neves (PSDB-MG), foi aprovada por unanimidade em primeiro e segundo turno e segue agora para análise da Câmara dos Deputados. O texto foi aprovado por unanimidade no Senado.


Vítimas do Boko Haram são 'esquecidas' pelo mundo, diz diretor do IRC

HuffPost Brasil



O diretor-geral do Internacional Rescue Committee (IRC), David Miliband, afirmou nesta quarta-feira (9) que o mundo não está prestando atenção suficiente na situação das pessoas afetadas pela insurgência do grupo militante Boko Haram.

"É importante estarmos nos lugares amplamente noticiados pela mídia, mas também é importante estar naqueles lugares que não são foco das manchetes", contou ele à BBC durante uma visita a Yola, uma das áreas gravemente afetadas pela violência na Nigéria.

Ele também criticou autoridades nigerianas, pedindo que mais esforços sejam mobilizados para auxiliar as vítimas do conflito.

O ex-secretário de Relações Exteriores do Reino Unido afirmou ainda que as vítimas do grupo são "esquecidas". "O perigo é que elas sejam lembradas pelas razões erradas", alertou, citando uma "catástrofe escondida" no nordeste da Nigéria.

Publicidade

O IRC é, segundo a BBC, uma das poucas agências humanitárias que assistem parte das três milhões de pessoas que foram deslocadas ao longo de seis anos de atividade do grupo.

Câmara do Distrito Federal aprova inclusão de remédio com canabidiol pelo SUS para epilepsia

HuffPost Brasil |  De Aline Leal




A Câmara Legislativa do Distrito Federal aprovou hoje (8) o Projeto de Lei 41/2015, que inclui o canabidiol, substância derivada da maconha, na lista de remédios a ser fornecida pela rede pública para pacientes com epilepsia.

Segundo a assessoria do autor do projeto, Rodrigo Delmasso, a Câmara do Distrito Federal é a primeira a aprovar esse tipo iniciativa e o governador Rodrigo Rollemberg tem 30 dias para sancionar ou vetar a medida.

Se sancionado, o projeto vai alterar a Lei nº 4.202, de 3 de setembro de 2008, que Institui o Programa de Prevenção à Epilepsia e Assistência Integral às Pessoas com Epilepsia no Distrito Federal e dá outras providências para criação do programa de saúde da criança no Distrito Federal” , e lista medicamentos a serem fornecidos pelo Sistema Único de Saúde para estas enfermidades.

Segundo o projeto, para usar a substância o paciente terá que receber indicação médica.

Extraído da Cannabis sativa (maconha), o canabidiol, também conhecido como CDB, vem sendo usado no combate a convulsões, presente em diversas doenças, entre elas, a epilepsia.

Em janeiro de 2015, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária tirou o canabidiol da lista de substâncias proibidas para a de controladas. Em maio, a agência publicou norma que facilitou a importação do produto.

'Fuller House': Gêmeas Olsen não estarão em continuação de 'Três É Demais', mas pensaram em uma solução para isso

HuffPost Brasil  |  De Caio Delcolli


As atrizes gêmeas Mary-Kate Olsen e Ashley Olsen tornaram-se estrelas mirins por participar de Três É Demais (Full House), famosa série de comédia da ABC exibida entre 1987 e 1995.

No entanto, elas não vão repetir o papel de Michelle Tanner, a garotinha esperta e carismática, em Fuller House – a continuação da série clássica que sairá pela Netflix em 2016.


Elenco original de Três É Demais

Hoje, aos 29 anos, as duas trabalham como designers de moda em Nova York.

Mas o time responsável por Fuller House pensou em uma solução para isso, segundo a US Magazine.

Michelle será citada, mas não aparecerá. Em uma referência não muito sutil à atual carreira das Olsen, ela será designer de moda em Nova York.

Em uma cena, os personagens irão passar um trote por telefone em Michelle e dizer uma frase clássica da personagem:

"Entendi, cara."

Na história de Três É Demais, Danny Tanner (Bob Saget) é um recém-viúvo que recorre à ajuda do cunhado, Jesse (John Stamos) e do melhor amigo, Joey (Dave Coulier), para cuidar de suas três filhas pequenas: D.J. (Candace Cameron), Stephanie (Jodie Sweetin) e Michelle. Todos eles moram juntos, formando uma grande família que se apoia mutuamente.

Em Fuller House, a protagonista será D.J., que teve um destino semelhante ao do pai. Recém-viúva e mãe de três meninas, ela tem a ajuda de Stephanie e da melhor amiga Kimmy (Andrea Barber) para criar os filhos.

A continuação terá 13 episódios e foi criada por Jeff Franklin, também responsável por Três É Demais.

#CartaDaJandira

Jandira Feghali 
Líder do PCdoB na Câmara, deputada pelo Rio de Janeiro




Querida presidenta Dilma Rousseff,

Escrevo entre uma reunião e outra na Câmara dos Deputados para registrar meu sentimento de força à senhora. Nós, mulheres, lutamos muito para chegar até aqui.

Enfrentamos as mais terríveis tempestades, superamos dificuldades de toda espécie -- preconceito, problemas de saúde, agressões -- porque tínhamos um objetivo que era, ao mesmo tempo comum e coletivo.

Como líder do Partido Comunista do Brasil na Câmara, partido que integra a base de apoio ao seu governo, é meu dever defender o Estado Democrático de Direito e me perfilar às fileiras dos que combatem o golpe e lutaram e lutam pela democracia.

Meu lado é o lado de um projeto claramente delineado em benefício dos que mais precisam de um Estado forte e indutor de políticas sociais. Um projeto que tem sido ferramenta da diminuição da pobreza, dos contrastes sociais no campo e nas cidades, no combate ao preconceito e intolerância, e avançaremos em reformas estruturantes importantes para toda a sociedade.

Nossa parceria nasce daí. Não de negociatas e interesses escusos. Ela se lastreia em propósitos e metas comuns.

Fundamenta-se no olhar criterioso que compara gestões e acredita que, mesmo com problemas a superar, o governo em curso, democraticamente escolhido pela maioria da população, é o que pode garantir uma agenda voltada para o desenvolvimento econômico e social.

É certo que num momento de crise política e intensas dificuldades econômicas, fruto de uma crise mundial, o projeto é atingido, mas não será desvirtuado ou abandonado.

E, sim, temos mais do que uma história a defender.

Nos últimos 12 anos, o projeto que defendemos foi responsável por retirar milhões de pessoas da extrema pobreza, por se posicionar contra uma gestão voltada o poder econômico e o capital financeiro, por romper com a lógica de governar para os mais ricos.

Foi esse projeto que fortaleceu a unidade na América Latina, a Unasul, BRICs e outros blocos econômicos. Que disse não à ALCA e pôs fim à nossa dívida com o FMI.

É exatamente por acertar num projeto popular, que saiu da posição de joelhos perante as forças estrangeiras e passou a olhar seu povo que tanto incomoda e é alvo de golpistas.

Veja só as mulheres aí nas ruas. Chamam de "Primavera das Mulheres", numa alusão à insurgência que toma o asfalto por mães, avós e filhas, muitas com seus filhos no colo, contra o fim de direitos.

Somos mulheres da luta diária, presidenta, e sabemos que o momento é de perseverança e coragem.

Cabe a nós impedir que o golpe institucional deferido e clamado por um cidadão sem autoridade moral e política possa derrubar nossa jovem democracia.

Lutamos contra o golpe, presidenta, porque o valor democrático está acima de qualquer opção eleitoral.

Estamos aqui, juntas de tantos outros milhões de brasileiros, que valorizam os avanços, mesmo que tenham críticas pontuais.

Sei que a senhora enfrenta esse turbilhão com cautela e lucidez. Com a postura de quem tem um coração valente e se mantém coerente mesmo diante da militância do ódio, das mentiras espalhadas sobre seu governo.

Dias melhores virão, presidenta.

Serão dias de democracia respeitada e de um Estado Democrático de Direito mantido de pé.

Dias de um país que resistiu à vergonhosa e fracassada tentativa de um golpe institucional. Ao final, restará separado o joio do trigo.

Ao final prevalecerá a democracia.

Senhora presidenta,

"Amat victoria curam".

#NãoVaiTerGolpe

Quentin Tarantino diz que vai dirigir apenas mais dois filmes

HuffPost Brasil  |  De Caio Delcolli



O cineasta americano Quentin Tarantino, 52, disse que vai dirigir apenas mais dois filmes.

Em participação no talk show Jimmy Kimmel Live!, da ABC, nesta terça (8), Tarantino disse quer acumular a direção de apenas dez filmes em sua carreira – e nenhum a mais.

Ele disse a Kimmel que não vê isso como uma "grande tragédia" e que provavelmente entregará os dois últimos filmes nos próximos oito anos.

Tarantino explicou:

"Acho que muitos diretores falam, 'eu quero fazer isso e aquilo, isso e aquilo, mas tenho tempo apenas para fazer isso e aquilo'. Eu acho que eles têm bem menos tempo do que pensam ter. Então eu não vou pensar que vou fazer mais quatro ou seis filmes e conseguirei fazer todos".
Ele prometeu se esforçar bastante nessa conclusão:

"Se eu pensar que tenho apenas dois filmes [pela frente], isso mantém [minha obra] na ponta da lança. Isso significa que é melhor esses dois serem bons e é melhor eu dar meu máximo neles".
Esta não foi a primeira vez que o cineasta disse que quer apenas dez longas em seu currículo.

Em 2014, em entrevista à Deadline, ele havia afirmado a mesma coisa.

O novo Os Oito Odiados – que o diretor divulgou com o elenco no talk show – é o oitavo filme de sua carreira.

Trajetória

Publicidade

Após dirigir curta-metragens, Tarantino iniciou a carreira em longas com o elogiado policial de baixo orçamento Cães de Aluguel (1992).

O diretor foi ao estrelato dois anos depois, com Pulp Fiction, ganhador da Palma de Ouro – prêmio máximo do Festival de Cannes – e do Oscar de melhor roteiro original (com Roger Avary).

Depois disso, vieram Jackie Brown (1997), Kill Bill: Volume 1 (2003), Kill Bill: Volume 2 (2004), À Prova de Morte (2007), Bastardos Inglórios (2009) e Django Livre (2012), que rendeu ao diretor outro Oscar de melhor roteiro original.

A obra de Tarantino é conhecida por misturar narrativas não lineares, humor negro, violência e referências à cultura pop em diálogos e trilhas sonoras. O diretor tem respeito da crítica e milhares de fãs ávidos.

Além disso, atores como Uma Thurman, Tim Roth e Samuel L. Jackson são frequentes em seus filmes.

Os Oito Odiados estreia no Brasil em 7 de janeiro.