Band lamenta assédio sexual a participante de 12 anos no Masterchef Junior

Brasil Post  |  De Andréa Martinelli



A TV Bandeirantes lamentou as mensagens de cunho sexual direcionados a Valentina das participantes do programa Masterchef Junior, uma adolescente de 12 anos, tem recebido nas redes sociais e disse que novas providências serão debatidas em uma reunião na sede do canal nesta desta quinta-feira (22).

Leia na íntegra:

"A Band repudia e lamenta essas desagradáveis manifestações de extremo mau gosto. O foco do programa é o talento das crianças, e nem de longe, há qualquer provocação a esse tipo de estímulo"
Desde a estreia do programa, na noite de terça-feira, 20, a menina foi bombardeada por mensagens de assédio de internautas, inclusive de pedófilos. Em entrevista ao portal IG, o pai da jovem, Alexandre Schulz, declarou que "teve gente que pediu que ela mandasse foto nua". Ainda segundo o portal, os pais preferiram, por enquanto, não procurar a Justiça.

Durante a exibição do "reality", são publicados tuítes ao vivo dos telespectadores, mas os comentários passam por um filtro antes de ir ao ar. Parte dos internautas passou a repudiar os comentários. "Estou com vontade de vomitar na cara de vocês com essas piadas ridículas e machistas sobre pedofilia e estupro", disse um usuário da rede social.

Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, a mãe da garota, que prefere não ser identificada, disse que a família foi orientada pela emissora a não comentar mais o caso. Embora os membros da família da participante não queiram comentar o caso, eles reforçaram a importância de se fazer um debate mais amplo sobre pedofilia.

"Não queremos nos eximir da discussão sobre pedofilia, mas estamos lutando para que ela [a garota] não seja o centro deste debate", afirmou a mãe.

Ainda ao jornal, o Ministério Público do Estado de São Paulo afirma que ainda não foi protocolada nenhuma denúncia envolvendo o caso, mas que qualquer internauta que se sentiu incomodado com o teor dos comentários pode entrar com um processo, inclusive os pais de Valentina.

(Com informações da Estadão Conteúdo)


Adele lança 'Hello', primeira música do novo álbum de inéditas, '25' (VÍDEO)




Quatro anos após o último registro de inéditas, o vencedor do Grammy de Melhor Álbum, 21 (2011), a cantora britânica Adele está de volta com um novo trabalho em estúdio: 25 (2015).

Com lançamento previsto para o dia 20 de novembro pelo selo XL, o álbum de 11 canções inéditas apresenta na recém-lançada Hello parte da proposta que deve ser explorada ao longo do registro.

No clipe dirigido pelo canadense Xavier Dolan, diretor de Eu Matei Minha Mãe (2009), a cantora bate a poeira e se despede de um antigo amor, como uma metáfora para a libertação do melancólico disco lançado em 2011.

Há poucos dias, Adele publicou no Twitter uma carta em que explica o motivo do atraso na entrega do novo disco. "Estou fazendo as pazes comigo mesma. Compensando pelo tempo perdido", disse Adele.

Para a produção e composição de 25, Adele conta com a presença de nomes como Paul Epworth, Bruno Mars, Danger Mouse e Tobias Jesso Jr.


Fonte: Brasil Post

Como a meditação pode melhorar a sua vida de verdade, de acordo com a ciência

De Otavio Nadaleto


Não precisa usar quimono oriental, ir a um retiro nem nada do tipo. A meditação não necessariamente está ligada a cultos religiosos. Quem tem se interessado pelo assunto nos últimos anos é a ciência, que não para de fazer descobertas animadoras sobre os benefícios da prática – não à toa, tem cada vez mais gente de terno sentado em posição de flor de lótus.

“Meditação é autoconhecimento, é observar o que se passa dentro de nós e como reagimos a isso. Consiste em atentar para aspectos externos (como o trânsito, a violência) e internos (medo, cobiça…), com os quais as pessoas convivem e acham normais, mas que não são saudáveis”, afirma Rubens de Aguiar Maciel, coordenador do Programa de Meditação Aplicada à Saúde e Bem-Estar da Universidade de São Paulo (USP).

E não pense que meditar é igual a relaxar. “A meditação é um processo ativo, contínuo, na maneira de viver, que leva você a um estado de relaxamento sustentado. É diferente de ficar 15 minutos isolado em uma sala e, ao sair, continuar reagindo com a realidade da mesma forma, que gera estresse”, explica Maciel. Conseguir um bom instrutor, para auxiliar na introdução à prática, é a melhor forma de garantir bons resultados.


Listamos abaixo três bons motivos – segundo a ciência – para você começar a meditar.

1. Reduz o estresse
Estudo da Universidade de Califórnia (EUA) mostrou que, no longo prazo, meditar reduz os níveis de adrenalina e cortisol (hormônios ligados ao estresse) e aumenta a endorfina (neurotransmissor associado ao prazer).

2. Diminui a ansiedade
Pesquisadores de Harvard (EUA) observaram que, após oito semanas de meditação, pacientes apresentaram alterações na amígdala cerebral, que controla emoções e está ligada à ansiedade e ao estresse.

3. Melhora o sono
Pesquisas do Northwestern Memorial Hospital, de Illinois (EUA), fizeram pessoas de 25 a 45 anos que sofriam de insônia crônica meditarem por dois meses. Passado esse período, elas começaram a dormir duas horas a mais por dia e alcançaram níveis de sono REM mais próximos do considerado saudável.


Fonte: Brasil Post

Dinheiro atribuído a Cunha em conta na Suíça vai voltar para o Brasil

De André Richter


O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta quinta-feira (22) o bloqueio e sequestro de 2,4 milhões de francos suíços, equivalentes a R$ 9 milhões, atribuídos ao presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), em contas na Suíça, atendendo ao pedido, feito na semana passada, pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

Com o sequestro das contas, a PGR pretende começar a investigar se Cunha e sua família cometeram o crime de evasão de divisas, caracterizado pelo envio ilegal de dinheiro ao exterior sem declaração à Receita Federal.

Zavascki decidiu que os valores poderão ser transferidos para o Brasil, e o procurador passa a ter autorização para iniciar as investigações, de acordo com tratado de cooperação assinado com a Suíça.

Na quinta-feira (15), Zavascki abriu inquérito para investigar as contas de Cunha. O pedido de abertura do inquérito, feito pela PGR, foi baseado em informações prestadas pelo Ministério Público da Suíça, que identificou quatro contas em nome presidente da Câmara naquele país.

Segundo a PGR, além de Cunha, a mulher dele, Claudia Cruz, era uma das beneficiárias das contas, que movimentaram cerca de US$ 24 milhões.

A suspeita é que os valores são decorrentes de propina recebida por Cunha em um contrato da Petrobras para exploração de petróleo em Benin, na África. Segundo a procuradoria, não há dúvidas sobre a titularidade das contas e a origem dos valores.

Na semana passada, em nota à imprensa, Cunha reafirmou que não tem contas no exterior e nunca recebeu “vantagem de qualquer natureza”.


Fonte: Brasil Post

Chile realiza suas primeiras uniões civis de casais homossexuais

Veja.com


A espanhola Virginia Gómez e a chilena Roxana Ortiz se casaram nesta quinta-feira (22) em Santiago e se tornaram assim o primeiro casal gay a legalizar sua união no Chile.

Foi a primeira das mais de 150 cerimônias realizadas nesta quinta em todo o país, com base no Acordo de União Civil (AUC), que foi promulgado em 13 de abril e entrou ontem em vigor.

"Estou super emocionada, não só porque estou fazendo parte de um momento histórico deste país que me acolheu com tanto carinho, mas porque volto a recuperar tudo o que perdi quando cheguei ao Chile", explicou Virginia aos jornalistas após carimbar o registro no cartório da capital chilena. Elas já tinham se casado legalmente na Espanha e têm uma filha em comum.

A lei de Acordo de União Civil regula pela primeira vez no Chile a união legal de pessoas que não estão casadas, sejam ou não do mesmo sexo. A norma foi promulgada no primeiro semestre pela presidente do Chile, Michelle Bachelet.

A vigência do acordo é um "marco histórico" para as organizações que lutam pelos direitos das minorias sexuais em um país conservador como o Chile, que só aprovou o divórcio em 2004 (no Brasil, por exemplo, o divórcio é permitido desde 1977).

"É um momento histórico emocionante. Dedicamos a todos os casais homoafetivos que não conseguiram estar vivos para desfrutar os padrões básicos de igualdade", assinalou o líder do Movimiento de Integración y Liberación Homosexual (Movilh), Rolando Jiménez.

"Voltar a dizer 'sim, eu aceito' foi como vivê-lo pela primeira vez ou até melhor", explicou Virgínia, que acrescentou que um dos temas que mais preocupava o casal era o da custódia de sua filha de 14 anos, caso acontecesse algo a Roxana, a mãe biológica. "Ela tem 14 anos, ia ficar sozinha, ia perder todos os direitos. Qualquer pessoa teria mais direitos sobre ela do que eu e agora isso mudou", explicou.

"A grande notícia deste dia histórico é que, a partir de hoje, o Estado chileno reconhece que os casais do mesmo sexo são uma família. É uma emoção indescritível", disse o presidente-executivo de Fundación Iguales, Luis Larrain.

O primeiro projeto da lei que pretendia regulamentar a convivência entre casais do mesmo sexo entrou no Congresso há 12 anos. O Acordo de União Civil (AUC), originalmente denominado Acordo de Vida em Casal (AVP), foi uma das promessas do governo de Sebastián Piñera, que legislou de 2010 a 2014. No entanto, a falta de respaldo à iniciativa por parte da própria coalizão de direita que apoiava o líder impediu que esta legislação avançasse.


Fonte: Brasil Post

Drew Barrymore: 'Prefiro muito mais ter meus filhos do que ficar bonita em um biquíni'

De Luiza Monteiro


Muitas coisas mudam no corpo de uma mulher depois de ganhar um bebê: os pés ficam inchados, os quilos extras da gravidez aparecem na balança, a pele da barriga pode ficar flácida e os cabelos caem.

Para muitas mamães, tudo isso se torna um verdadeiro pesadelo; para outras, faz parte do processo. E é nesse segundo time que a atriz americana Drew Barrymore se encaixa.

Em entrevista à revista People, ela confessou: "Nunca fiquei bem em roupas de banho e agora fico pior ainda. Tenho celulite. Mas eu prefiro muito mais ter meus filhos do que ficar bonita em um biquíni".

A atriz de Hollywood é mãe de Olive, de 3 anos, e de Frankie, de 1 ano e meio. Os dois são fruto do casamento com o consultor de arte Will Kopelman. Drew conta que, logo depois do parto, ela se preocupou em perder o peso da gravidez.

"Eu tentei cortar o glúten da dieta porque achei que iria me ajudar a emagrecer. Mas isso não aconteceu. E eu estava infeliz", revelou à publicação.

Para ela, o apoio do parceiro nesse momento é fundamental.

"Eu acho que é muito importante para as mulheres ter uma pessoa que as faça se sentir bem com elas mesmas. Seria uma enorme desvantagem no processo de ter um bebê - ou para qualquer mulher - ter alguém que só se atraia por você ou te ache bonita se o seu corpo estiver de um determinado jeito", declarou Drew.

De acordo com a revista, a atriz está feliz exatamente da forma como ela é.

"Ter um corpo sexy não é minha praia. Eu me preocupo um pouco, mas eu não me importo muito", conclui.


Fonte: Brasil Post

Enem: alunos devem ficar atentos a horários de abertura e fechamento de portões

Michèlle Canes – Repórter da Agência Brasil Edição: Graça Adjuto


As provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) serão aplicadas em todo o país amanhã (24) e domingo (25). Os participantes precisam estar atentos aos horários de abertura e fechamento dos portões de acesso para não perder o exame. Segundo o edital, em todos os estados os portões serão abertos às 12h e fechados às 13h, de acordo com o horário de Brasília. Após o fechamento, fica proibida a entrada de estudantes que chegarem atrasados. O início das provas será às 13h30, no horário da capital federal.

Como o horário oficial é o de Brasília, é preciso ficar atento a dois pontos importantes. No último dia 18 de outubro, o Distrito Federal e mais dez estados passaram a adotar o horário de verão e os relógios foram adiantados em uma hora. Além dessa mudança, o Brasil tem diferentes fusos horários. Por causa desses dois fatores, em algumas localidades a hora local é diferente do horário de Brasília. Por isso, os candidatos devem ter atenção e precisam saber exatamente a correspondência entre o horário local nas cidades onde farão as provas e o horário oficial da capital federal.

É o caso, por exemplo de quem fará o exame no Amapá ou no Maranhão onde, segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), a abertura dos portões ocorrerá às 11h e o fechamento, às 12h, no horário local. O exame começa a ser aplicado às 12h30.

Roraima é outro exemplo, mas lá a diferença é maior e por isso os estudantes devem estar no local de prova às 10h. A partir das 11h, no horário local, não será permitida a entrada de nenhum participante. As provas serão iniciadas às 11h30, também no horário local. Para quem vai fazer a prova no Acre, os portões abrem às 9h e fecham às 10h, sendo que os participantes iniciam o exame às 10h30.

Os horários de abertura e fechamento dos portões valem para todos os candidatos, inclusive para os sabatistas (pessoas que guardam o sábado por convicção religiosa). Eles devem chegar aos locais de prova junto com os demais participantes. No primeiro dia, só farão a prova após o pôr do sol, às 19h, no horário oficial da capital. A exceção está nos estados do Acre, Amazonas, de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Roraima e Rondônia que vão iniciar as provas do primeiro dia às 19h, no horário local, segundo o edital do Enem.

Amanhã, os inscritos terão quatro horas e 30 minutos para fazer as provas de Ciências Humanas e suas Tecnologias e Ciências da Natureza e suas Tecnologias. No domingo, será a vez das provas de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, Redação e Matemática e suas Tecnologias, que terão a duração de cinco horas e 30 minutos.

China anuncia redução da taxa de juros para estimular atividade econômica

Da Agência Lusa Edição: Denise Griesinger

O Banco Central chinês anunciou hoje (23) um corte de 0,25 pontos percentuais na sua taxa de juros de referência, além de uma diminuição nas reservas obrigatórias dos bancos.

Estas medidas devem estimular a atividade e injetar liquidez na segunda maior economia mundial, cujo crescimento caiu para 6,9% no terceiro trimestre, o nível mais baixo desde 2009.

A taxa de referência para empréstimos caiu 0,25 pontos percentuais, para 4,35%, enquanto a taxa de juro para depósitos caiu para 1,5%.

Esta é a sexta queda das taxas em menos de um ano.

Para "preservar um nível de liquidez adequado", o banco central anunciou que as reservas obrigatórias dos bancos, ou seja a parte dos depósitos que não podem ser emprestadas, vão baixar em 0,5 ponto percentual ou até um ponto percentual, para os estabelecimentos que cumpram determinadas condições, com o objetivo de estimular as pequenas empresas.

Forças dos EUA e Iraque libertam 70 prisioneiros em risco de execução pelo EI

Da Agência Lusa

Forças norte-americanas e curdas entraram ontem (22) em uma prisão do grupo Estado Islâmico (EI) no Norte do Iraque e libertaram cerca de 70 prisioneiros em risco iminente de execução, revelou o Pentágono.

Um militar norte-americano morreu, após ferimentos que sofreu durante a operação, sendo a primeira baixa entre as forças norte-americanas, desde que começou a campanha liderada pelos Estados Unidos contra o EI no Iraque, em junho de 2014.

Por outro lado, cinco homens do EI foram capturados e vários outros mortos no ataque, que teve como alvo um complexo perto de Hawijah, disse o assessor de imprensa do Pentágono, Peter Cook.

“Esta operação foi deliberadamente planejada e lançada depois de recebermos informação de que os reféns estavam em risco iminente de uma execução em massa”, afirmou Cook, em comunicado.

Este ataque a Hawijah parece quebrar com o modo de atuação dos norte-americanos no Iraque, que estão no país para apoiar as forças do Governo mas não se envolvem diretamente em combates ou ataques, de acordo com a política de Barack Obama de não enviar tropas para atividades em terra.

No entanto, Cook descartou a ampliação do papel dos Estados Unidos no Iraque. “Esta é uma situação única”, disse, acrescentando que a missão recebeu luz verde do secretário da Defesa, Ashton Carter, e que a Casa Branca foi notificada.

Segundo Cook, a intervenção ocorreu porque o Governo curdo pediu “assistência”, no entanto, “os Estados Unidos não estão em missão de combate ativo no Iraque”.

Maduro: "império da mídia" quer preencher as pessoas com ódio e desespero

Da Agência Sputnik Brasil

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, fez uma alerta à população nessa quinta-feira (22) contra o que chamou de “império da mídia”. Ele afirmou que na guerra contra as grandes corporações de comunicação, a promoção da verdade e as conquistas da Revolução Bolivariana devem estar presentes.

Maduro destacou que os ataques da mídia buscam “desmoralizar as pessoas para preenchê-las com ódio, raiva e desespero”. Acrescentou que a estrada para a paz e a unidade da família passam pela construção de valores como o amor, o respeito, a solidariedade e a convivência.

Segundo o chefe de Estado venezuelano, os “ataques da mídia” ocorrem por causa das realizações da Venezuela. Maduro lembrou a entrega de 446 casas em Carbono, na Região Centro-Norte do país,  a previsão, feita em junho, de entrega de 1 milhão de moradias até o fim do ano e o aumento do salário mínimo, de 67%, a partir de 1º de novembro.


México decreta emergência por causa da aproximação do furacão Patrícia

Da Agência Lusa Edição: Graça Adjuto

O governo do México decretou situação de "emergência extraordinária" para vários municípios da costa do Pacífico por causa da aproximação do furacão Patrícia, que alcançou a categoria máxima e é considerado "potencialmente catastrófico".

O Serviço Meteorológico Nacional do México (SMN) informou que o furacão Patrícia é "extremamente perigoso" e "favorecerá chuvas intensas e pontualmente torrenciais nos estados do Sul e Leste do país”.

O SMN recomendou à população extrema precaução por causa das chuvas, do vento e da ondulação.

O furacão está gerando ventos de 260 quilêmetros por hora (km/h), mas com rajadas de 315 km/h.


Último grande acampamento de migrantes em Paris é desativado

Da Agência Lusa Edição: José Romildo de Oliveira Lima

Mais de 700 migrantes começaram hoje a ser retirados de uma escola desativada em Paris, onde viviam desde julho deste ano em condições insalubres. Eles estão sendo transportados para abrigos.

A operação, que contou com um forte dispositivo de segurança, envolveu o acompanhamento de assistentes sociais e de agentes dos serviços de imigração.

Segundo a agência AFP, 26 veículos foram mobilizados para transportar os migrantes para os 900 espaços de acolhimento. “Não sei para onde vou, mas é melhor do que aqui: vamos ter chuveiro e refeições. Aqui havia muitas rixas”, disse à agência um marroquino.

Militantes de associações de defesa dos refugiados acompanharam a operação, mantidos à distância pela polícia, com cartazes onde se lia “Documentos para todos” e “Solidariedade com os refugiados”.

A escola era o último grande edifício ocupado por migrantes em Paris, depois da evacuação de um acampamento montado sob uma linha de metrô de superfície no norte da capital, no princípio de junho, e de um outro próximo da estação de Austerlitz (oeste), em meados de setembro.

As autoridades preparavam há várias semanas a evacuação do antigo liceu devido ao elevado número de migrantes nele instalados e à falta de condições de salubridade. Segundo um médico voluntário ouvido pela France Presse, “havia risco de epidemias”.

A escola começou a ser ocupada em julho por migrantes. Em setembro, havia 700 migrantes, a maioria homens sudaneses, afegãos e eritreus. Em 26 de setembro, a Justiça francesa deu um mês aos ocupantes para abandonarem o local.

Economia é desafio do próximo governo argentino, diz analista político

Monica Yanakiew - Correspondente da Agência Brasil/EBC Edição: Graça Adjuto

Faltando dois dias para as eleições presidenciais de domingo (25), a Argentina está tranquila - algo pouco comum, em um país acostumado com altos e baixos, que em 2001 viveu a pior crise de sua recente história, que há anos convive com uma inflação anual de dois dígitos e que há mais de uma década não tem acesso a créditos do mercado financeiro internacional. “Muitos empresários me perguntam por que estamos tão calmos, como se nada estivesse acontecendo, quando sabemos que no próximo governo a situação terá que mudar”, disse à Agência Brasil o economista Marcelo Elisondo. “E, francamente, não tenho resposta”.

Para o analista político Roberto Bacman, “o principal desafio do próximo governo, seja ele qual for, é econômico”.  Segundo ele, a Argentina terá que terminar de resolver o problema com os credores da dívida externa, para ter acesso a créditos e aumentar as reservas internacionais. “E, ao mesmo tempo, vai ter que combater a inflação, que gira em torno de 20% ao ano, evitando uma disparada do dólar.

Tanto governistas quanto oposicionistas estão conscientes de que a Argentina terá que desvalorizar o peso, cujo valor tem sido mantido artificialmente alto pelo governo que, além de injetar dólares norte-americanos no mercado local, praticamente proibiu o cidadão comum de comprá-los legalmente. O dólar oficial vale 9,5 pesos – mas quem quiser comprá-lo a este preço tem que pedir autorização à Afip (a Receita Federal argentina), provando que ganha o suficiente e que está em dia com os impostos. Mesmo assim, o governo pode impedir a operação ou estabelecer limites.

Há décadas, os argentinos estão acostumados a poupar em dólares, para se proteger da inflação ou desvalorização. “Não ganho muito, mas o pouco que consigo poupar troco por dólares, que guardo num esconderijo em casa”, diz o porteiro Ricardo Perez. “Perdi tudo na crise de 2001, quando o governo congelou nossas contas. Na época, o peso valia US$ 1. Mas quando pudemos tirar o dinheiro do banco, nossa moeda valia quatro vezes menos”.

Desde outubro de 2011, o governo vem aumentando os controles cambiais, para impedir uma fuga de divisas do país. Os argentinos foram proibidos de usar cartão de débito no exterior, quando o governo percebeu que muitos viajavam ao vizinho Uruguai para sacar dólares do caixa eletrônico. Limitou os saques com cartão de crédito e impôs uma taxa de 35% sobre gastos no exterior. Finalmente, quando o governo percebeu que os argentinos estavam comprando passagens aéreas, em 12 cotas, ao dólar oficial, colocou um imposto de 35% sobre os preços.

Com o cerco, o governo conseguiu frear a saída de dólares – mas, ao mesmo tempo, incentivou a criação do chamado “mercado blue” que, apesar de ilegal, é usado por todos. Basta caminhar pela Calle Florida – uma das mais frequentadas por turistas no centro de Buenos Aires – para ouvir os cambistas gritarem: “câmbio, câmbio”. Alguns, aliás, são brasileiros – que exploram o nicho dos turistas procedentes do Brasil. Apesar de o dólar blue ter atingido 16 pesos, os argentinos não desistiram de comprá-los. “Por experiência, sabemos que o dólar na Argentina sempre sobe – mesmo quando cai no resto do mundo”, diz o comerciante Pedro Alvarez.

Os três candidatos a presidente que lideram as pesquisas de opinião dizem que vão mexer no cerco ao dólar, considerado impopular por ricos e pobres. O problema é quando e como. O governista Daniel Scioli – que lidera as pesquisas – fala em ajustes graduais e controlados.  O favorito da oposição, o conservador Mauricio Macri, promete liberar o dólar assim que assumir. O terceiro colocado nas pesquisas, Sergio Massa, tem posição parecida com a de Scioli: promete mudanças em 100 dias.

Outro desafio será negociar um acordo com os chamados “fundos abutres”  - aqueles que adquiriram títulos da dívida argentina a preços baixos, depois da moratória de 2001, e entraram na Justiça para cobrar o devido sem desconto. Eles representam uma minoria que não aderiu às propostas de reestruturação. A maioria (93%) dos credores aceitou receber cerca de 30% da dívida em um prazo de até 30 anos.

 A Argentina também pagou o que devia ao Fundo Monetário Internacional (FMI) e negociou um acordo com o Clube de Paris, mas perdeu o processo na Justiça norte-americana, iniciado pelos fundos especulativos, donos de 1% dos títulos da dívida externa. O governo de Cristina Kirchner não cumpriu a sentença, alegando que a legislação argentina proíbe oferecer a uma minoria de credores condições melhores que as negociadas com a maioria, nos acordos de reestruturação.

O juiz de Nova York, Thomas Griesa - que julgou o caso -  impediu os bancos norte-americanos de pagarem aos demais credores argentinos (que aceitaram a reestruturação) até que o governo desembolse o que deve aos fundos abutres.

O impasse terá que ser resolvido pelo próximo governo, se a Argentina quiser voltar a ter acesso ao mercado financeiro internacional”, disse Elisondo. “E precisamos de dinheiro para aumentar as reservas internacionais, se quisermos acabar com os controles cambiais, sem que o dólar dispare a inflação também”.

Atualmente, a Argentina tem US$ 27 bilhões em reservas internacionais, mas segundo Elisondo apenas uma parte dessa soma está disponível. “Desse total, US$ 11 bilhões são empréstimos chineses, que teremos que devolver e US$ 7 bilhões são depósitos dos argentinos”, disse. Por outro lado, enquanto limitar as operações de câmbio (que também se aplicam a empresas) a Argentina terá poucas chances de atrair investimentos, no momento em que os preços das commodities exportadas pelo país caíram no mercado internacional e que importantes sócios comerciais, como a China e o Brasil, também enfrentam dificuldades.


Depois de mais de dois anos, Pizzolato volta ao Brasil para cumprir pena

O ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil Henrique PizzolatoAntonio Cruz/Agência Brasil
Único condenado no processo do mensalão que ainda não cumpriu pena, Henrique Pizzolato já está no Brasil. Escoltado por três policiais federais brasileiros e uma médica, ele desembarcou por volta das 6h45 no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo.

Pizzolato saiu de Milão na noite de ontem (22). Na capital paulista, ele fará os procedimentos de registro de entrada no país. Ainda no aeroporto, embarca em um jatinho da Polícia Federal com destino a Brasília, onde cumprirá pena na Penitenciária da Papuda.

A chegada ao Brasil do ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil (BB) encerra um capítulo na história da fuga de um dos condenados no processo do mensalão.

Pizzolato foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a 12 anos e sete meses de prisão por lavagem de dinheiro e peculato, mas, por ter dupla cidadania, fugiu para a Itália em setembro de 2013, antes do fim do julgamento, com um passaporte falso em nome de um irmão morto. O ex-diretor do BB foi o único dos condenados que fugiu. Ele foi preso em fevereiro do ano passado em Maranello, na Itália.

Em outubro de 2014, chegou a ser solto pela Corte de Apelação de Bolonha, que negou sua extradição. No entanto, posteriormente, a Corte de Cassação de Roma e o Ministério da Justiça da Itália confirmaram a expulsão. Seguiu-se uma série de recursos administrativos e na Corte Europeia de Direitos Humanos, mas todos foram negados.

No dia 6 de outubro, a Corte Europeia de Direitos Humanos rejeitou a última tentativa de recurso de Pizzolato contra sua extradição para o Brasil. No recurso protocolado na corte, a defesa, como nas demais ações contra a extradição, voltou a alegar que os direitos humanos não são respeitados nos presídios brasileiros. O argumento foi usado para que o ex-diretor do BB continuasse na Itália.

O ministro da Justiça da Itália, Andrea Orlando, decidiu adiar por duas semanas a entrega de Henrique Pizzolato às autoridades brasileiras, anteriormente prevista para o dia 7 deste mês.


Pílula da USP usada em tratamento contra o câncer divide opiniões

Camila Boehm – Repórter da Agência Brasil Edição: Lílian Beraldo

Usada em tratamento contra o câncer, substância estudada pela USP dividide opiniões entre especialistasMarcello Casal Jr. / Arquivo Agência Brasil
Decisão do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJSP) trouxe à tona uma discussão envolvendo médicos, advogados e pacientes sobre o uso da fosfoetanolamina sintética para o tratamento do câncer. O presidente do TJSP, desembargador José Renato Nalini, liberou, no último dia 9, a entrega da substância produzida no Instituto de Química de São Carlos (IQSC), da Universidade de São Paulo (USP), para os pacientes que solicitaram judicialmente acesso à droga. A substância não tem registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A fosfoetanolamina sintética foi estudada pelo professor Gilberto Orivaldo Chierice, hoje aposentado, enquanto ele ainda era ligado ao Grupo de Química Analítica e Tecnologia de Polímeros da USP. Algumas pessoas tiveram acesso às cápsulas contendo a substância, produzidas pelo professor, que usaram como medicamento contra o câncer. O instituto disse, em nota, que a produção da droga foi um “ato oriundo de decisão pessoal” de Chierice.

Em junho de 2014, a USP reforçou a proibição de produção de qualquer tipo de substância que não tenha registro, caso das fosfoetanolamina sintética. O instituto editou portaria determinando que “tais tipos de substâncias só poderão ser produzidas e distribuídas pelos pesquisadores do IQSC mediante a prévia apresentação das devidas licenças e dos registros expedidos pelos órgãos competentes determinados na legislação [do Ministério da Saúde e da Anvisa]”. De acordo com a instituição, desde a edição da medida, não foram apresentados registros ou licenças que permitissem a produção das cápsulas para uso como medicamento.

Judicialização

Desde então, pacientes que tinham conhecimento das pesquisas passaram a recorrer à Justiça para ter acesso à fosfoetanolamina sintética. De acordo com a advogada Cárita Almeida, que representa pacientes interessados na droga, mais de 1,5 mil liminares com o pedido de acesso à substância já foram apresentados à Justiça.

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) já havia impedido que uma paciente tivesse acesso ao produto. Diante do posicionamento do tribunal, ela apresentou um recurso ao Supremo Tribunal Federal (STF) que foi analisado pelo ministro Edson Fachin. No dia 8 deste mês, ele suspendeu a determinação do TJSP, liberando o acesso dessa paciente às cápsulas.

Após a decisão do ministro do STF, o presidente do TJSP, desembargador José Renato Nalini, estendeu os efeitos da liminar para todas as pessoas que solicitaram o acesso à mesma substância na Justiça. “Conquanto legalidade e saúde sejam ambos princípios igualmente fundamentais, na atual circunstância, o maior risco de perecimento é mesmo o da garantia à saúde. Por essa linha de raciocínio, que deve ter sido também a que conduziu a decisão do STF, é possível a liberação da entrega da substância”, decidiu Nalini.

Ele lembrou que “a substância pedida não é medicamento, já que assim não está registrada. Não se trata tampouco de droga regularmente comercializada, mas de um experimento da Universidade de São Paulo”. Ele afirmou que não há possível falha do Estado em não disponibilizar a substância aos pacientes, mas acrescentou que não se pode ignorar os relatos de pacientes que apontaram melhora em seu quadro clínico após uso da droga.

Apesar da liberação, o desembargador disse que “caberá à USP e à Fazenda, para garantia da publicidade e regularidade do processo de pesquisa, alertar os interessados da inexistência de registros oficiais de eficácia da substância”.

Ontem, em evento na capital paulista, o ministro Fachin disse que a decisão de liberar o acesso à fosfoetalonamina a uma paciente com câncer foi excepcional. “Tratava-se de uma senhora que estava em estado terminal, com alguns dias de vida, e que buscava o fornecimento dessas cápsulas, que já estavam sendo fornecidas como um lenitivo da dor”, disse.

A USP informou que os mandados judiciais serão cumpridos, dentro da capacidade da universidade. A instituição alega que não é uma indústria química nem farmacêutica e que “não tem condições de produzir a substância em larga escala, para atender às centenas de liminares judiciais que recebeu nas últimas semanas”. A universidade afirmou ainda que a substância fosfoetanolamina está disponível no mercado, produzida por indústrias químicas, e pode ser adquirida em grandes quantidades pelas autoridades públicas. “Não há, pois, nenhuma justificativa para obrigar a USP a produzi-la sem garantia de qualidade”, completou.

De acordo com a Anvisa, nenhum processo de registro foi apresentado para que a fosfoetanolamina possa ser considerada um medicamento. “A etapa é fundamental para que a eficácia e segurança do produto possa ser avaliada com base nos critérios científicos aceitos mundialmente”. Para a obtenção do registro é preciso apresentar documentos e testes clínicos.

Especialistas

Para o presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (Sboc), Evanius Wiermann, não há como utilizar a substância nos pacientes sem as devidas análises de segurança e eficácia. “Não é certo sermos coniventes com uma droga que não tem evidência científica”, disse, ao comentar a falta de testes em humanos. Segundo ele, é preciso realizar um trabalho de pesquisa que prove se há benefícios. “Aí estaremos no caminho certo.”

O chefe da Oncologia Clínica da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Hakaru Tadokoro, também discorda do uso da substância sem que os testes clínicos sejam realizados e considera isso uma irresponsabilidade. “A pessoa que vai tomar essa droga não sabe os efeitos colaterais ou se é tóxica. Eventualmente, a pessoa está tomando a droga que é correta mais essa droga [fosfoetanolamina] e, de repente, isso pode anular o efeito de um medicamento oncológico que é eficaz”, disse. Além disso, o oncologista observou que as pessoas estão tomando a substância para todo tipo de câncer. “Isso não existe. Cada tipo de câncer tem sua peculiaridade”, acrescentou.


Pacientes terminais

Relatos positivos de usuários nas redes sociais e na imprensa ajudaram a divulgar a droga entre pessoas com câncer.

A advogada Mariana Frutuoso Pádua, que representa alguns dos pacientes que pediram acesso à fosfoetanolamina por meio da Justiça, disse que a droga desenvolvida na USP trouxe a possibilidade de um tratamento alternativo e que já existem usuários beneficiados pelo uso das cápsulas. Para ela, o acesso à substância seria uma garantia à vida, à saúde e à dignidade da pessoa humana.

Em depoimento na Câmara de Vereadores de São Carlos, a paciente Bernardete Cioffi, que tem um câncer incurável, disse que utiliza a medicação somente para melhorar a qualidade de vida. Por meio de redes sociais, ela declarou estar ciente dos possíveis riscos do uso de uma droga não registrada. “A decisão de fazer uso de uma substância experimental e não testada oficialmente em humanos, e também não registrada na Anvisa, foi uma decisão unicamente minha, sem que qualquer outra pessoa possa ser responsabilizada em maior ou menor grau”.

De acordo com Bernardete, a decisão de usar a substância sem registro na Anvisa ocorreu por falta de opção de tratamento e de cura para o seu caso. “Luto pela continuidade das pesquisas de maneira científica, séria e verdadeira, para [que] em cinco ou dez anos todas as pessoas possam fazer uso digno da fosfoetanolamina sintética. Até lá, as pessoas que se dispuserem, assim como eu, a se submeter ao processo experimental, que o façam com sensatez e responsabilidade”, escreveu em uma rede social.

Para o oncologista Hakaru Tadokoro, a substância até poderá se tornar um medicamento útil, no entanto, a droga não passou por nenhuma das fases necessárias ao seu uso seguro. “Quando pesquisamos uma droga nova, são quatro fases. Na fase pré-clínica, nós vemos, por meio de cultura de células tumorais, se essa droga tem alguma ação. Na fase 1, testamos em alguns tipos de tumores. Na 2, em pacientes em que não há mais o que se fazer, testamos a droga e vemos a dose que é possível. Na 3, comparamos a droga nova com uma droga padrão. E essa droga não passou por nenhuma dessas fases, infelizmente”, disse o médico.


Pesquisa


O Hospital Sírio-Libanês manteve contato, em fevereiro de 2009, com os responsáveis pelos estudos da fosfoetalonamina, com a intenção de realizar pesquisas contra o câncer e outras doenças. “No entanto, para poder ser utilizado em estudos com seres humanos, o composto deveria ainda passar por testes pré-clínicos que iam (e ainda vão) muito além das áreas de atuação do hospital. Por essa razão, a instituição decidiu por não prosseguir com as conversas”, informou, em nota, o hospital.

A Agência Brasil tentou contato com o professor e químico Gilberto Orivaldo Chierice, responsável pelos estudos da fosfoetanolamina sintética na USP, mas ele não foi encontrado.  O doutor em química Salvador Claro Neto, que já trabalhou na equipe do professor Chierice durante as pesquisas e ainda atua no Instituto de Química de São Carlos, também não retornou o contato da reportagem.

A reportagem também procurou ouvir o médico Renato Meneguelo, que pesquisou a substância no combate ao câncer e foi orientado por Chierice, mas não obteve retorno. Por meio de sua página no Facebook, Meneguelo divulgou um vídeo afirmando que dois hospitais se recusaram a participar da pesquisa e a realizar os testes clínicos. As intituições alegaram, segundo ele, falta de condições para bancar os testes. Ele disse ter sido uma sorte conhecer o professor Chierice e poder realizar a pesquisa. Acrescentou que sua ideia era tratar pacientes fora de condição terapêutica, ou seja, aqueles sem chance de cura por meio dos tratamentos tradicionais.


Dilma sanciona lei que regulariza mais de 6 mil lotéricas

Paulo Victor Chagas e Luana Lourenço - Repórteres da Agência Brasil Edição: Armando Cardoso

Em uma cerimônia que lotou o Palácio do Planalto, a presidenta Dilma Rousseff sancionou hoje (22) a lei que permite que mais de 6 mil casas lotéricas continuem operando no Brasil.

A lei sancionada nesta quinta-feira prorroga por mais 20 anos as outorgas de permissão lotérica celebradas antes de 15 de outubro de 2013, data em que entrou em vigor a Lei dos Lotéricos, estabelecendo um novo regime jurídico ao serviço.

Depois que a Lei dos Lotéricos entrou em vigor, o Tribunal de Contas da União (TCU) determinou que a Caixa Econômica Federal realizasse licitação para as 6.310 agências lotéricas que funcionam no país sem licitação. O edital deveria ser publicado hoje, mas foi cancelado e os atuais permissionários continuarão a operar as lotéricas sob a nova lei.

“[A lei] permitirá à Caixa manter relação com os atuais prestadores de serviços, dando continuidade a uma parceria muito importante para o Brasil”, afirmou a presidenta em discurso após a sanção.

Dilma também destacou a capilaridade da rede de lotéricas e o papel das agências no acesso dos cidadãos a serviços públicos. “Milhões de famílias sacam nas lotéricas os benefícios do Bolsa Família. Aposentados recebem o benefício do INSS e os trabalhadores, o seguro-desemprego e o Fundo de Garantia", acrecentou a presidenta.

Os lotéricos comemoraram a rápida aprovação da matéria pelo Congresso e a sanção presidencial. O Palácio do Planalto, no entanto, ainda não informou se a nova lei será publicada no Diário Oficial da União sem vetos.

Para o vice-presidente da Federação Brasileira das Empresas Lotéricas (Febralot), Jodismar Amaro, a sanção da lei é uma questão de justiça.

"Estamos resgatando a dignidade, devolvendo o trabalho e o orgulho de você sustentar sua família. É isso que estávamos perdendo. Estamos presentes em todos os municípios do Brasil, atendendo os desbancarizados, mais carentes e necessitados. Não tem cabimento pessoas que há 40 anos vivem disso e agora, com 60, 70 anos de idade, irem para a rua."

De acordo com a federação, cerca de 1,2 mil pessoas participaram do evento no Palácio do Planalto.


Azul começa a oferecer cerveja - de graça - em seus voos

De Tatiana Vaz



Com a concorrência acirrada, e a tendência de demanda baixa, cada companhia aérea usa as armas que bem entende para conquistar passageiros.

Depois de dar passe ilimitados a voos no país para quem vem dos Estados Unidos, e incluir jogos e filmes em seus serviços de bordo, a mais nova arma da Azul é alcoolica – e gratuita.

A partir de ontem (21), a companhia começou a servir em seus voos, para os clientes com mais de 18 anos, a cerveja dinamarquesa FAXE.

A ação, batizada de Happy Hour Azul, será feita em parceria com a WBeer.com.br, distribuidora exclusiva da bebida no Brasil.

Nos três meses de campanha, a previsão é que 30 mil latas de um litro da cerveja sejam dadas a bordo.

A distribuição será feita em mais de cinco mil voos que partem de 12 aeroportos brasileiros das 16h00 às 21h00, exclusivamente nos jatos Embraer 190 e 195.

“O horário escolhido reflete exatamente o período do happy hour, momento pós-expediente para relaxar, ou até celebrar entre amigos”, afirma Claudia Fernandes, diretora de marketing e comunicação da Azul, em comunicado à imprensa.

Os voos que terão a cerveja a bordo são os que decolam das cidades de Campinas, Belo Horizonte (Confins), Rio de Janeiro (Santos Dumont), São Paulo (Guarulhos e Congonhas), Porto Alegre, Curitiba, Cuiabá, Goiânia, Brasília, Recife e Vitória.

Snacks como amendoim, mix aperitivo, batata chips e queijo nacho integral (as opções variam de acordo com o voo) serão servidos como acompanhamento, sem custo adicional.

Disputa acirrada

Ao contrário das concorrentes Gol e TAM, a Azul demorou a enxugar suas ofertas de voos, iniciativa que garantiu uma participação de 17% no mercado de voos nacionais em agosto, segundo dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Porém, os altos custos em dólar fizeram com que a companhia reduzisse seu ritmo de expansão previsto para o ano.

Se antes a expectativa era de fechar 2015 com alta de 15% na oferta de assentos domésticos, agora a previsão é de uma expansão modesta, de 3,8%.

A favor da Azul está o fato de ela ter começado a investir bastante em voos internacionais neste ano, um segmento que rende margens maiores em dólar, moeda usada para pagar 60% dos custos das aéreas com combustível e manutenção.

Além de começar a operar voos para os EUA, a empresa começou a vender no Brasil passagens para os mais de 50 destinos europeus ofertados pela TAP.

A iniciativa começou no início deste mês, pouco tempo depois de o controlador David Neeleman comprar 61% da companhia portuguesa.


Fonte: Brasil Post

Artista mostra como seriam animais Disney em versão humana

De Caio Delcolli

A estudante de arte – e fã da Disney – Alaina Bastian desenha versões humanas de animais de filmes clássicos do estúdio. E todas elas são impressionantes e belas.

Impressionante porque a artista replica com precisão o traço no qual os personagens foram desenhados originalmente.

E belas porque, mesmo assim, ela consegue dar personalidade própria aos "novos" Nala e Simba, de O Rei Leão (1994), e Duquesa e Thomas O'Malley, de Aristogatas (1970), por exemplo.

"Frequentemente, eu me perguntava como esses animais seriam se fossem humanos e gostei das ilustrações [de outros artistas] com esse conceito", escreveu Alaina para o Bored Panda.

"Mas percebi que na maioria dessas versões faltava fidelidade aos personagens, portanto, não os faziam de maneira tão crível ou adorável [quanto os originais]."

Veja abaixo as releituras da artista:


Vagabundo e Dama

De A Dama e o Vagabundo (1955).



Simba e Nala

O Rei Leão (1994).


Dodger Esperto, Oliver e Rita

De Oliver e sua Turma (1988).


Duquesa e Thomas O'Malley

Aristogatas (1970).


Baguera e Balu

Mogli – O Menino Lobo (1967).


Sansão, Pégasus, Frou-Frou e Khan

De A Bela Adormecida (1959), Hércules (1997), Aristogatas (1970) e Mulan (1998).


Mittens e Bolt

De Bolt: Supercão (2008)



Fonte: Brasil Post

Ricardo Teixeira é investigado por venda de voto para Catar sediar Copa do Mundo

Estadão Conteúdo


Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF, está sendo investigado pela Fifa. A informação é do Comitê de Ética da entidade que, oficialmente, indicou que o brasileiro está sendo examinado. Se for condenado, ele pode ser obrigado até a deixar todas suas relações com o futebol.

Como ex-membro da Comitê Executivo da Fifa, ele é suspeito de ter vendido seu voto para o Catar sediar a Copa de 2022. A lista dos nomes de cartolas sob investigação foi revelada nesta quarta-feira, depois que a entidade aprovou mudanças em seus estatutos para permitir que sejam divulgados casos sob suspeita e que estejam sendo examinados.

Além de Teixeira, o órgão inclui Franz Beckenbauer e o espanhol Angel Maria Villar, o atual vice-presidente da Uefa. Ambos são investigados por seu papel no caso da suspeita de compra de votos para a escolha da Copa de 2022.

O jornal O Estado de S. Paulo publicou uma matéria em 2014 sobre o jogo entre Brasil e Argentina, disputado no Catar e que poderia ter servido como forma de compensar tanto Teixeira quanto o argentino Julio Grondona pelo voto que dariam aos árabes. O jogo aconteceu dias antes da eleição na Fifa, em 2010, e que definiu a sede.

Numa investigação interna, a Fifa disse inicialmente que não encontrou indícios de que o jogo foi usado para o pagamento de propinas. Mas as investigações da Justiça da Suíça e dos EUA apontam que as empresas que fizeram os pagamentos são as mesmas que hoje estão construindo os locais que receberão os jogos da Copa de 2022.

O Ministério Público da Suíça abriu inquérito sobre o assunto e chegou a confiscar os computadores da empresa Kentaro, que havia organizado a partida.

No Brasil, a Polícia Federal indiciou o ex-presidente pelos crimes de falsificação de documento público, falsidade ideológica, evasão de divisas e lavagem de dinheiro. O Coaf, órgão de investigação financeira do Ministério da Fazenda, registrou movimentação atípica de Ricardo Teixeira dentro do Brasil de R$ 464,5 milhões entre 2009 e 2012.

Também levantou suspeitas a conta de Teixeira em Mônaco. Ao levantar os depósitos feitos na conta, os investigadores norte-americanos e suíços descobriram diversas transferências vindas de contas no Golfo.

Essa não é a primeira vez que a conta de Mônaco é mencionada. Durante a Copa de 2014, um site francês dedicado ao jornalismo investigativo, Mediapart, revelou uma gravação em que banqueiros falam sobre Teixeira e sua conta com 30 milhões de euros no principado.

O banco usado seria o Pasche, uma filial do grupo Credit Mutuel. O caso estaria sendo investigado pelas autoridades monegascas por lavagem de dinheiro, num processo conduzido pelo juiz Pierre Kuentz.

Teixeira teria passado pelo principado em janeiro, fevereiro, abril e maio de 2014, sempre ficando pelo menos dois ou três dias. O cartola se hospedava no luxuoso hotel Metropole. Isso não seria por acaso: o hotel fica a poucos metros do banco.

Platini e Blatter
Por meio de comunicado divulgado nesta quarta, a Fifa ressaltou também que a investigação do Comitê de Ética que apura irregularidades cometidas por Joseph Blatter e Michel Platini, que neste mês receberam uma suspensão de 90 dias, seguem "em curso". "A investigação está focada no pagamento de 2 milhões de francos suíços da Fifa a Platini em fevereiro de 2011", informou.

Em seguida, a Fifa prometeu que a câmara de investigação de seu Comitê de Ética "fará tudo o que estiver ao seu alcance" para garantir que sua câmara decisória, presidida por Hans-Joachim Eckert, possa tomar uma decisão em relação aos dois dirigentes dentro do período de suspensão de 90 dias, que começou a ser cumprida no último dia 8.

A câmara de investigação também confirmou que os processos seguem em curso contra o Jérôme Valcke, secretário-geral que também foi afastado de suas funções pela "suspeita do uso indevido de despesas e outras infrações às regras e regulamentos da Fifa", conforme destacou a entidade nesta quarta.


Fonte: Brasil Post

Jornal italiano diz que papa tem tumor no cérebro; Vaticano nega

Veja.com


O Vaticano desmentiu de maneira veemente nesta quarta-feira (21) uma informação veiculada na imprensa italiana segundo a qual, há alguns meses, teria sido detectado um pequeno "tumor curável" no cérebro do papa Francisco.

"A divulgação de notícias infundadas é gravemente irresponsável e não merece atenção", disse o porta-voz do Vaticano, o padre Federico Lombardi.
De acordo com o jornal Quotidiano Nazionale (QN), "uma pequena sombra" foi detectada em um exame médico do papa, realizado há sete meses por um especialista japonês, o professor Takanori Fukushima, na clínica San Rossore di Barbaricina, perto da cidade de Pisa. O professor teria considerado inútil fazer uma operação, já que o tumor era benigno, segundo o QN.

Apesar da resposta do Vaticano, o diretor de redação do Quotidiano Nazionale, Andrea Cangini, garantiu a veracidade da informação. "O desmentido era esperado e é compreensível. Seguramos a informação durante muito tempo para fazer as verificações. Não temos nenhuma dúvida de que está correta", disse Cangini.

O papa Francisco, de 78 anos, tem uma agenda intensa, apesar de em alguns momentos demonstrar sinais de cansaço e ter cancelado alguns compromissos no último momento. Em entrevistas recentes, o pontífice declarou que não tem muito tempo de vida pela frente, mas em nenhum momento citou uma doença.

Francisco já afirmou que as viagens oficiais o deixam cansado, mas está preparando uma visita de cinco dias à África no fim de novembro, mais uma vez com uma agenda intensa. Na juventude, o papa teve retirada uma parte do pulmão direito devido a uma grave infecção e, recentemente, o Vaticano informou que o papa sofre de dores no quadril, que atrapalham sua locomoção.


Fonte: Brasil Post

Para Cunha, impeachment implica atuação direta de Dilma em irregularidades

Carolina Gonçalves – Repórter da Agência Brasil Edição: Denise Griesinger

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse hoje (24) que é preciso ter cautela ao analisar o novo pedido de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, protocolado ontem (21) pela oposição. “O fato de existir a pedalada não quer dizer que tenha havido o ato da presidente com relação ao descumprimento da lei. Pode ser feita por vários motivos. Pode ser uma circunstância de equipe", disse Cunha ao se referir ao atraso no repasse de recursos a bancos públicos, para pagamento de benefícios.

O novo pedido também é de autoria dos juristas Hélio Bicudo, ex-integrante do PT, Miguel Reale Júnior, ex-ministro da Justiça no governo Fernando Henrique, Janaína Conceição Paschoal e de partidos contrários ao governo, que em setembro haviam protocolado pedido semelhante.

A nova versão, no entanto, contém a recomendação do procurador do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU), Júlio Marcelo de Oliveira, de abrir um novo processo para analisar as operações do governo federal, que teriam violado a Lei de Responsabilidade Fiscal este ano, a partir de demonstrativos contábeis oficiais da Caixa Econômica, do Banco do Brasil e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), já encaminhados ao TCU.

Em tom de cautela, Cunha disse que a estratégia não representa fundamentos para o impeachment. “O fato, por si só, de haver a pedalada não significa que isto seja razão de impeachment. Tem que configurar que há atuação da presidente no processo que descumpriu a lei. Pode existir a pedalada e não existir a motivação do impeachment”, ponderou.

O presidente da Câmara disse também que vai passar o final de semana no Rio de Janeiro e levar uma cópia do pedido para analisar o documento, mas lembrou que não tem prazo para apresentar sua conclusão. “Esse tempo é indifinido", disse ele. "A celeridade depende da capacidade de formar o juízo de convicção”, concluiu.


País precisa de Orçamento robusto em 2016 para crescer, diz Levy

Kelly Oliveira – Repórter da Agência Brasil Edição: Maria Claudia

Os ministros Joaquim Levy e Izabella Teixeira participaram de reunião do Conselho Empresarial Brasileiro, que apresentou propostas de negócios sustentáveisJosé Cruz/Agência Brasil
O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse hoje (22) que o Brasil precisa de crescimento, já. Ele destacou que, para isso, é preciso chegar a um Orçamento de 2016 robusto, que dê a tranquilidade necessária para os negócios no país voltarem a crescer.

O ministro deu as declarações, após reunião de apresentação do conselho de líderes do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), que pretende desenvolver, com o governo e a sociedade, propostas de negócios sustentáveis.

“A questão da capacidade de o governo se financiar, evidentemente, vem de uma adequada equação orçamentária, que começa com o Orçamento de 2016, com otimização de certos gastos, economias em muitas áreas. E eventualmente, se tiver melhora de serviços, tem mais recursos para investimentos”, disse o ministro.

Levy afirmou que o “equilíbrio macroeconômico facilita as condições gerais de financiamento da economia”. “Dá uma excelente luz da importância de a gente acelerar e chegar a um Orçamento de 2016 robusto, e que dê a tranquilidade necessária para os negócios do Brasil voltarem a crescer. Porque a gente precisa de crescimento no Brasil, e crescimento, já”, disse, ao responder sobre a necessidade de ampliar investimentos em mobilidade urbana.

O ministro disse ainda que novas tecnologias na área de desenvolvimento sustentável são uma oportunidade para o crescimento do país.

Questionado sobre metas fiscais, o ministro desconversou, e falou sobre redução de emissão de gases no meio ambiente. “Sobre a meta estabelecida pela presidente lá em Nova York, acho que a ministra pode explicar melhor”, disse, referindo-se à ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, que estava a seu lado.

Por sua vez, a ministra destacou que a proposta do Brasil de redução de gases em 43%, até 2030, é a mais ambiciosa. Ela citou que a União Europeia, por exemplo, propôs menos que o Brasil: 40%. Essa meta foi anunciada, no final do mês passado, na Conferência das Nações Unidas para a Agenda de Desenvolvimento Pós-2015, em Nova York.

Ontem (21), o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, disse que a perspectiva de frustração de receitas pode levar à revisão da meta de superávit primário, economia para o pagamento de juros da dívida pública, este ano.

Alta do dólar deve provocar aumento da demanda por voos domésticos

Pedro Peduzzi – Repórter da Agência Brasil Edição: José Romildo

A crise econômica brasileira não deve prejudicar os negócios do setor aéreo nacional, disse hoje (22) o ministro da Secretaria de Aviação Civil (SAC), Eliseu Padilha. Segundo o ministro, a alta do dólar poderá até mesmo beneficiar o turismo no país, permitindo que mais pessoas optem por destinos nacionais.

“Com a crise teremos turistas internacionais se convertendo em turistas brasileiros e, assim, as oportunidades vão se ampliar: vamos sentir o incremento das viagens internas”, disse o ministro, após participar da divulgação da pesquisa O Brasil que Voa – Perfil dos Passageiros, Aeroportos e Rotas do Brasil, feita pela SAC, em parceria com a Empresa de Planejamento e Logística (EPL).

O estudo revela que o transporte aéreo hoje está acessível a outras faixas de renda. “Em quatro anos, o preço da passagem aérea caiu 48% no Brasil. As companhias sabem que, para manter a concorrência, têm de fazer esforço para reduzir o preço das passagens ao máximo”, disse Padilha. Segundo ele, o transporte aéreo está “democratizado” no Brasil. “Estamos vendo crescimento, para os próximos 20 anos de, no mínimo, 7% ao ano”, disse ele.

De acordo com o secretário executivo da SAC, Guilherme Ramalho, nos últimos dez anos “houve uma grande revolução no transporte aéreo, com um processo intenso de democratização”.

Ramalho acrescentou: “Triplicamos o número de passageiros que voam a partir dos nossos aeroportos. Com esse crescimento, [o transporte aéreo se transformou em] um serviço de massa: o estudo da SAC divulgado hoje mostrou que 45% das pessoas que utilizam transporte aéreo têm renda de até dez salários mínimos”.

Segundo o secretário executivo, a crise econômica do país, por enquanto, significou apenas uma redução do ritmo de expansão. “A trajetória do setor aéreo, nos últimos dez anos, foi de crescimento, e a expectativa é expansão para o fim de ano, com aeroportos cheios”, acrescentou o secretário. .

Em relação às medidas de ajuste fiscal que vêm sendo anunciadas pelo governo federal, o ministro disse não acreditar que elas venham a afetar significativamente o Programa de Aviação Regional. “Temos um fundo [constituído] com recursos próprios do setor. Temos saldo superior a R$ 4 bilhões, que não estamos podendo usar em razão das restrições que existem”, acrescentou.

Estudo mostra que 252 cidades brasileiras têm mercado para novos trechos aéreos

Pedro Peduzzi - Repórter da Agência Brasil Edição: José Romildo

Quase metade dos passageiros de voos domésticos (40,2%) tem entre 31 e 45 anos; 56,4% são homens; e 21,7% têm renda familiar entre cinco e dez salários mínimos. As passagens foram compradas com antecedência inferior a 30 dias por 74,3% dos passageiros, e metade das passagens foram compradas pelo próprio usuários. Os dados contam da pesquisa O Brasil que Voa – Perfil dos Passageiros, Aeroportos e Rotas do Brasil, divulgada hoje (22) pela Secretaria de Aviação Civil (SAC), em parceria com a Empresa de Planejamento e Logística (EPL).

Os principais motivos de viagem são trabalho e estudo (49,2%) e lazer (45,3%). Para chegar ao aeroporto, 35,4% das pessoas usaram táxi; 68% levaram menos de uma hora para chegar ao aeroporto; 9,7% chegam com menos de uma hora de antecedência do voo e 47,2% chegam com uma antecedência entre uma e duas horas.

O check in foi feito no balcão por 50,6% dos passageiros, enquanto 21,7% usam totens (terminais de autoatendimento) e 27,3% fizeram o check in por meio de internet ou dispositivos móveis. Segundo o estudo, 65% despacharam bagagens, e 40,5% fizeram compras no aeroporto – deste total, 83,7% gastaram até R$ 50.

A pesquisa informa, ainda, que 44,4% dos passageiros gostariam que houvesse voos para o mesmo destino em outros dias da semana, e 36,9% desejariam voos em outros horários.

O levantamento mostra que pelo menos 252 cidades têm mercado para novos trechos aéreos, com uma ocupação superior a 50% das aeronaves. Entre os voos diretos com maior potencial de demanda estão as rotas entre Rio de Janeiro (RJ) e Vila Velha (ES); Blumenau (SC) e São Paulo; Campo Grande (MT) e Rio de Janeiro; e entre Macaé (RJ) e Santos (SP).

Segundo o ministro da Secretaria de Aviação Civil, Eliseu Padilha, o estudo poderá ajudar as empresas aéreas a abrir novas rotas, mas isso depende, ainda, de outros fatores, como o custo do querosene, que é muito influenciado pelo Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS), tributo regional.

“Vimos que muitas dessas demandas coincidiram com as previstas no Programa de Aviação Regional. Somos permanentemente informados pelas companhias sobre seus destinos de interesse. Não só a demanda em potencial é levada em consideração. Há também questões como o custo do combustível (querosene), que corresponde a 40% da despesa de operação. Em alguns estados fora do litoral esse custo é muito alto”, disse ele ao propor que alguns estados reduzam o ICMS para atrair o interesse das empresas.

Para fazer a pesquisa, a SAC e a EPL fizeram, ao longo de 2014, 150 mil entrevistas em 65 aeroportos responsáveis por 98% da movimentação aérea do país.



Dilma recebe apoio de prefeitos para recriar CPMF com alíquota de 0,38%

Luana Lourenço - Repórter da Agência Brasil Edição: Armando Cardoso

A presidenta Dilma Rousseff se reúne com dirigentes da Confederação Nacional de Municípios (CNM) no Palácio do PlanaltoElza Fiúza/Agência Brasil
A presidenta Dilma Rousseff recebeu hoje (22) representantes da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), que manifestaram apoio à proposta do governo de recriar a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), desde que a alíquota seja de 0,38% e partilhada entre União, estados e municípios.

A proposta do governo, enviada ao Congresso Nacional em setembro, prevê a volta do tributo com alíquota de 0,20%, com destinação dos recursos para cobrir o déficit da Previdência Social. Governadores e prefeitos condicionam apoio à proposição desde que mantida a alíquota de 0,38%, com 0,20% para União e o restante da arrecadação dividido entre estados e municípios.

Além da partilha, o 2º vice-presidente da CNM, Luiz Sorvos, disse que a ideia é que o dinheiro do tributo possa também ser usado para financiamento da saúde e educação e não apenas da Previdência, como consta da proposta original.

“Defender imposto é sempre constrangedor, principalmente na situação que vivemos, mas não temos alternativas. Precisamos nos unir, porque o Estado está precisando desse imposto. As prefeituras precisam desse imposto. Nós, prefeitos, defendemos a CPMF, desde que ela seja compartilhada com os municípios. Não do jeito que foi encaminhada para o Congresso”, afirmou após a reunião com Dilma.

Colaboração

O ministro da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini, reconheceu que o governo trabalha com a possibilidade de alíquota de 0,38%. Adiantou que espera a colaboração dos prefeitos para pressionar os parlamentares e aprovar a volta do tributo. A proposta está na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara aguardando relator.

“Essa é a possibilidade. É o que está sendo articulado por prefeitos e governadores, de forma a assegurar um adicional de financiamento do orçamento para todos os entes da Federação. A votação depende do Congresso, mas contamos com essa articulação para que possamos ter um processo mais rápido, que assegure, o mais cedo possível, esse recurso para os orçamentos dos municípios, estados e da União”.

Segundo Berzoini, a elevação da alíquota da nova CPMF, de 0,20% para 0,38%, não deve dificultar a votação, porque é um patamar “possível de assimilar pela economia”, além de ser um tributo de fácil arrecadação e aplicação direta.

Eduardo Cunha

O ministro, que comanda a articulação entre o Palácio do Planalto e o Congresso, também comentou a tensão política entre o governo e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), acirrada nos últimos dias, após declarações da presidenta Dilma sobre o envolvimento do parlamentar em esquema de corrupção.

Conforme Ricardo Berzoini, a relação do governo com Cunha é “republicana e transparente”, de modo a garantir o diálogo institucional na negociação de projetos de interesse do país.

“Tratamos essas questões de maneira republicana e transparente, tanto com o presidente da Câmara quanto com o do Senado. Vamos continuar o diálogo. É um diálogo institucional, que não tem nenhuma conexão com as situações que cada um dos dirigentes vive em relação a qualquer outra situação. O importante é que haja respeito a esse diálogo institucional e que possamos fazer a conversa com todas as bancadas de maneira transparente, realista e sem qualquer tipo de tergiversação.”

Ministro do STF nega segredo de Justiça em inquérito sobre Cunha

Carolina Gonçalves - Repórter da Agência Brasil Edição: Juliana Andrade

O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou hoje (22) pedido feito pelos advogados do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para que o inquérito contra ele tramitasse em segredo de Justiça em função da "indevida exposição" de investigados e de documentos. Na decisão, Zavascki explicou que a publicidade dos atos processuais é um pressuposto constitucional e que a situação de Cunha não se enquadra nas exceções previstas por lei, entre elas, a defesa da intimidade ou o interesse social.

“A hipótese dos autos não se enquadra em qualquer das situações em que se imponha reserva à cláusula de publicidade. A documentação que acompanha o pedido de abertura de inquérito não decorreu de medida cautelar processada no Brasil, tendo sido colhida e encaminhada pelas autoridades da Confederação Suíça sem regime de sigilo”, destacou o ministro.

Na semana passada, Zavascki abriu inquérito para investigar contas atribuídas a Cunha na Suíça. O pedido de abertura do inquérito, feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR), foi baseado em informações prestadas pelo Ministério Público suíço, que identificou quatro contas atribuídas ao presidente da Câmara naquele país. Para a PGR, além de Cunha, a mulher dele, Claudia Cruz, era uma das beneficiárias.

O Ministério Público da Suíça enviou ao Brasil documentos que mostram a origem do dinheiro encontrado nas contas atribuídas a Cunha.  De acordo com os investigadores da Operação Lava Jato, o dinheiro pode ser fruto do recebimento de propina em contrato da Petrobras.

Na Câmara, Cunha disse nesta quinta-feira que não tinha conhecimento da petição protocalada por seus advogados no STF e afirmou que essa é uma tarefa de sua defesa que, segundo ele, não o consulta a cada passo. “Eu não fiz pedido. Quem faz são meus advogados. Eu nem tomo conhecimento das petições. Não ache que meus advogados pedem autorização antes de fazer uma petição”, afirmou Cunha, ao acrescentar que a defesa tem procuração para adotar todas as medidas judiciais necessárias para sua defesa. O peemedebista reiterou ainda sua posição diante das denúncias reveladas nas últimas semanas.

Sobre o resultado da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras, que aprovou na madrugada de hoje o relatório final sem indiciar qualquer político envolvido nas denúncias apuradas pela Lava Jato, Cunha disse que o colegiado teve características “diferentes” por não ser protagonista das investigações.

Perguntado sobre requerimento, apresentado pelo PSDB, para que fosse instaurado um inquérito contra ele, Cunha mostrou indiferença em relação à medida e afirmou que “não tem qualquer efeito” político.

“Não significa nada. Para mim, não tinha nenhum efeito. Podia ter aprovado com a maior tranquilidade. Se eu estivesse lá eu teria votado [de forma] favorável. Já tem um inquérito instaurado.”

Nova espécie de tartaruga-gigante é descoberta em Galápagos

por Fábio Paschoal 

 

Uma nova espécie de tartaruga-gigante foi identificada no arquipélago de Galápagos, no Equador. A descoberta foi anunciada na quarta-feira (21) pelo Ministério do Meio Ambiente do país.

Historicamente acreditava-se que as duas populações de tartarugas-gigantes de Santa Cruz eram da mesma espécie. Porém, analises genéticas revelaram que os répteis encontrados no lado oriental da ilha, ao redor da área conhecida como Cerro Fatal, são diferentes dos que moram na parte ocidental.

A nova espécie, batizada de Chelonoidis donfaustoi – em homenagem a Fausto Llerena, cuidador de Solitário George (ultimo exemplar da espécie Chelonoidis abigdoni, morto em 2012) – também difere geneticamente das outras espécies encontradas no arquipélago. É a 15ª espécie de tartaruga-gigante descoberta em Galápagos (quatro já foram extintas).

A pesquisa, liderada pela bióloga de Yale Gisella Caccione, estimou a população em 250 indivíduos e classificou a espécie como vulnerável. Os cientistas esperam que a descoberta ajude a proteger e restaurar a nova tartaruga-gigante de Galápagos.




Governo vai propor idade mínima para aposentadoria de 65 anos para homens e 60 para mulheres

Estadão Conteúdo


O governo indicou que vai propor a idade mínima para aposentadoria em 60 anos e 65 anos, respectivamente, para mulheres e homens, segundo apurou o jornal O Estado de S. Paulo com fontes que participam dos estudos da reforma da Previdência.

O Brasil é um dos poucos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) que não estipula uma idade mínima.

Numa lista de 35 nações, o País tem o piso da idade em que as pessoas se aposentam: 57,5 anos. A média é considerada muito baixa para honrar os pagamentos dos benefícios no futuro.

Os outros países da OCDE tem média de 64,2 anos. O governo defende que a experiência internacional aponta idade mínima próxima de 65 anos.

Preocupado em mostrar que não está de braços cruzados com o aumento do rombo das contas públicas, a equipe econômica resolveu acelerar as mudanças com o objetivo de conter os gastos e resolveu que não vai esperar o debate das centrais sindicais e dos movimentos sociais no fórum criado com esse objetivo. Apenas apresentará a proposta formalmente ao Congresso.

A estratégia do governo é mostrar que não está preocupado apenas com o ajuste fiscal deste e do próximo ano, mas também com medidas estruturais de longo prazo. Por isso, membros da equipe econômica consideram que não é possível esperar o consenso do fórum, composto por representantes dos empregadores, dos trabalhadores e dos aposentados e pensionistas.

A meta é apresentar as mudanças em novembro, embora haja resistência da ala do governo ligada aos movimentos sociais. Em reunião nesta quarta-feira (21), os ministros do Planejamento, Nelson Barbosa, e do Trabalho e da Previdência Social, Miguel Rossetto, estabeleceram um plano de trabalho para fechar a proposta da reforma.

Qualquer mudança deve ter impacto somente no futuro, ou seja, não deve atingir as pessoas que já trabalham e contribuem para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Os efeitos devem ser graduais, mas crescentes, sobre o resultado da Previdência e o resto da economia.

De acordo com os dados do governo, a concessão das aposentadorias para os trabalhadores da iniciativa privada começa, em média, aos 59,5 anos para os homens e aos 57,8 anos para as mulheres, quando somados a idade e o tempo de contribuição.

A média é ainda mais baixa para os benefícios concedidos apenas com base no tempo de contribuição. Sob esse critério, os homens se aposentam aos 55 anos e as mulheres, aos 52 anos.

Salto

Pelas projeções do governo, as despesas da Previdência vão saltar de 7,5% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2015 para 8,3% em 2019. Já as receitas, vão recuar de 6,1% do total de riquezas produzidas no País para 5,8%.

O governo deve desembolsar neste ano R$ 88,9 bilhões apenas com o pagamento das aposentadorias da iniciativa privada, sem contar os benefícios assistenciais. Para 2016, a estimativa é que esse valor suba para R$ 124,9 bilhões.

O documento que faz o diagnóstico da situação do agravamento dos custos com a aposentadoria e outros benefícios previdenciários aponta quais serão os pontos que o governo deve mexer para conter o aumento desenfreado dessas despesas.

Além de propor uma idade mínima, a equipe econômica deve restringir o acesso aos chamados benefícios assistenciais.

Previsto na Lei Orgânica da Assistência Social (Loas), o benefício garante o pagamento de um salário mínimo mensal às pessoas com 65 anos ou mais que não possam manter seus sustento e que, ao longo da vida, não tenham contribuído para o INSS.

De acordo com o governo, de 2002 para 2014, os desembolsos desse benefício saltaram de R$ 6,8 bilhões para R$ 35,1 bilhões. A quantidade de benefícios emitidos nesse período subiu de 2 milhões para 4,3 milhões.


Fonte: Brasil Post

Ele inventou o exame de HIV. Agora, pesquisa vacina para derrotar o vírus

Ryan Grenoble


Em 1984, Robert Gallo foi um dos co-autores do estudo que identificou o HIV como causador da Aids. Depois, ele foi o primeiro a desenvolver um exame de sangue que detecta o vírus.

Agora, 31 anos depois, ele e sua equipe do Instituto de Virologia Humana da Universidade de Maryland estão começando a testar em humanos uma vacina contra o HIV potencialmente revolucionária.

Embora outras vacinas se concentrem em cepas específicas do HIV, o tratamento desenvolvido por Gallo tem uma abordagem diferente.

A ideia é bloquear o vírus antes que ele invada as células T (um componente central do sistema imunológico) e entre em mutação – quando isso acontece, o HIV se torna invisível para o sistema imune e fica muito mais difícil de tratar.

Se o tratamento for bem sucedido, a vacina pode oferecer proteção contra uma grande classe de vírus conhecidos coletivamente como “HIV-1”.

Robert Gallo pode ter encontrado a vacina que derrota o HIV.
“Nossa candidata a vacina contra o HIV/Aids é desenhada para se conectar com o vírus no momento da infecção, quando várias cepas do HIV podem ser neutralizadas”, disse Gallo num comunicado.

“Acreditamos que esse mecanismo seja um pré-requisito importante para uma vacina preventiva eficaz contra o HIV.”

Gallo disse à revista Science que a vacina vem sendo desenvolvida há 15 anos.

A primeira fase dos testes vai durar cerca de um ano e tem o objetivo de avaliar a segurança básica da droga nos humanos. Participam dos testes 60 candidatos.

O vírus HIV-1 (os pontos verdes na foto) brotam na superfície de uma célula.
Se o tratamento passar por essa fase inicial, inicia-se a fase 2, na qual os pesquisadores vão avaliar a eficácia contra o HIV.

Depois, começaria a fase 3, muito mais ampla e de anos de duração. Só então a vacina seria investigada pela Food and Drug Administration (FDA), o órgão do governo americano que regulamenta remédios, para eventual aprovação e uso pelo público.

Ou seja: por mais promissora que seja a vacina (e isso ainda não se sabe com certeza), anos podem se passar até que ela seja liberada para uso generalizado.

Ainda assim, é um primeiro passo importante.

“A área passa por um período empolgante, pois há várias abordagens sendo investigadas”, disse ao jornal Baltimore Sun Mitchell Warren, diretor executivo da AVAC, uma entidade global que atua na prevenção do HIV.

“Infelizmente, em 30 anos ainda não sabemos o que será necessário [para haver uma vacina eficiente]. Mas certamente temos ideias melhores das possíveis respostas.”

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.

Mercadante diz que provas do Enem estão seguras e nega vazamento

Paula Laboissière – Repórter da Agência Brasil Edição: Denise Griesinger



Brasília - O programa Bom Dia, Ministro recebeu o ministro da Educação, Aloizio Mercadante José Cruz/Agência Brasil
O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, disse hoje (22) que as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) estão “totalmente seguras” e que, até o momento, o ministério não detectou vazamento.

No último domingo (18), o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgou, em sua página oficial no Twitter, que são falsas as fotos de supostas capas de dois modelos da avaliação e do tema da redação do Enem 2015 que circulam pelas redes sociais.

“Todo ano, há tentativas de criar esse clima de insegurança”, disse Mercadante, ao participar de entrevista no programa Bom Dia, Ministro, produzido pela EBC Serviços em parceria com a Secretaria de Comunicação da Presidência da República. “Precisamos ter seriedade. Não houve nenhum vazamento”, reforçou.

Segundo ele, cerca de 30 mil profissionais farão a segurança dos malotes do exame, que devem percorrer um total de 326 mil quilômetros – incluindo a entrega das provas e o retorno dos cartões de resposta. “Tentativa de fraude podemos ter. Agora, que vamos pegar, vamos pegar. E que vão pagar caro, vão pagar”, concluiu o ministro.


ONU examina discriminação de mulheres em Portugal e no Timor-Leste

Da Agência Lusa

O Comitê das Nações Unidas sobre Eliminação da Discriminação contra as Mulheres (Cedaw, na sigla em inglês) reúne-se em Genebra a partir de segunda-feira (26) para avaliar a situação em Portugal e no  Timor-Leste.

De acordo com comunicado da ONU, a análise sobre Portugal será feita no dia 28 de outubro e a do Timor-Leste no dia 11 de novembro. As conclusões e as recomendações serão divulgadas ao final da sessão. A última avaliação sobre Portugal e o Timor-Leste foi feita em 2008 e 2009, respectivamente.

O comitê vai promover reuniões informais e públicas para ouvir representantes de organizações não governamentais e de instituições nacionais de direitos humanos do país examinado. Reuniões fechadas estão previstas para analisar processos de reclamações e informações relativas a violações graves da convenção.

Nesta 62.ª sessão do Cedaw, entre os dias 26 de outubro e 11 de novembro, também vão ser examinados os Emirados Árabes Unidos, a Eslovênia, Eslováquia, o Líbano, a Libéria, Madagáscar, o Malauí, a Rússia e o Uzbequistão.

Todos os Estados avaliados apresentam nas próximas semanas um relatório tratando da implementação da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contras as Mulheres.

O comitê é composto por 23 membros e é presidido pela advogada japonesa Yoko Hayashi.

A Convenção sobre a Eliminação de todas as formas de Discriminação contra as Mulheres foi adotada em 1979, entrou em vigor em 1981 e hoje tem 189 Estados signatários.

Ao ratificar a Convenção, os Estados comprometem-se a incluir na sua Constituição ou legislação o princípio da igualdade entre homens e mulheres e a adotar medidas legislativas e outras, incluindo sanções, com o objetivo de proibir qualquer tipo de discriminação contra as mulheres.

John Kerry exige fim da violência entre israelenses e palestinos

Da Agência Lusa


Primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu e o secretário de Estado norte-americano John Kerry se encontra em Berlim, na Alemanha. Foto divulgada pelo governo israelenseImagem de divulgação/Israeli Government Press Office
O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, exigiu hoje (22) o "fim da violência" que ocorre há mais de três semanas entre Israel e o Estado palestino. A declaração foi durante uma reunião, em Berlim, com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

"É absolutamente crucial pôr fim a todos os incitamentos, pôr fim a toda a violência e encontrar uma via que permita, potencialmente, construir um processo mais vasto, o que não é o caso hoje em dia", afirmou Kerry ao lado de Netanyahu e diante dos jornalistas, em uma unidade hoteleira de Berlim.

O primeiro-ministro israelense, por outro lado, considerou que a "onda de ataques" é "resultado direto das provocações" do Hamas, movimento islâmico em Israel do presidente palestiniano, Mahmud Abbas, e da Autoridade Palestina.

"Creio que é tempo de a comunidade internacional dizer claramente ao presidente Abbas para parar com os incitamentos contra Israel", frisou Netanyahu.

Kerry e Netanyahu não se reuniam desde fins de setembro, antes do início dos novos confrontos em Israel e nos territórios palestinos.

Ambos vão ter uma reunião hoje, de várias horas, para discutir formas de conter a violência que já provocou dezenas de mortes dos dois lados.


Sul da Tailândia tem pior nuvem de fumaça da década

Da Agência Lusa

Uma densa nuvem de fumaça, proveniente dos incêndios florestais na Indonésia, está causando os piores níveis de poluição registrados na última década no Sul da Tailândia, gerando atrasos em voos para áreas turísticas, informaram hoje (22) as autoridades.

Há quase dois meses, milhares de incêndios causados por queimadas na Indonésia levam nuvens de fumaça para os países vizinhos, onde aumentaram as doenças respiratórias, escolas fecharam e voos foram cancelados.

A Tailândia é habitualmente poupada dos efeitos dos incêndios da Indonésia, um problema anual que afeta mais fortemente a Malásia e Cingapura.

No entanto, nas últimas semanas ,o vento levou a fumaça para a Tailândia, causando dificuldades à indústria do turismo, central na economia do país.

As autoridades tailandesas informaram que a qualidade do ar caiu para níveis insalubres em sete províncias do Sul, com os piores efeitos em Songkhla, para onde alguns voos foram atrasados ou cancelados.

“É considerada uma crise, a pior em dez anos”, disse à agência France Press Halem Jemarican, chefe do Departamento Ambiental da província de Songkhla.

Estudantes devem ficar atentos a itens obrigatórios durante provas do Enem

Michèlle Canes - Repórter da Agência Brasil Edição: Graça Adjuto

Inep alerta para motivos que podem eliminar o candidato, como fazer consultas ou comunicar-se com outros participantes durante as provas Arquivo/Agência Brasil
Os candidatos que farão as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) devem ficar atentos aos itens obrigatórios durante as provas. O Enem ocorre neste sábado (24) e domingo (25) em todo o país.

Nos dias de aplicação do exame é obrigatória a apresentação de um documento de identificação original com foto. Para saber quais são os documentos aceitos, é importante que o candidato verifique o edital. Em casos de perda, extravio, furto ou roubo do documento de identificação, é preciso apresentar um boletim de ocorrência. Segundo o edital, o boletim deve ter sido expedido “por órgão policial há, no máximo, 90 dias do primeiro dia de aplicação do exame”.

Outro item obrigatório é a caneta esferográfica, que deve ser de tinta preta e fabricada em material transparente. O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) informa que se o candidato usar caneta com tinta de outra cor, a leitura ótica do cartão-resposta pode ser comprometida.

No site do Enem, o Inep informa também que apesar de não ser um documento obrigatório, é recomendável que o candidato leve o cartão de confirmação da inscrição. Além do local de prova, ele traz o número de inscrição, a data e o horário das provas, a opção de língua estrangeira, solicitação de certificação do ensino médio, se for o caso, além da indicação de atendimento especializado ou específico, se tiver sido solicitado pelo participante.

O Inep alerta para os motivos que podem eliminar o candidato, como fazer consultas ou comunicar-se com outros participantes durante o período das provas. Também não é permitido portar  lápis, caneta de material não transparente, lapiseira, borrachas, livros, manuais, impressos, anotações e qualquer dispositivo eletrônico como, por exemplo, calculadoras, telefones celulares, smartphones, tablets, gravadores, relógios, entre outros. Não é permitido também usar óculos escuros, boné, chapéu, viseira, gorro ou similares. Se estiver com um desses itens, o participante deverá colocá-lo no porta-objetos fornecido pelo aplicador.

Também será motivo de eliminação portar qualquer arma, mesmo tendo autorização de porte, sair definitivamente da sala de prova antes de completadas duas horas do início do exame ou receber da equipe de aplicação informações sobre o conteúdo. Para saber mais dicas, o candidato pode acessar a página do Enem, além de verificar o edital da prova.

As provas serão aplicadas em todos os estados e no Distrito Federal. Os portões serão abertos ao meio-dia e fechados às 13h, no horário de Brasília.

Para ajudar estudantes a se preparar para os exames, a Empresa Brasil de Comunicação (EBC) preparou o aplicativo Questões Enem, que reúne todas as questões da prova, desde a edição de 2009. No sistema, é possível escolher as áreas de conhecimento que se quer estudar. O acesso é gratuito.

O que levar

- É obrigatória a apresentação de um documento de identificação original com foto. No edital estão os documentos aceitos.

- Em casos de perda, extravio, furto ou roubo do documento de identificação, é preciso apresentar um boletim de ocorrência expedido “por órgão policial há, no máximo, 90 dias do primeiro dia de aplicação do exame”

- Caneta esferográfica de tinta preta fabricada em material transparente

Motivos que podem eliminar o candidato:

- Consultar ou comunicar-se com outros participantes durante o período das provas

- Portar lápis, lapiseira, borrachas, caneta que não seja de material transparente, livros, manuais, impressos e anotações. Portar qualquer dispositivo eletrônico

- Usar óculos escuros, boné, chapéu, viseira, gorro ou similares

- Portar armas

- Sair definitivamente da sala de prova antes de completadas duas horas do início do exame

- Receber da equipe de aplicação, informações sobre o conteúdo do exame