Campanha para alertar mulheres sobre endometriose é lançada no Rio

Vitor Abdala – Repórter da Agência Brasil Edição: Valéria Aguiar

Uma campanha de conscientização sobre os riscos da endometriose foi lançada hoje (30) no Rio de Janeiro. A doença é uma inflamação que ocorre no sistema reprodutor feminino e atinge entre 15% a 20% das mulheres em todo o mundo, segundo a organização não governamental Instituto Crispi de Cirurgias Minimamente Invasivas, que coordena a campanha nacional.

Segundo o presidente do Instituto, Cláudio Crispi, ginecologista especialista em endometriose, é importante diagnosticar a doença logo no início. “Nós temos uma defasagem entre o início dos sintomas dessa doença e o diagnóstico, no nosso país, de dez anos. E a endometriose é uma doença progressiva, que piora todo mês em que a mulher menstrua.”

De acordo com o médico, há um desconhecimento grande da doença, por parte tanto dos leigos quanto dos profissionais de saúde. Por isso, a ideia da campanha. “Hoje só 15% das pessoas com endometriose sabem que têm a doença.”

A endometriose ocorre quando, após a menstrução, o endométrio -,  tecido que reveste o útero -, se desloca para outros órgãos, como os ovários, as trompas, a bexiga e o reto. A doença causa cólicas mais fortes, dor profunda na relação sexual e dor para evacuar ou urinar. Dependendo da evolução da doença, pode até provocar infertilidade.

A campanha tem como madrinha a atriz Camila Pitanga e consiste na divulgação de um vídeo pela internet, na distribuição de panfletos e na execução de palestras em escolas e unidades de saúde.

- Assuntos: campanha, endometriose, inflamação, mulheres, útero, profissionais de saúde

Marcha das Vadias em São Paulo pede legalização do aborto

Elaine Patricia Cruz – Repórter da Agência Brasil Edição: Aécio Amado

Centenas de mulheres participaram hoje (30) da 5ª Marcha das Vadias em São Paulo, reivindicando principalmente a legalização do aborto e o fim do encarceramento feminino. Segundo as manifestantes, é preciso ampliar o debate sobre ser ou não favorável ao aborto, entendendo que a criminalização não impede que as pessoas continuem abortando o que implica no comprometimento da saúde da mulher.

"A Marcha das Vadias luta basicamente contra a criminalização e culpabilização das mulheres pela violência que elas sofrem, em especial, a sexual. Este ano, especificamente, resolvemos pautar a questão da legalização do aborto porque temos um congresso extremamente conservador e que já expressou que isso não vai entrar na pauta. Estamos aqui para dizer que vai", disse a psicóloga Isabel Bernardes, integrante do movimento, em entrevista à Agência Brasil.

Segundo ela, cada mulher tem o direito de decidir sobre fazer ou não um aborto. "E mais do que isso. É necessário uma real política de efetividade dos direitos sexuais e reprodutivos para que o aborto fosse, de fato, a última opção e não um remédio duro de tomar"

Isabel Bernardes entende que legalizar o aborto não é obrigar as mulheres a fazer aborto. “Ninguém vai ser obrigado a fazer o aborto porque está legalizado. Deve-se deixar as pessoas que não querem, não podem ou não acreditam nesse projeto de vida, [dar à luz] decidir não seguir adiante com uma gravidez. Legalizar o aborto é dar oportunidade para quem não pode pagar [ fazer], porque quem pode pagar faz, mas sem risco de morrer", destacou a psicóloga.

Uma das manifestantes, de 31 anos de idade, que chamamaos de Joana para preservar a sua identidade, disse à reportagem ter feito dois abortos. O primeiro, quando tinha 23 anos. Para isso, segundo ela, mesmo sabendo dos riscos, comprou por iniciativa própria um medicamento abortivo que custa em torno de R$ 100  ou R$ 200 cada comprimido.

"Utilizei a medicação na minha casa e segui as instruções de cartilhas que encontrei na internet. Usei, aguardei um tempo para fazer efeito, e tive hemorragia. Nas duas vezes eu estava entre sete ou oito semanas [de gravidez]. E eu sabia que teria que procurar um hospital depois. Mas eu sabia disso porque eu tive acesso à informação. Nas duas vezes passei por curetagem [no hospital]".

Joana disse ainda que, no hospital, não falou ao médico sobre ter provocado o aborto por temer consequências. "Não falei nada. Nem que estava grávida. Contei que tinha sofrido uma hemorragia e que estava com dor".

"É urgente no Brasil legalizar o aborto. As mulheres morrem porque elas não têm acesso à informação, praticam o aborto de forma absolutamente sem informação. Muitas mulheres morrem porque tomam o remédio e depois não procuram o hospital para fazer a curetagem. Outras fazem de forma pior, perfurando o útero com agulha de tricô. Ou tomam drogas das quais não sabem a origem, risco que eu também corri”, destacou. Para a manifestante, o ideal é que toda mulher pudesse fazer o aborto pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

"As mulheres pobres correm muitos riscos. Quem tem R$ 4 mil ou R$ 5 mil vai para Moema [bairro de classe média alta de São Paulo] e faz da forma mais segura e limpa possível. E sai de lá tranquila. Quem não tem ou vai parar em uma clínica sem nenhuma estrutura ou vai parar na mão de uma curiosa ou vai tentar fazer como eu fiz, em casa e sozinha, correndo muitos riscos porque eu tenho a absoluta convicção de que a maioria das mulheres não tem acesso a essa informação que eu tive na internet", disse Joana.

Depois da concentração no vão-livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp) onde confeccionaram cartazes e entoaram cânticos sobre o aborto,  entre eles, um que fazia referência ao Uruguai, com o seguinte refrão: “O Uruguai já legalizou, Brasil, a sua hora chegou”, as manifestantes seguiram em caminhada pela Avenida Paulista e Rua Augusta, com destino à Praça Roosevelt, no centro da cidade. Lá, ao encerrar o ato, elas sentaram em círculo e cada uma deu um depoimento sobre o aborto.

As manifestantes estimaram que o ato reuniu cerca 2 mil pessoas. A Polícia Militar calculou em torno de 100 pessoas.

- Assuntos: Marcha das Vadias, aborto

Onda de calor matou mais de 2 mil pessoas na Índia

Da Agência Lusa

A onda de calor que há várias semanas atinge a Índia provocou a morte de mais de 2 mil pessoas, informou hoje (30) o governo o governo indiano. Os estados de Andhra Pradesh e de Telangana, no sul do país, são os mais afetados pelo calor.

Nos dois estados foram registradas 1.979 mortes atribuídas ao calor. No estado de Orissa houve 17 mortes. Mais nove foram registradas em outros estados, elevando o total de vítimas para 2.005.

Em Andhra Pradesh e Telangana, as autoridades lançaram campanhas de informação para ajudar os mais vulneráveis a enfrentarem o calor. A principal orientação é para o consumo de água e evitar exposição ao sol.

O órgão indiano responsável pela gestão de catástrofes naturais em Telangana, informou que as temperaturas já diminuíram “ligeiramente” e não foram registradas mortes atribuídas a onda depois da última quinta-feira (28). Ao todo, morreram na região 489 pessoas.

Hoje, as temperaturas máximas rondaram os 45 graus e os meteorologistas em Nova Deli advertiram que as altas temperaturas podem continuar em vários estados na próxima semana.

- Assuntos: calor, Índia, morte, altas temperaturas, Andhra Pradesh, Telangana

Três pessoas estão desaparecidas em acidente na Usina Belo Monte

Ivan Richard - Repórter da Agência Brasil Edição: Aécio Amado

Três pessoas estão desaparecidas há quase 12 horas no canteiro de obras da Usina Belo Monte, no Pará, depois que um dos silos da central de concreto, na área industrial da obra, desabou durante uma operação de descarga de um caminhão. O acidente aconteceu por volta de 2h e funcionários da obra e homens do Corpo de Bombeiros estão trabalhando nas buscas.

Segundo o Consórcio Construtor Belo Monte, mais três pessoas foram atingidas pelo desabamento. Elas foram socorridas por equipes médicas do Corpo de Bombeiros, dois com ferimentos leves, já liberados, e uma com fratura no ombro.

Em nota, o consórcio construtor informou que está prestando todo o atendimento aos funcionários e colaborando com o trabalho de peritos e agentes da Polícia Civil, que estão no local.

- Assuntos: Usina de Belo Monte, acidente

Fifa mantém chance de 5ª vaga para América do Sul nas copas da Rússia e Catar

Ivan Richard - Repórter da Agência Brasil Edição: Aécio Amado

A Federação Internacional de Futebol (Fifa) decidiu manter a atual divisão de vagas para a Copa do Mundo de Futebol. Assim, nas próximas duas copas, na Rússia e no Catar, a América Latina continuará disputando uma quinta vaga para o mundial com uma seleção representante da Ásia, Oceania ou da América Central.

A decisão foi tomada ontem (29), em Zurique, após a reeleição do presidente da Fifa, Joseph Blatter. Em nota, a entidade informou que o Continente Africano terá cinco representantes, a Ásia 4,5, a Europa 13, a América do Norte, Central e o Caribe 3,5, a Oceania 0,5 e a América do Sul 4,5. Ao todo, 32 países, sendo que o país- sede tem uma vaga assegurada, disputarão o mundial.

As últimas vagas serão definias em confrontos de ida e volta na chamada repescagem pelos representantes de Conmebol, Ásia, Concacaf e Oceania. Os jogos serão definidos em sorteio após o término das eliminatórias. Quinto colocado nas últimas eliminatórias sul-americanas, o Uruguai garantiu vaga na Copa do Brasil após passar pela Jordânia. Já o México veio ao Brasil depois de passar, na repescagem, pela seleção da Nova Zelândia.

- Assuntos: Fifa, vagas para Copa do Mundo

Representante da Uefa rejeita vice-presidência da Fifa após reeleição de Blatter

Da Agência Lusa

O vice-presidente da Federação Inglesa de futebol, David Gill, escolhido pela Federação Europeia de Futebol (Uefa) para ocupar uma das vice-presidências da Federação Internacional de Futebol (Fifa), rejeitou assumir a função depois da reeleição de Joseph Blatter para a presidência da entidade.

Em nota, o inglês disse que a medida foi motivada pelos “terríveis acontecimentos” ocorridos na última semana. "Não tomei esta ação de ânimo leve, mas os terríveis acontecimentos dos últimos três dias convenceram-me de que não era apropriado para ser membro do comité executivo da Fifa com a direção atual", diz Gill.

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos indiciou, na última quarta-feira, nove dirigentes ou ex-dirigentes e cinco parceiros da Fifa por associação criminosa e corrupção. De acordo com o órgão, os crimes investigados foram praticados nos últimos 24 anos, e movimentou, por meio de pagamento de suborno, mais de US$ 151 milhões, cerca de R$ 465 milhões.

Entre os acusados, estão dois vice-presidentes da Fifa, o uruguaio Eugenio Figueredo e Jeffrey Webb, das Ilhas Cayman, e que é também presidente da Confederação de Futebol da América do Norte, Central e Caraíbas (Concacaf), assim como o paraguaio Nicolás Leoz, ex-presidente da Confederação da América do Sul (Conmebol).

Os outros dirigentes presos e indiciados são o ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) José María Marín, membro do comitê da Fifa para os Jogos Olímpicos Rio 2016, o costarriquenho Eduardo Li, Jack Warner, de Trinidad e Tobago, o nicaraguense Júlio Rocha, o venezuelano Rafael Esquivel e Costas Takkas, das Ilhas Cayman.

Os investigados foram suspensos pela Fifa de todas as atividades ligadas ao futebol. A acusação surge depois de o Departamento de Justiça dos EUA e a polícia da Suíça terem detido Webb, Li, Rocha, Takkas, Figueredo, Esquivel e Marin na quarta-feira, em um hotel de Zurique, a dois dias das eleições para a presidência da Fifa.



- Assuntos: Corrupção na Fifa

Câmara aprova pontos importantes da reforma política após 21 anos de discussão

Iolando Lourenço - Repórter da Agência Brasil Edição: Aécio Amado

Depois de 21 anos de discussão no Congresso Nacional, a Câmara iniciou, nesta semana, a votação de pontos considerados importantes da reforma política, aprovou modificações em algumas regras do sistema e manteve outras que já estão em vigor. Novas votações da reforma serão retomadas na segunda semana de junho, após a apreciação do projeto de lei do Executivo que modifica as regras da desoneração da folha de pagamento (PL 863/15).

Sessão plenária da Câmara dos Deputados para análise e discussão da Reforma Política Laycer Tomaz / Câmara dos Deputados


A primeira proposta de emenda à Constituição (PEC) 190/94, que integra o pacote de temas que foram apensadas à PEC 182/2007, em votação na Câmara, foi apresentada em 20 de outubro de 1994 pelo então deputado Pedro Irujo (PMDB-BA). A proposta propõe tornar o voto em facultativo. O artigo deverá ser votado no dia 10 de junho e será um dos últimos pontos da reforma a ser apreciado. Depois, será votada a mudança do dia da posse do presidente da República, que hoje ocorre em 1º de janeiro. A proposta é que passe para o primeiro dia útil do ano.

Uma das propostas de campanha para a presidência da Câmara do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) era aprovar a reforma política este ano. Para isso, ele criou uma comissão especial a fim de analisar as propostas em tramitação na Casa. Só em relação a PECs, foram encontradas e apreciadas 155. Desde a criação da comissão, Cunha marcou para a última semana de maio a votação da reforma política. Sem a aprovação do relatório do deputado Marcelo Castro (PMDB-PI) na comissão, o presidente da Câmara avocou para o plenário a deliberação da reforma e nomeou como relator o então presidente da comissão especial, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Eduardo Cunha e os líderes partidários fecharam um acordo para que a votação da reforma política fosse feita artigo por artigo. Estabeleceram também a ordem de votação dos pontos da reforma. O primeiro a ser apreciado foi o sistema eleitoral com a votação dos pontos na seguinte ordem: lista, distrital misto, distritão e distritão misto. Colocado em votação, nenhum desses pontos foi aprovado pelos deputados e, assim, manteve-se o sistema eleitoral atual.

O segundo artigo a ser votado foi o financiamento de campanha. O primeiro item a ser votado foi o financiamento público e privado extensivo à pessoa jurídica: haveria dinheiro do fundo partidário, de empresas e de pessoas físicas, as empresas poderiam doar recursos para os partidos e para os candidatos. Essa proposta foi rejeitada. Novas votações foram feitas sobre a questão do financiamento, inclusive, o exclusivamente público. Mas as propostas foram rejeitadas, prevalecendo, porém, o dispositivo constante do texto de Rodrigo Maia, que estabelece financiamento público e privado, sendo que as empresas poderão fazer doações aos partidos e não aos candidatos. O dispositivo foi aprovado pelos deputados, sob protestos de alguns parlamentares.

Nas votações desta semana, os deputados aprovaram ainda o fim da reeleição para os cargos executivos de presidente da República, governadores e prefeitos. O texto também estabelece que os prefeitos eleitos pela primeira vez em 2012 e os governadores também pela primeira vez eleitos em 2014 poderão disputar a reeleição. Outro dispositivo aprovado é o que estabelece a cláusula de desempenho ou de barreira, em que os partidos só poderão ter acesso aos recursos do Fundo Partidário e ao tempo de propaganda no rádio e na televisão, se tiverem pelo menos um candidato concorrendo à Câmara e eleger no mínimo um representante para a Câmara ou para o Senado. Hoje, por essas regras perderiam os recursos e o tempo de propaganda o PSTU, PCO, PPL e PCB.

A Câmara dos Deputados retoma as votações da reforma política, na semana após o feriado de Corpus Christi, apreciando temas complexos como: duração do mandato, coincidência de eleições e cota para as mulheres na Câmara. Outros temas a serem apreciados são fim do voto obrigatório e data da posse do presidente da República.

- Assuntos: reforma política, Câmara dos Deputados, votações

Terremoto de 8,5 graus de magnitude atinge litoral Norte do Japão

Da Agência Lusa Edição: Aécio Amado

Um forte terremoto foi sentido hoje (30) no Japão. O tremor, no entanto, não ativou o alerta de tsunami. O abalo sísmico ocorreu às 20h24 (horário local) e teve o seu epicentro no mar, a 874 quilometros de Tóquio, capital japonesa.

De acordo com o Centro de Alertas de Tsunami no Pacífico, o terremoto atingiu magnitude de 8,5 graus na escala Richter, com o epicentro a uma grande profundidade. Já o Instituto Geológico dos Estados Unidos indicou que abalo sísmico foi de magnitude de 7,8. A escala Richter vai até 10.

No última segunda-feira (25), um terremoto de magnitude 5,6 na escala Richter estremeceu edifícios em Tóquio, acionando alarmes e levando à suspensão do serviço de metrô.

O epicentro do terremoto, segundo o órgão, foi localizado ao Norte de Tóquio, na província de Saitama.

- Assuntos: terremoto, Japão, litoral norte, mar, Pacífico

Dilma diz que governo chegou no limite de sua "capacidade anticíclica"

Camila Boehm – Repórter da Agência Brasil Edição: Aécio Amado

Em evento do PCdoB na noite de hoje (29), na capital paulista, a presidenta Dilma Roussef disse que o governo está em um momento difícil, de grande desafio. Ela lembrou que, desde a eclosão da crise financeira de 2008, o governo federal adotou todas as medidas anticíclicas possíveis, como fortalecer e ampliar políticas sociais e o crédito, a fim de proteger o consumo, o investimento das empresas, o emprego e a renda dos trabalhadores. “Agora nós chegamos no limite de nossa capacidade anticíclica”, destacou.

“Não estamos fazendo mudança na estratégia, estamos alterando a tática”, disse ao garantir a continuidade dos programas sociais e que não vai sucatear a infraestrutura do país. Segundo a presidenta, não há como adiar um ajuste fiscal. O país não pode continuar com o mesmo padrão e há necessidade de um reequilíbrio fiscal.

Segundo Dilma, o objetivo é encurtar ao máximo as restrições mais pesadas e dividir os sacrifícios da forma mais justa possível, mas que a retomada do crescimento exige esforços de todos. Ela ressaltou a importância da reforma política e do fim do financiamento empresarial nas campanhas eleitorais.

Sobre a Operação Lava Jato, a presidenta afirmou que o Brasil deve continuar a combater a corrupção e a impunidade e que o governo tem atuado junto ao Ministério Público federal, sem impor a presença de um “engavetador geral da República”.

Dilma também falou sobre o projeto que reduz a maioridade penal e destacou que “há um conservadorismo muito perigoso da sociedade brasileira”. Segundo a presidenta, a medida que propõe a redição da maioridade penal é “gravíssima” e defendeu outro modelo: “Somos a favor de penalizar o adulto que usa crianças como escudo legal”.

- Assuntos: presidenta Dilma Rousseff

Cunha defende regras mais rígidas para acesso ao fundo partidário e televisão

Cristina Indio do Brasil - Repórter da Agência Brasil Edição: Jorge Wamburg

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, disse hoje (29), no Rio de Janeiro, que quer tornar mais “rígido” o acesso ao fundo partidário e ao tempo de televisão dos pequenos partidos. As propostas, segundo ele, poderiam ser aprovadas por meio de mudanças na legislação eleitoral infraconstitucional, que dependem de um número menor de votos que as emendas à Constituição.

A Câmara criou ontem (28), dispositivo que estabelece uma nova cláusula de barreira, ou de desempenho, mudando as regras de acesso ao Fundo Partidário e ao tempo de rádio e televisão. Agora, só terão acesso aos recursos e ao tempo de propaganda nos veículos de comunicação os partidos que tiverem pelo menos um candidato eleito para o Congresso Nacional. Pela medida, ficam de fora dos benefícios quatro partidos: PSTU, PCO, PPL e PCB.

“O que temos que fazer agora é colocar na lei eleitoral infraconstitucional regras rígidas para distribuição de tempo de televisão, não beneficiando partidos pequenos. À imprensa, Cunha também negou que tenha adulterado texto de medida provisória sobre o ajuste fiscal para aprovar a instalação de imóveis comerciais nas dependências da Câmara.

“Esse negócio é palhaçada, já falei ontem (28). Não tem shopping nenhum sendo feito”, declarou Cunha. Ele explicou que a proposta, de parceria público-privada, será vantajosa para a Casa.

“O objetivo é que as obras que a Câmara tem que fazer – necessárias - sejam pagas pela iniciativa privada, em troca de concessão de espaço fora da Câmara, mas que pertence ao patrimônio da Câmara”, afirmou. “Ninguém sabe se vão propor uma torre de escritório, um hotel, estacionamento ou qualquer outra coisa”, acrescentou, negando que esteja prevista a instalação de um shopping.




- Assuntos: Eduardo Cunha, fundo partidário, tempo de televisão, pequenos partidos.

Príncipe jordaniano retira candidatura à Fifa e facilita vitória de Blatter

Alex Rodrigues e Pedro Peduzzi- Repórteres da Agência Brasil Edição: Armando Cardoso

Após garantir 73 votos durante a eleição para presidência da Federação Internacional de Futebol (Fifa) e forçar a realização de um segundo turno, o príncipe jordaniano Ali Bin Al Hussein desistiu da disputa sem explicações. Ele surpreendeu os participantes do congresso da entidade e contrariou os que previam uma vitória fácil de Joseph Blatter já no primeiro turno.

Hussein foi breve ao anunciar sua decisão. Em pronunciamento de apenas 21 segundos, agradeceu àqueles que votaram nele e, sem expor motivos, disse apenas que estava deixando a disputa.

“Quero agradecer a todos. Foi uma jornada maravilhosa conhecer e trabalhar com vocês. Agradeço aos que me apoiaram. Dito isso, estou deixando a disputa. Desejo boa sorte a todos no futuro", disse o príncipe.

Ali Bin Al Hussein conseguiu apoio após o escândalo de corrupção envolvendo alguns dos principais dirigentes da Fifa, entre eles o do presidente da União das Federações Europeias de Futebol (Uefa), Michel Platini, e da Associação de Futebol Argentino (AFA).

Com a desistência de Hussein, Blatter conquistou seu quinto mandato para a principal entidade do futebol mundial. O suíço está no comando da federação desde 1998. Em seu primeiro discurso como presidente eleito, ele afirmou que sua missão é “colocar a Fifa no caminho certo”.

Durante o primeiro turno da votação, Blatter teve 133 votos e Al Hussein 73. Por apenas seis votos, o suíço não venceu sem a necessidade de segundo turno.

Entre os oito dirigentes e ex-dirigentes presos na última quarta-feira, está o ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), José Maria Marin. Nove cartolas e cinco empresários esportivos de várias nacionalidades, entre eles os sete presos, já foram denunciados à Justiça norte-americana.

Eles são suspeitos de cobrar propinas ao negociar contratos de direitos de transmissão de jogos organizados pela Fifa ou por entidades a ela associadas. As autoridades norte-americanas também investigam indícios de fraude na escolha dos países-sede das duas próximas Copas do Mundo (Rússia, em 2018, e Catar, em 2022). Segundo a Promotoria de Justiça de Nova York e o FBI, o esquema pode ter movimentado mais de US$ 150 milhões em mais de duas décadas.

- Assuntos: Fifa, eleição, príncipe, renúncia

Dilma faz nova indicação para OEA após rejeição de Guilherme Patriota

Da Agência Brasil Edição: Aécio Amado

A presidenta Dilma Rousseff submeteu ao Senado Federal o nome do diplomata José Luiz Machado e Costa para a vaga de representante do Brasil na Organização dos Estados Americanos (OEA). A indicação foi publicada na edição de hoje (29) do Diário Oficial da União.

Na semana passada, o plenário do Senado rejeitou a indicação do embaixador Guilherme Patriota para a vaga. Irmão do ex-ministro de Relações Exteriores Antonio Patriota, o diplomata teve 38 votos contrários e 37 favoráveis à sua indicação. Para ser aprovado pelo Senado são necessários 41 votos a favor.

Na mesma edição do Diário Oficial da União, a presidenta indicou os nomes para os cargos de embaixadores do Brasil em Moçambique (cumulativamente com Suazilândia e Madagascar), no Iraque, na Dinamarca, Lituânia, Espanha e no Principado de Andorra, na China, Mongólia, em Honduras e Botsuana.

- Assuntos: José Luiz Machado e Costa, OEA, embaixador, Itamaraty

Del Nero nega que tenha assinado contratos suspeitos na gestão de Marin na CBF

Cristina Indio do Brasil - Repórter da Agência Brasil Edição: Jorge Wamburg

O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Marco Polo Del Nero, negou hoje (29), em entrevista coletiva na sede da entidade, no Rio de Janeiro, que tivesse conhecimento de propinas nos contratos da CBF. Ele também negou ter assinado algum deles durante a administração do ex-presidente da entidade José Maria Marin.

“Nenhuma participação, nenhum contrato eu assinei na administração do presidente José Maria Marin”, garantiu Del Nero, completando que a função dele, como vice-presidente da CBF, enquanto Marin estava no comando da entidade, era seguir as orientações da presidência.

O dirigente informou que os contratos vão ser analisados, mas disse que de antemão não se pode afirmar que os documentos não estejam corretos e, por isso, precisam ser revistos: “A conclusão à que a diretoria chegou é a seguinte e eu apoio: nós temos que analisar todos os contratos”.

O presidente acrescentou que a entidade atravessa um momento difícil por causa do envolvimento de  José Maria Marin nas acusações de recebimento de propinas em contratos da CBF. Marin foi preso na Suíça, na última quarta-feira (27), antes do Congresso da Federação Internacional de Futebol (Fifa), que hoje (29) reelegeu o Joseph Blatter para o quinto mandato seguido de quatro anos na presidência da entidade.

De acordo com Del Nero, esse foi o motivo que o fez voltar de Zurique, na Suíça, onde participava da reunião da Fifa. “Para poder informar de forma positiva e correta e dar as explicações necessárias não só às autoridades como também à imprensa do nosso Brasil”, completou.

Del Nero não acredita que a saída antecipada da reunião em Zurique tenha prejudicado a imagem do futebol brasileiro e da CBF. “Eu conversei com o presidente da Conmebol [Confederação Sul-Americana de Futebol] e informei a necessidade de retornar ao país para dar uma satisfação e para comandar as explicações necessárias, seja no Ministério da Justiça, na Polícia Federal ou na Procuradoria Federal.”

O dirigente disse que, apesar de ser amigo de Marin, tem que tomar providências para esclarecer os fatos. “É triste, a gente presta solidariedade ao ser humano, ao amigo, mas, como presidente da Confederação Brasileira de Futebol, tenho que tomar as providências necessárias. Não tem como deixar de fazer alguma coisa, apenas por ser amigo. Fico muito chateado, perplexo com tudo que aconteceu, mas temos que exercer a função. A função [de presidente] vai ser exercida na melhor forma possível em favor da Confederação Brasileira de Futebol”, disse Del Nero, acrescentando que não tinha conhecimento da existência de propinas nos contratos.

O presidente da CBF descartou ainda a possibilidade de ser o suspeito, sem nome identificado, apontado nos documentos divulgados pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos do recebimento de propinas com Marin. “Eu não sou, porque não recebi nada nem receberia. Não sei [quem seria]. Tem que perguntar para o investigador”, afirmou o presidente da CBF.

Del Nero contou que ficou sabendo da prisão do ex-presidente por uma ligação telefônica. Em seguida, reuniu-se com a presidência da Conmebol, que constituiu advogado para defender Marin, porque naquele momento ele também era representante da entidade sul-americana. Quanto à retirada do nome de Marin da fachada da sede da CBF, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, ele explicou que foi em decorrência da decisão da Fifa.

“Em face de uma determinação da Fifa de banimento dele por 90 dias, a presidência, ad referendum da Diretoria-Geral, resolveu tirar o nome dele”, revelou. O nome do dirigente foi retirado da fachada da sede, mas no interior do prédio permanece em uma placa com a composição da diretoria, tendo na presidência Marin.

Antes de sair de Zurique, Del Nero orientou a delegação brasileira sobre como votar na eleição para a presidência da Fifa. Com relação aos documentos apresentados às autoridades brasileiras para as investigações sobre a CBF, explicou que a decisão foi tomada em uma reunião de diretoria. “Tudo está registrado. Foram entregues ao procurador-chefe do Ministério Público do Rio de Janeiro e ao ministro da Justiça todos os contratos pertinentes para que eles possam analisar e nós estamos aptos a praticar e a responder tudo que for pedido”, disse.

Para o dirigente, as acusações feitas pelo senador Romário (PSB-RJ) de que ele deveria ser o primeiro investigado por uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) para apurar os contratos da CBF não representam novidade.

“Com relação ao senador Romário posso informar que não é de hoje que ele me ataca, mas toda vez que ele me ataca eu vou ao Poder Judiciário e tomo as providências. Algumas delas, ou pelo menos em uma delas, ele já foi condenado. Vou continuar processando. Sempre que ele me ofender, eu o processarei”, declarou Del Nero, que disse apoiar uma CPI do Senado para investigar a CBF.

- Assuntos: CBF, Del Nero, Marin, propina, contratos, CPI, Romário

PGR garante empenho para extraditar líder da máfia italiana

André Richter - Repórter da Agência Brasil Edição: Beto Coura

A Procuradoria-Geral da República (PGR) informou hoje (29) que tratará com prioridade eventual pedido de extradição do italiano Pasquale Scotti, apontado como líder da organização criminosa Camorra. Ele foi preso na última terça-feira, no Recife, em uma operação da Polícia Federal e da Interpol (Polícia Internacional). O governo da Itália tem prazo de 90 dias para pedir ao Supremo Tribunal Federal a extradição.

Em nota, a PGR informou que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, entrou em contato com autoridades italianas para garantir empenho máximo no processo de extradição. Scotti deve aguardar a decisão do Supremo no Complexo Penitenciário da Papuda, no Distrito Federal.

O italiano é apontado como fundador da Nova Camorra Organizada – subgrupo criado após a prisão do principal chefe da Camorra, Raffaele Cutolo, em 1982. Em 2005, a Justiça condenou o Scotti à prisão perpétua por crimes cometidos entre 1980 e 1983, entre os quais mais de 20 homicídios, porte ilegal de armas de fogo, extorsão, intimidação e ameaças. O italiano estava foragido desde 1984 e vivia no Recife há anos, com documentos falsos, em nome de Francisco de Castro Visconti.

A PGR aguarda a definição da extradição do ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato. No começo deste mês, o Tribunal Administrativo Regional do Lacio suspendeu decisão do governo italiano a favor da extradição. Está marcada uma audiência para o dia 3 de junho a fim de discutir o caso.

Condenado no processo na Ação Penal 470, o processo do mensalão, em 2013, Pizzolato fugiu para a Itália com passaporte falso. O governo brasileiro quer que ele seja extraditado para o Brasil para cumprir a pena de 12 anos e sete meses de prisão por lavagem de dinheiro e peculato. O ex-diretor foi detido em fevereiro de 2014, em Maranello, por causa da documentação irregular.

- Assuntos: stf, PGR, Camorra, Polícia Federal, interpol, Rodrigo Janot, Pasquale Scotti, Henrique Pizzolato, mensalão

Receita cobrou mais de R$ 4 bilhões de 96 envolvidos em fraudes no futebol

Da Agência Brasil Edição: Beto Coura

A Receita Federal informou hoje (29), por meio de nota, que desde 2002 investiga fraudes ligadas ao futebol. Segundo o comunicado, o Fisco identificou e autuou pessoas físicas e empresas que mantêm relações comerciais com entidades responsáveis pela organização do esporte no país, de âmbito nacional ou regional. A revelação foi feita dois dias após a Justiça americana determinar prisões de dirigentes da Federação Internacional de Futebol (Fifa) envolvidos em um grande esquema de corrupção. Entre os detidos está o vice-presidente da Confederação Brasileira do Futebol (CBF), José Maria Marin, que foi afastado do cargo.

“Foram realizadas três operações especiais de fiscalização desde 2002, onde foram investigadas 96 pessoas físicas e jurídicas. Essas auditorias resultaram em cobrança de tributos, multas e juros no valor de R$ 4,47 bilhões”, diz a nota. A Receita destacou que algumas pessoas citadas na recente operação promovida no âmbito do Poder Judiciário dos Estados Unidos estão na lista de autuações aplicadas no Brasil. O Fisco diz que, em função do sigilo fiscal, não pode informar os nomes dos envolvidos.

A Receita Federal brasileira entrou em contato com a americana, para conhecer a operação promovida contra pessoas ligadas à Fifa, que incluiu vários brasileiros.

- Assuntos: Receita Federal, Fifa, CBF, José Maria Marin, Fraude fiscal no futebol

Começa no Rio o 8º Encontro de Cinema Negro no Brasil

Da Agência Brasil Edição: Maria Claudia

O Cine Odeon, localizado na Cinelândia, região central do Rio, reaberto na semana passada (21), recebe hoje o 8° Encontro de Cinema Negro Brasil, África e Caribe Zózimo Bulbul. A mostra traz uma seleção de 33 filmes de afro-brasileiros, e outros 30 filmes de africanos e da diáspora, oriundos da África, Estados Unidos, Caribe e Europa.

Uma das convidadas, a cineasta brasileira Sabrina Fidalgo, que exibiu hoje o documentário musical “Rio Encantado”, acha que ainda há poucas mulheres [negras] no meio cinematográfico, mas este cenário já começa a mudar. “Há um grupo de mulheres, como eu, colocando o pé na porta e entrando com tudo na área. Nos falta incentivo, mas isso já está melhorando”.

Segundo ela, por ser um setor que demanda tempo e dinheiro, pode remeter a um nicho elitista, o que aumenta a importância de figuras como ela neste cenário. “É importantíssimo termos grupos de resistência. Mulheres negras que trabalham com audiovisual ainda são uma minoria, então servimos como um incentivo para jovens negros que desejam entrar no mercado”, afirmou.

A cineasta americana Yoruba Richen, produtora do documentário “The New Black”, e que também fará parte do evento, concorda com a brasileira, e reitera que “o número de produtoras negras e mulheres cresceu bastante, mas ainda não pode ser considerado o suficiente”.

O 8° Encontro de Cinema Negro Zózimo Bulbul acontece entre os dias 28 de maio e 3 de junho, no Cine Odeon, na Cinelândia, e no MAR Museu de Arte do Rio (MAR), na Praça Mauá, região central do Rio. O nome do evento é uma homenagem ao ator, diretor e autor Zózimo Bulbul, que faleceu em janeiro de 2013, vítima de um câncer no colo do intestino. Ele foi o primeiro protagonista negro de uma novela brasileira.

- Assuntos: cinema, Zózimo, Odeon, cinema negro, filmes, Cinelândia

STF marca para 10 de junho julgamento sobre biografias não autorizadas

André Richter - Repórter da Agência Brasil Edição: Beto Coura

O Supremo Tribunal Federal (STF) marcou para o dia 10 de junho o julgamento sobre a constitucionalidade da publicação de biografias não autorizadas. Os ministros vão julgar uma Ação Direta de Inconstitucionalidade impetrada, em 2012, pela Associação Nacional dos Editores de Livros (Anel) contra liminares que proíbem o lançamento das biografias.

A associação questiona a constitucionalidade dos Artigos 20 e 21 do Código Civil. A Anel argumenta que a norma contraria a liberdade de expressão e de informação, e pede que o Supremo declare que não é preciso autorização do biografado para a publicação dos livros.

Segundo o Artigo 20 do Código Civil, “salvo se autorizadas, ou se necessárias à administração da Justiça ou à manutenção da ordem pública, a divulgação de escritos, a transmissão da palavra, ou a publicação, a exposição ou a utilização da imagem de uma pessoa poderão ser proibidas, a seu requerimento e sem prejuízo da indenização que couber, se lhe atingirem a honra, a boa fama ou a respeitabilidade, ou se se destinarem a fins comerciais.”

Um dos casos que podem influenciados pela decisão do Supremo é a biografia não-autorizada do cantor Roberto Carlos. A biografia Roberto Carlos em Detalhes foi escrita por Paulo César de Araújo. Em 2007, 11 exemplares foram recolhidos das livrarias após ação judicial impetrada pelo advogado do cantor.

- Assuntos: Roberto Carlos, Paulo César de Araújo, stf, anel, biografias não autorizadas

Rio proíbe discriminação contra população LGBT nas prisões

Da Agência Brasil Edição: Beto Coura

As normas assinadas garatem direito de inclusão do nome social, uso de uniforme e roupas íntimas conforme o gênero com o qual a pessoa se identifica, acesso a serviços públicos como hormonoterapia e manutenção de cabelos compridos para as travestis e transexuais que desejaremMarcello Casal Jr/Agência Brasil

O governo do Rio proibiu qualquer tipo de discriminação contra presos no estado em função de orientação sexual ou identidade de gênero. A chamada população LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais), que tem cerca de 700 pessoas no sistema prisional, é o grupo ao qual se destinam as novas regras.

As normas assinadas hoje (29) garantem o direito de inclusão do nome social na guia de recolhimento do preso, o direito ao uso de uniforme e roupas íntimas de acordo com o gênero com o qual a pessoa se identifica e, além disso, assegura o acesso aos serviços públicos de saúde, incluindo a hormonoterapia, e a manutenção dos cabelos compridos para as travestis e mulheres transexuais que assim desejarem.

“Para nós isso é um progresso importante, porque regulamenta os direitos da população LGBT, especialmente travestis e transexuais, para garantir direitos básicos da dignidade da pessoa”, disse o coordenador do Rio sem Homofobia, Cláudio Nascimento, que é também superintendente da Secretaria de Assistência Social de Direitos Humanos.

"Nós vamos promover um tratamento digno e vamos usar as mesmas atitudes que nós usamos para as mulheres, sem nenhuma diferenciação. Vamos melhorar o nosso sistema dando dignidade e respeito [ao preso], disse o secretário de Administração Penitenciária, Erir Ribeiro.

- Assuntos: lgbt, LGBT nas prisões, rio sem homofobia, Cláudio Nascimento, Secretaria de Administração Penitenciária, Erir Ribeiro

Reeleito presidente, Blatter diz que sua missão é colocar Fifa no caminho

Alex Rodrigues – Repórter da Agência Brasil Edição: Carolina Pimentel

O suíço Joseph Blatter comemora após ter sido reeleito presidente da FifaDivulgação/Agência Lusa/EPA/Walter Bieri/Direitos Reservados

O suíço Joseph Blatter, de 79 anos, foi reeleito hoje (29), para seu quinto mandato à frente da principal entidade do futebol mundial, a Federação Internacional de Futebol (Fifa). Nem mesmo as recentes denúncias de corrupção envolvendo alguns dos principais dirigentes da federação foram capazes de alterar os rumos da eleição. A votação foi para o segundo turno, mas o concorrente o príncipe jordaniano Ali bin Al Hussein, 39 anos, desistiu da candidatura.

Na primeira rodada, Blatter obteve 133 votos e Al Hussein conseguiu 73. Por 6 votos a menos do que o mínimo necessário para vencer a eleição em um única rodada, o suíço Joseph Blatter, 79 anos, teria que disputar um segundo turno com o príncipe jordaniano, que acabou desistindo. Um segundo turno não ocorria desde 1974. "Tomo a responsabilidade de voltar a botar a Fifa no caminho", disse Blatter, após ser reeleito. "Precisamos de maior representatividade das federações, de mulheres, precisamos que suas vozes repercutam na Fifa", acrescentou.

Fizeram falta ao suíço os votos de algumas das federações que retiraram o apoio a Blatter depois que as autoridades dos Estados Unidos e da Suíça deflagraram, na quarta-feira (27), uma megaoperação intercontinental para prender oito dirigentes esportivos ligados à Fifa. Embora Blatter não esteja entre os investigados e afirme ser inocente, as suspeitas afetaram sua gestão. Ele está à frente da entidade desde 1998 e garantiu seu quinto mandato.

Na manhã da última quarta-feira (27), policiais suíços prenderam, em Zurique, o ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) José Maria Marin, e mais seis dirigentes esportivos: Jeffrey Webb, Eduardo Li, Julio Rocha, Costas Takkas, Eugenio Figueredo e Rafael Esquivel. No final da tarde do mesmo dia, o ex-vice-presidente da Fifa Jack Warner entregou-se às autoridades de Trinidad e Tobago, na América Central. Warner foi liberado após pagar fiança de US$ 400 mil.

Nove dirigentes da Fifa e cinco empresários esportivos de várias nacionalidades – entre eles os sete já presos - foram denunciados à Justiça norte-americana, suspeitos de cobrar propinas ao negociar contratos de direitos de transmissão de jogos organizados pela Fifa ou por entidades a ela associadas. As autoridades norte-americanas também investigam indícios de fraude na escolha dos países-sede das duas próximas copas do Mundo (Rússia, 2018, e Catar, 2022). Segundo a Promotoria de Justiça de Nova York e o FBI (Polícia Federal dos Estados Unidos), o esquema pode ter movimentado mais de US$ 150 milhões em mais de duas décadas.

Duzentos e nove delegações tinham direito a voto na escolha do presidente da federação. Devido ao retorno repentino do presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Marco Polo Del Nero, ao Brasil, o país foi representado pelo presidente da Federação de Futebol do Ceará, Mauro Carmélio.

- Assuntos: Corrupção na Fifa, Joseph Blatter, Fifa

União, estados e municípios querem aplicar melhor os recursos da educação básica

Mariana Tokarnia - Repórter da Agência Brasil Edição: José Romildo

União, estados e municípios pretendem melhorar a qualidade dos gastos orçamentários na educação básica. Em ano de contingenciamento (retenção de gastos), as três esferas de governo planejam estreitar a cooperação, para que o dinheiro seja melhor empregado. A questão foi debatida no lançamento da Iniciativa Educadores do Brasil, que integra, nos próximos anos, os Prêmios Gestão Escolar e Professores do Brasil.

"É importante que a gente consiga trabalhar junto, seja na hora da definição dos valores do Fundeb [Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação], seja no prêmio, seja na expectativa do corte, para que [o contingenciamento] não atinja mais ou menos um ou outro ente da federação. As nossas divergências vão acontecer, mas é preciso saber superar [o desafio]", diz a  presidenta da União Nacional de Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Cleuza Repulho.

O ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, explicou que os esforços visam a um maior diálogo com os entes: "A União não dá ordens. Democracia é isso, não [há] instância mandando em outra, [há] instâncias juntas, conversando entre si, construindo diálogos".

Desde a posse, Janine defende a educação básica como chave para um salto na educação do país. A educação básica deve ser preservada no contingenciamento do orçamento. Para o ministro, ao mesmo tempo em que o país definiu por lei, no Plano Nacional de Educação (PNE), elevar os investimentos em educação para 10% do Produto Interno Bruto em dez anos - atualmente o investimento é de 6,6% -, é necessário melhorar a gestão.

"Não basta ter dinheiro. O dinheiro precisa ser bem aplicado. Pode-se aumentar muito o dinheiro e aplicá-lo mal. O que precisa [haver] é uma discussão para aplicar esse dinheiro bem", disse. A educação está entre as pastas com os maiores contingenciamentos, serão cortados R$ 9,423 bilhões.

No âmbito estadual, o presidente do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), Eduardo Deschamps, explica que o Ministério da Educação está fazendo um levantamento, com a ajuda dirigentes estaduais, dos recursos disponíveis e daqueles que ainda deverão ser transferidos, para verificar, entre outras questões, se há a possibilidade de deslocamento de verbas para ações mais emergenciais. O objetivo é dar mais agilidade na transferência de recursos do Orçamento da União.

No que se refere ao aumento de repasses aos estados e municípios pelo Custo Aluno Qualidade (CAQ), o ministro ressalta que estamos em um ano "de dificuldades financeiras, então, nesse momento, dinheiro novo é muito difícil de ser planejado, isso tem que ser pensado para depois". O CAQ está no Plano Nacional de Educação (PNE) sancionado pela presidenta Dilma Rousseff no ano passado. Pela lei, o CAQ deve ser implantado até meados do ano que vem. O CAQ será o parâmetro para o financiamento da educação básica e será calculado com base no mínimo necessário para garantir infraestrutura, pagamento de pessoal e qualidade na educação.

Para MEC e entidades, a Iniciativa Educadores do Brasil é um exemplo de integração dos entes, pois une o Prêmio Gestão Escolar, concebido pelo Consed em 1998 e o Professores do Brasil, criado pelo MEC em 2005. As duas premiações objetivam dar visibilidade a experiências pedagógicas inovadoras, passíveis de adoção em escolas de todo o país. Nos próximos anos, haverá divulgação e abertura de inscrições integradas. As inscrições estão previstas para começar na segunda quinzena de junho.





- Assuntos: Educação, Educação básica, MEC, Iniciativa Educadores do Brasil, ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro

Policiais são capacitados para atendimento à população LGBT


Foto: ASCOM/SJDHDS

Cerca de 120 agentes da segurança pública do Estado, entre policiais militares, civis e bombeiros, participaram, na quinta-feira (28), no Auditório de Departamento de Polícia Técnica, nos Barris, do Seminário ‘Violência LGBT: qualificando o atendimento polícial’. A capacitação é fruto da parceria entre as secretarias de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS) e de Segurança Pública (SSP). O evento integra a programação do Maio da Diversidade, agenda de atividades e ações afirmativas realizada pela SJDHDS, com o intuito de dar maior visibilidade e chamar a atenção para o preconceito e crimes de natureza homofóbica na Bahia.

A realização do seminário partiu de uma demanda do próprio segmento LGBT que provocou o Estado para uma qualificação dos agentes da segurança nos atendimentos dos casos a grupos vulneráveis que são vítimas de sucessivos casos de violência. A superintendente de Apoio e Proteção aos Direitos Humanos, Anhamona de Brito, ressaltou a importância do preenchimento do campo de identidade de gênero nas ocorrências policias como forma de enfrentar a ‘invisibilidade’ sofrida por esse segmento. "Quando passamos a alimentar a base de dados podemos acompanhar os casos de violência sofrido por esse público", disse.

Durante o seminário, que contou com a participação de Paulette Furacão, a primeira trans a ocupar um cargo público no Estado, os agentes aprenderam formas de abordagem e tratamento ao público LGBT, bem como a diferença conceitual entre identidade de gênero e orientação sexual. "Esse curso será importante, vai poder preparar o policial para entender como servir a esse público", comentou o tenente Guiais.

O respeito à identificação social feminina ou masculina e o respeito à intimidade da pessoa abordada foram alguns dos assuntos discutidos durante o encontro que contou com a presença maciça de policiais que atuam na região da orla, local em que se concentra um grande número de transexuais e travestis profissionais do sexo. "Com esse seminário esperamos prevenir práticas que se configurem homofobia institucional", explicou Paulette Furacão.

Distribuição de kits

Kits para atendimento de policiais à população LGBT, com banners destacando a mensagem ‘Segurança Pública contra a Homofobia’, bem como folders com texto orientador para este público foram entregues durante o seminário. O material também será entregue em delegacias da capital como forma de sensibilizar para a importância de garantir o direito de um atendimento policial digno à comunidade LGBT. A entrega faz parte da campanha do 3º Maio da Diversidade, iniciada no dia 4 de maio, com o tema ‘Zero violência LGBT, por uma Bahia que respeite a diversidade sexual e de gênero’.

Secom Bahia

BC: resultado das contas públicas em abril atende meta para o ano

Kelly Oliveira – Repórter da Agência Brasil Edição: José Romildo

O resultado fiscal em abril está alinhado com a meta para ano, mas os dados em 12 meses ainda são desfavoráveis, de acordo com avaliação do chefe do Departamento Econômico do Banco Central (BC), Tulio Maciel.

Em abril, o setor público consolidado – governos federal, estaduais e municipais e empresas estatais – apresentou superávit primário (receitas e despesas, menos gastos com juros) de R$ 13,445 bilhões. De acordo com Maciel, o mês de abril costuma apresentar resultados favoráveis devido ao aumento de receitas do governo, principalmente com o Imposto de Renda. Para Maciel, tendo em vista a conjuntura econômica, “é um resultado bom para o período”.

Em 12 meses encerrados em abril, o déficit primário do setor público ficou em R$ 42,615 bilhões. Em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, esse resultado correspondeu a 0,76%, o pior da série histórica do BC, iniciada em dezembro de 2001. Segundo Maciel, o déficit ocorre devido à incorporação de dados negativos do segundo semestre do ano passado.

Maciel enfatizou ainda que nos quatro meses do ano foi atingido quase metade (50%) da meta para 2015, com superávit primário de R$ 32,448 bilhões. Para este ano, a meta de superávit primário para o setor público corresponde a R$ 66,3 bilhões ou 1,1% do PIB.

Os dados do BC também mostram que, em abril, as despesas com juros da dívida pública, que ficaram em R$ 2,213 bilhões, foram menores do que em março (R$ 69,489 bilhões) deste ano. Isso ocorreu em razão de uma operação do BC no mercado de câmbio chamada de swap cambial. O BC obteve lucro com essa operação em abril e isso reduziu os gastos com juros. Assim, o setor público chegou a registrar superávit nominal, ou seja, ao serem considerados os gastos com juros e o superávit primário, o resultado ficou positivo. No mês passado, o superávit nominal ficou em R$ 11,232 bilhões.

Na operação de swap cambial, há uma troca (swap) de rendimentos entre os investidores e o BC, envolvendo dólar e taxa de juros. Quando o dólar cai, o BC tem lucro e o inverso ocorre quando a moeda americana sobe. Em abril, o ganho recorde do BC ficou em R$ 31,8 bilhões. Já em março, a perda chegou a R$ 4,5 bilhões. Enquanto em março, houve alta do dólar de 11,5%, na média, em abril, houve queda de 6,7%.


- Assuntos: resultado fiscal, banco central, swap, Superávit primário

Estados Unidos retiram oficialmente Cuba da lista de países terroristas

Leandra Felipe – Correspondente da Agência Brasil/EBC Edição: Carolina Pimentel

O Departamento de Estado norte-americano anunciou hoje (29) que Cuba foi formalmente retirada da lista dos países que contribuem com o terrorismo. “O prazo de 45 dias que o Congresso tinha para notificação [caso tivesse parecer contrário] terminou e o Secretário de Estado decidiu rescindir a designação de Cuba como Estado Patrocinador do Terrorismo, efetivamente a partir de hoje”, afirmou, em uma nota oficial, o porta-voz da chancelaria americana, Jeff Rathke.

A retirada de Cuba da lista era uma reivindicação do governo cubano para o pleno restabelecimento das relações diplomáticas entre os dois países. O processo de reaproximação foi iniciado no ano passado de maneira secreta, mas em dezembro, os presidentes Barack Obama e Raúl Castro anunciaram o início do diálogo para o pleno restabelecimento, após quase 50 anos de rompimento.

As duas chancelarias trabalham em conjunto em reuniões em Washington e em Havana para acertar os pontos necessários para a plena retomada e especialmente para a reabertura das respectivas embaixadas em Cuba e nos Estados Unidos.

A intenção do presidente norte-americano de retirar Cuba da lista foi anunciada em abril, pouco antes do início da Cúpula das Américas realizada no Panamá. Na época, o Departamento de Estado encaminhou um relatório ao Congresso, em que defendia a retirada, “por não haver nenhum indício de que Cuba houvesse colaborado com nenhum tipo de organização terrorista nos seis meses anteriores à elaboração do documento".

Pela lei do país, o Congresso deveria analisar o relatório e apresentar um parecer sobre a decisão em 45 dias. A reaproximação dos Estados Unidos e de Cuba divide os Democratas e os Republicanos. A maioria republicana no Senado e na Câmara tende a rejeitar a proposta do governo Obama de reaproximação, enquanto que os Democratas apoiam a decisão.

A lista dos países que contribuem com o terrorismo global tinha quatro países: Cuba, Irã, Sudão e Síria. A retirada de Cuba é positiva e importante para o restabelecimento das relações políticas e diplomáticas e também representa uma mudança de percepção clara do governo norte-americano com a ilha. A maioria das restrições comerciais continua porque estão vinculadas ao embargo econômico que ainda não foi retirado e que depende da votação de uma lei pelo Congresso.

- Assuntos: Cuba, Estados Unidos, lista de países terroristas

Aperto de mãos entre palestino e israelense é aplaudido no Congresso da Fifa

Alex Rodrigues - Repórter da Agência Brasil Edição: Valéria Aguiar

Presidentes das federações de futebol da Palestina, Jibril Rajoub, e de Israel, Ofer Eini, se cumprimentaram durante congresso em que os delegados da Fifa escolhem presidente da entidadeDivulgação Fifa

Um simples aperto de mãos durante o congresso em que os delegados da Federação Internacional de Futebol (Fifa) escolhem quem vai presidir a entidade pelos próximos quatro anos desviou, por alguns instantes, a atenção mundial das denúncias de corrupção que envolvem alguns dos principais dirigentes da entidade.

Durante um instante, os presidentes das federações de Futebol da Palestina, Jibril Rajoub, e de Israel, Ofer Eini, estiveram frente à frente e se cumprimentaram com um aperto de mãos. Devido ao conflito histórico entre árabes e judeus e às recentes críticas da federação palestina à sua similar israelense, o cumprimento chamou a atenção dos demais participantes do evento, que aplaudiram entusiasticamente o gesto dos dois dirigentes esportivos.

Até poucas horas antes, a delegação palestina pedia que, durante o congresso – que ocorre em um hotel de Zurique, na Suíça, – os delegados da Fifa suspendessem Israel de competições internacionais de futebol devido às restrições à livre movimentação de atletas palestinos. Na última hora, no entanto, Rajoub retirou o pedido da pauta, alegando que, se aceito, traria prejuízos ao futebol.

Em compensação, o presidente da federação palestina propôs a criação de um comitê internacional responsável por monitorar a liberdade dos jogadores árabes. Colocada em votação pelo presidente da Fifa, o suíço Joseph Blatter – que disputa seu quinto mandato para comandar a entidade –, a proposta foi aprovada pela maioria dos delegados.

“Trabalharemos juntos”, disse, em resposta, da tribuna do congresso, o presidente da federação de Israel pouco antes de se dirigir ao responsável palestino para cumprimentá-lo. Ao discursar, Eini chegou a comentar a possibilidade de arábes e palestinos trabalharem em conjunto para erradicar os problemas existentes na região e garantir condições dignas para os jogadores.

O 65º Congresso da Fifa ocorre em meio ocorre em meio às investigações que, durante a semana, levou a polícia suíça, a pedido da Justiça dos Estados Unidos, a prender oito dirigentes da Fifa, acusados de cobrar propina para negociar direitos de transmissão de eventos organizados pela Fifa e a escolha dos países-sede das duas próximas copas do Mundo (Rússia, 2018, e Catar, 2022). Entre os investigados presos na última quarta-feira (27), está o ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), José Maria Marin. Entre os vários campeonatos em cuja organização o Departamento de Justiça dos Estados Unidos afirma ter encontrado indícios de irregularidade está a Copa do Brasil – campeonato organizado pela CBF e disputado entre clubes de todo o país.

>> Acompanhe aqui a cobertura da Agência Brasil sobre a investigação na Fifa

- Assuntos: Corrupção na Fifa, Fifa, palestino, Israelense

Cunha diz que parlamentares têm receio de mudar sistema político

Isabela Vieira – Repórter da Agência Brasil Edição: Denise Griesinger

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), reconheceu hoje (29) que os parlamentares da Casa têm medo de mudar o sistema político. Ao reconhecer que a proposta de reforma política, em análise no Congresso, desagradou setores da sociedade, ele afirmou que os parlamentares preferem que fique como está.

"Se algumas decisões do Congresso não são as decisões que a sociedade esperava obter, se as decisões podem frustar alguém, até a mim, pessoalmente, é porque o Congresso decidiu ficar como está", afirmou, em entrevista, no Rio de Janeiro.

Segundo ele, por terem medo de aprovar regras que inviabilizem futuras reeleições, os deputados preferem não fazer mudanças nas leis. "Na prática, fazer reforma política esbarra na dificuldade de mudar o sistema de eleição daquele que se elegeu por esse sistema", explicou o presidente da Câmara. "Ele [o parlamentar] sempre fica com receio que uma alteração dificultará sua futura eleição. Essa é a realidade", admitiu.

Ele também criticou a "hipocrisia" de deputados que defenderam em campanha o financiamento público ou o voto distrital misto e mudaram de lado, dificultando mudanças na lei. "Ou seja, proclamam um coisa e votam outra", disse.

Para Cunha, ao ser colocada em discussão, pela primeira vez em 20 anos, as decisões da Câmara dos Deputados devem ser respeitadas.

- Assuntos: reforma política, Eduardo Cunha

Presidente da CBF diz que não vai renunciar ao cargo

Cristina Índio do Brasil – Repórter da Agência Brasil Edição: Denise Griesinger

"Não vou renunciar porque não tenho nada a ver com isso", dissse Marco Polo Del NeroDivulgação/CBF TV

O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Marco Polo Del Nero, disse que não vai renunciar ao cargo por causa das denúncias de corrupção na entidade. "É impossível renunciar e não vou renunciar porque não tenho nada a ver com isso", garantiu há pouco em entrevista na sede da CBF, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio.

Del Nero negou ainda que tivesse conhecimento sobre o recebimento de propina, como vem sendo denunciado, com a participação do ex-presidente da CBF  José Maria Marin. "Não tive conhecimento em hipótese alguma", contou.

Del Nero informou ainda que voltou de Zurique, na Suíça, onde participava da reunião da Federação Internacional de Futebol (Fifa), para esclarecer os fatos. Ele adiantou que a CBF está colaborando com as autoridades brasileiras e todos os documentos necessários para as explicações serão repassados. "Todos os setores que necessitarem de informações nós vamos dar, por isso estou presente", assegurou.

O presidente admitiu que há uma crise que envolve a entidade, mas acrescentou que os campeonatos em andamento não sofrerão interrupção.

- Assuntos: CBF, Marco Polo Del Nero, Corrupção na Fifa

Novo presidente da Nigéria promete campanha militar contra Boko Haram

Da Agência Lusa Edição: Carolina Pimentel

Em discurso de posse, o novo presidente nigeriano, Muhammadu Buhari, prometeu hoje (29) intensificar a campanha militar contra o grupo radical islâmico Boko Haram.

“O Boko Haram é um grupo de gente louca e sem Deus, que está o mais longe do Islã quanto possamos imaginar”, declarou Buhari, um muçulmano do Norte da Nigéria, região do país onde mais se pode sentir a revolta dos fundamentalistas iniciada em 2009, com um balanço de mais de 15 mil mortos.

O novo chefe de Estado nigeriano disse que pretende instalar um novo centro de comando militar em Maiduguri (Nordeste do país), reduto do grupo jihadista, avaliando que “a vitória não pode ser conseguida a partir de um centro de comando em Abuja (centro)”.

A Nigéria enfrenta grandes desafios, incluindo a agitação generalizada e as dificuldades econômicas, afirmou Buhari durante a cerimônia. “Vamos enfrentá-los com determinação. Os nigerianos não vão lamentar terem nos confiado essa responsabilidade”, adiantou.

Buhari prometeu ainda fazer o que for possível para resgatar os milhares de pessoas que se acredita serem reféns do grupo Boko Haram – incluindo 219 estudantes que os radicais levaram da cidade de Chibok em abril de 2014.

Eleito no dia 28 de março deste ano, Muhammadu Buhari, 72 anos, substitui Goodluck Jonathan. Esta é a primeira vez que um opositor vence um chefe de Estado cessante na primeira potência econômica e país mais populoso da África.

- Assuntos: Boko Haram, Muhammadu Buhari, Nigéria, Goodluck Jonathan

Anvisa suspende lotes de anti-inflamatório

Paula Laboissière - Repórter da Agência Brasil Edição: Carolina Pimentel

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou hoje (29) a suspensão da comercialização e do uso dos lotes nº 28293, 28294 e 28295 do medicamento Ibuprotrat (Ibuprofeno), 50 mg/ml produzido pela empresa Natulab Laboratório S/A. O produto é utilizado como anti-inflamatório.

Segundo a Anvisa, laudo emitido pelo Instituto Adolfo Lutz revelou resultados insatisfatórios no ensaio de aspecto dos três lotes do medicamento. A Agência Brasil não conseguiu contato com a Natulab Laboratório S/A.

Também foram suspensas todas as publicidades dos produtos da linha Glukderm que contenham qualquer tipo de expressão que atribua propriedades terapêuticas não estabelecidas na legislação sanitária vigente para esse tipo de produto.

A decisão, segundo a Anvisa, foi tomada após a comprovação da divulgação irregular de diversos produtos por meio do endereço eletrônico www.glukdermsp.com.br, para os quais estão sendo atribuídas alegações terapêuticas para o tratamento da psoríase, úlceras, queimação, entre outras, em desacordo com seus registros na Anvisa.

A Glukderm informou que a linha em questão será retirada do mercado, mas não soube informar o prazo estipulado para que isso ocorra. A empresa ressaltou que se tratam de produtos fitoterápicos ou naturais que não fazem mal à saúde.

- Assuntos: saúde, Ibuprotrat, Ibuprofeno, Natulab Laboratório S/A, Glukderm

CPI da CBF é oficialmente criada no Senado

Karine Melo – Repórter da Agência Brasil Edição: Carolina Pimentel

Foi oficialmente criada nesta sexta-feira (29) a Comissão Parlamentar de Inquérito que vai investigar a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e o comitê organizador local da Copa do Mundo Fifa 2014.

Segundo a Secretaria-Geral da Mesa do Senado, as 53 assinaturas reunidas pelo senador Romário (PSB-RJ) foram mantidas. Os parlamentares tiveram até meia-noite para retirar ou acrescentar assinaturas ao pedido. O início dos trabalhos, no entanto, ainda leva alguns dias. Respeitando a proporcionalidade das bancadas e dos partidos no Senado, os líderes partidários terão cinco dias para indicar os parlamentares que integrarão o colegiado e só depois disso é marcada uma reunião de instalação da comissão. Nela, serão eleitos presidente, vice-presidente e relator da CPI.

A CPI da CBF será a sexta em funcionamento no Senado, terá sete membros titulares e 180 dias para investigar possíveis irregularidades em contratos feitos para a realização de partidas da Seleção Brasileira de futebol, de campeonatos organizados pela CBF, assim como para a realização da Copa das Confederações em 2013 e da Copa do Mundo de 2014.

Apesar de estar nesta sexta-feira (29) cumprindo compromissos em Brasília, o senador Romário não foi encontrado para comentar o assunto até a publicação da reportagem. Ontem (28), o senador que é ex-jogador de futebol, falou na tribuna sobre as expectativas em relação ao trabalho da comissão. “Acredito que, com essa possibilidade dessa CPI nesta Casa, a gente possa realmente fazer um trabalho sério, corajoso e honesto, e que o resultado seja um só: que definitivamente o futebol brasileiro seja moralizado. Na verdade, dois resultados: que todos aqueles que praticaram crime durante esses anos todos e se enriqueceram ilicitamente paguem pelos seus crimes, principalmente sendo presos”.

Romário disse ainda que esse é o momento oportuno para uma devassa na CBF. Ele acrescentou ainda que as investigações do FBI apontam indícios de que parte das propinas pagas pelo ex-presidente da CBF José Maria Marin foram compartilhadas por outro ex-presidente da entidade Ricardo Teixeira e pelo atual presidente, Marco Polo Del Nero.

O pedido de criação da CPI foi apresentado por Romário depois que Marin e outros seis dirigentes da Fifa foram detidos na última quarta-feira (27) pelo serviço de inteligência norte-americano (FBI) e pela polícia suíça em Zurique por suspeita de corrupção. Entre outras irregularidades, Marin teria recebido propina em um esquema de corrupção envolvendo a organização da Copa América.

- Assuntos: Corrupção na Fifa, CPI da CBF, Romário, José Maria Marin

País economiza R$ 13,4 bilhões em abril para pagamento de dívida pública

Kelly Oliveira – Repórter da Agência Brasil Edição: José Romildo

O governo conseguiu economizar para pagar os juros da dívida pública, em abril. De acordo com dados do Banco Central (BC), divulgados hoje (29), o setor público consolidado – governos federal, estaduais e municipais e empresas estatais – apresentou superávit primário de R$ 13,445 bilhões, no mês passado.

Em abril do ano passado, o superávit primário foi maior: R$ 16,896 bilhões. Nos quatro primeiros meses de 2015, o superávit primário chegou a R$ 32,448 bilhões, contra R$ 42,527 bilhões em igual período do ano passado.

Em 12 meses encerrados em abril, o déficit primário do setor público ficou em R$ 42,615 bilhões.

O superávit primário, economia de recursos para pagar os juros da dívida pública, ajuda a conter o endividamento do governo, em médio e longo prazos. Para este ano, a meta de superávit primário para o setor público corresponde a R$ 66,3 bilhões ou 1,1% do Produto Interno Bruto (PIB).

No mês passado, o Governo Central (Tesouro, Banco Central e Previdência) registrou superávit primário de R$ 10,638 bilhões. Os governos estaduais registraram superávit de R$ 2,270 bilhões e os municipais, R$ 329 milhões. Já as empresas estatais, excluídos os grupos Petrobras e Eletrobras, registraram superávit primário de R$ 208 milhões.

Em quatro meses, o Governo Central registrou superávit primário de R$ 15,524 bilhões, os estaduais, R$ 14,505 bilhões e os municipais, R$ 2,692 bilhões.

Os gastos com os juros que incidem sobre a dívida chegaram a R$ 2,213 bilhões, em abril, e acumularam R$ 146,060 bilhões, nos quatro meses do ano.

Em abril, houve superávit nominal, formado pelo resultado primário e as despesas com juros, de R$ 11,232 bilhões. De janeiro a abril, o setor público registra déficit nominal de R$ 113,613 bilhões.

A dívida líquida do setor público chegou a R$ 1,897 trilhão em abril, o que corresponde a 33,8% do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país. Em relação a março, a dívida em proporção do PIB subiu 0,7 ponto percentual. A dívida bruta chegou a R$ 3,468 trilhões ou 61,7 % do PIB, com redução de 0,6 de ponto percentual em relação a março.

- Assuntos: Superávit primário, banco central, dívida pública, setor público consolidado

Sisu: inscrições começam dia 8 de junho

Yara Aquino - Repórter da Agência Brasil Edição: Marcos Chagas



As inscrições para a segunda edição de 2015 do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) serão abertas no dia 8 de junho e seguem até o dia 10 de junho, exclusivamente pela internet. Para se inscrever no Sisu o candidato deve ter feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2014 e não ter zerado a redação. O cronograma do Sisu está publicado na edição de hoje (29) do Diário Oficial da União.

Por meio do Sisu, os estudantes participantes do Enem concorrem a vagas de ensino superior em instituições públicas. No endereço da página do Sisu, o estudante poderá se inscrever para até duas opções de vaga, especificando a ordem de preferência. Durante o período de inscrição é possível mudar as opções. O candidato também precisa definir se deseja concorrer às vagas de ampla concorrência, às vagas reservadas à lei federal de cotas ou às vagas destinadas às demais políticas afirmativas das instituições.

O resultado será divulgado no dia 15 de junho em uma única chamada e a matrícula deverá ser feita na instituição de ensino nos dias 19, 22 e 23 de junho. É de responsabilidade do estudante se informar sobre os procedimentos e documentos necessários.

Quem não conseguiu uma vaga na chamada regular pode participar da lista de espera se inscrevendo na página do Sisu, na internet, entre os dias 15 e 26 de junho. O candidato só poderá manifestar interesse em participar da lista de espera para o curso que escolheu como sua primeira opção, no momento da inscrição.

- Assuntos: inscrições no Sisu, Enem, ensino superior

França quer proibir tabaco em parques infantis públicos

Da Agência Lusa

O governo francês deve publicar no final do mês de junho uma norma que vai proibir o consumo de produtos derivados do tabaco em parques infantis públicos, anunciou hoje (29) a ministra da Saúde francesa, Marisol Touraine.

A medida faz parte de um plano nacional de luta contra o tabagismo anunciado em 2014 pelas autoridades francesas. Segundo a ministra, o fato de ser proibido fumar nesses espaços representa uma forma de respeitar as crianças no país.

O plano também prevê a proibição da publicidade do tabaco nos pontos de venda e a proibição de fumar dentro de veículos, incluindo os privados, quando houver crianças a bordo. O Executivo francês deve lançar na próxima segunda-feira (1º) uma campanha de sensibilização que terá como mote Aproveite o Verão para Deixar de Fumar.

- Assuntos: fumo, França, proibição do tabaco, parques infantis públicos, tabagismo

Inscritos no Enem ultrapassam 2 milhões

Mariana Tokarnia - Repórter da Agência Brasil Edição: Marcos Chagas



O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) tem 2,5 milhões de inscritos, segundo balanço divulgado na manhã de hoje (29) pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). O prazo de inscrição começou no dia 25 e vai até 5 de junho, pelo site do Enem.

Candidatos terão que ter e-mail próprioAntonio Cruz

Este ano, para fazer a inscrição, o participante deverá ter um e-mail próprio. O sistema não aceitará a inscrição de mais de um candidato com o mesmo endereço eletrônico. O exame custará R$ 63, que deverão ser pagos até o dia 10 de junho.

Estudantes que vão concluir o ensino médio este ano em escolas públicas e participantes que declararem carência são isentos da taxa. Podem solicitar a isenção por carência aqueles com renda familiar por pessoa igual ou inferior a um salário mínimo e meio e que cursaram todo o ensino médio em escola da rede pública ou como bolsista integral em escola da rede privada.

O candidato que desejar fazer alguma alteração na inscrição, poderá fazê-lo apenas até o fim do prazo previsto.

Para evitar lentidão no acesso, o Inep recomenda que os candidatos acessem o site entre as 6h e 7h ou após as 20h. Nos demais horários, pode ocorrer congestionamento por causa do alto número de acessos.

O Enem foi criado para avaliar os alunos que estão terminando o ensino médio ou que concluíram essa etapa em anos anteriores. Não importa a idade nem o ano do término do curso, basta que o interessado faça sua inscrição na página eletrônica do exame. Estudantes que não terminarão o ensino médio em 2015 podem participar como treineiros, ou seja, o resultado não poderá ser usado para ingresso em programas de acesso ao ensino superior.

A expectativa é que mais de 9 milhões de alunos se inscrevam.




- Assuntos: Enem, inscrições, e-mail, candidatos, Inep, site, treineiros

Presidente da CBF desembarca no Rio e não participa de eleição da Fifa

Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil Edição: Valéria Aguiar

O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Marco Polo Del Nero, voltou ao Brasil na madrugada de hoje (29). O dirigente chegou ao Rio de Janeiro por volta das 4h30, de acordo com a CBF.

Del Nero estava em Zurique, na Suíça, para o congresso da Federação Internacional de Futebol (Fifa), que vai eleger o próximo presidente da entidade. O presidente da CBF, no entanto, deixou Zurique antes da eleição.

A volta ocorre após a deflagração de uma investigação da Justiça dos Estados Unidos que levou à prisão de sete dirigentes da Fifa por suspeita de corrupção, entre eles o ex-presidente da CBF José Maria Marin e o empresário brasileiro José Hawilla, fundador da multinacional de marketing esportivo Traffic Group.

Na tarde de ontem (28), a CBF divulgou nota informando que enviou ao Ministério Público Federal contratos de gestões anteriores. O ex-presidente Marin foi afastado do cargo de vice-presidente da entidade e seu nome, que batizava a sede da CBF, foi retirado da fachada do prédio.

Acompanhe aqui a cobertura da Agência Brasil sobre a investigação na Fifa

- Assuntos: Corrupção na Fifa, CBF, Marco Polo Del Nero, Suíça, prisão

Congresso que vai eleger novo presidente da Fifa é retomado após ameaça de bomba

Da Agência Lusa

Presidente da Fifa, Joseph Blatter, discursa no 65° Congresso da entidade no Hallenstadion em Zurique, na Suíça Patrick B. Kraemer/EPA/Agência Lusa

O 65º Congresso da Federação Internacional de Futebol (Fifa) foi retomado há pouco, após uma ameaça de bomba registrada pela polícia de Zurique. A porta-voz da polícia local, Brigitte Vogt, confirmou a ocorrência, mas disse apenas que seus homens estão no local, sem acrescentar mais detalhes.

Em sua fala durante a retomada do congresso, o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, também confirmou a ameaça de bomba, revelando que autoridades revistaram o auditório onde ocorre a reunião. “As instalações foram liberadas pelas autoridades e o congresso pode continuar”, disse.

Mais cedo, manifestantes palestinas foram retiradas do evento. As mulheres interromperam o discurso de abertura do presidente da entidade, Joseph Blatter, mostrando cartões vermelhos aos representantes do organismo, enquanto gritavam “Fora, Israel”.

O congresso deve escolher ainda hoje (29) um novo presidente para a Fifa e votar a possibilidade de expulsar Israel da organização. A definição de um novo mandatário ocorre em meio a denúncias de corrupção e prisões de sete dirigentes a pedido da Justiça dos Estados Unidos.



- Assuntos: Corrupção na Fifa, eleições na Fifa, Joseph Blatter, Justiça dos Estados Unidos, ameaça a bomba no congresso da Fifa

Atentado atribuído às Farc deixa seis feridos na Colômbia

Da Agência Lusa

Pelo menos seis pessoas que estavam em um ônibus ficaram feridas na via Pan-americana, Sudoeste da Colômbia, em um atentado que as autoridades do país atribuíram às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

A explosão ocorreu num local conhecido como El Puro, jurisdição do município de El Bordo, no distrito de Cauca.

De acordo com a Brigada 29 do Exército colombiano, dirigida pelo coronel Jorge Herrera, a ação foi atribuída a militantes da frente número 8 das Farc.

- Assuntos: atentado das Farc, Colômbia, Bogotá

Vulcão japonês entra em erupção e autoridades evacuam a Ilha de Kuchinoerabu

Da Agência Lusa

Uma violenta erupção hoje (29) do vulcão Monte Shindake, no Sudeste do Japão, forçou à evacuação da Ilha de Kuchinoerabu, com cerca de 140 habitantes, enquanto uma coluna de cinzas se espalhava pelo céu da região.

Câmaras da Agência Meteorológica do Japão capturaram o momento em que o vulcão entrou em erupção e a subida de uma nuvem de fumaça negra, que chegou a atingir 9 mil metros, acompanhada de um tremor vulcânico de cinco minutos.

Foto divulgada pela escola de Nagata na Ilha Yakushima mostra crianças observando a erupção do vulcão na ilha vizinha Katsunori Nagasak/EPA/Agência Lusa

A Agência Meteorológica do Japão aumentou o nível de alerta para cinco – o mais alto na escala STI - e ordenou que os 140 moradores da ilha fossem retirados.

A agência revelou que “não houve feridos ou danos” que tenham sido comunicados na sequência da erupção, que ocorreu oito meses depois que 57 pessoas morreram após o Monte Ontake, no Japão Central, ter entrado em erupção.

O organismo explicou também que os fluxos piroclásticos – uma mistura de gases quentes do vulcão, cinzas e correntes densas de fragmentos de rocha – tinham alcançado a costa Noroeste da ilha em direção a um dos portos marítimos.

As cinzas cobriram os quebra-mares atracados no porto e descoloriram o mar.

A erupção teve início às 10h no horário local (1h em Brasília) e, durante a tarde de hoje o vulcão ainda se mantinha em atividade.

O diretor da divisão da agência de vulcanologia, Sadayuki Kitagawa, advertiu que o perigo ainda não acabou. "É possível que erupções voltem a ocorrer em uma escala semelhante no futuro. Estamos avisando os moradores sobre os fluxos piroclásticos e pedimos aos moradores para obedecer às instruções de evacuação", disse.

O Japão se localiza na junção de várias placas tectônicas da Terra e do país e tem vários vulcões em atividade.



- Assuntos: Japão, vulcão, evacuação, Monte Shindake, Ilha de Kuchinoerabu

Índia enfrenta onda de calor mais forte dos últimos 20 anos

Da Agência Lusa

O asfalto de algumas avenidas de Nova Délhi, na Índia, derretem com o calor que já matou mais de 1.150 pessoas no paísHarish Tyagi/EPA/Agência Lusa

O asfalto de algumas avenidas de Nova Délhi, na Índia, onde mais de 1.150 pessoas já morreram devido às altas temperaturas

O asfalto de algumas avenidas de Nova Délhi, na Índia, derretem com o calor que já matou mais de 1.150 pessoas no paísHarish Tyagi/EPA/Agência Lusa

As autoridades de Nova Delhi pediram aos hospitais da capital para tratarem com urgência as vítimas da onda de calor que já causou 1,8 mil mortes na Índia, sendo considerada a mais forte dos últimos 20 anos.

Centenas de pessoas morrem todos os anos na Índia no verão, mas o balanço deste ano já é duas vezes maior do que o de um ano médio, com a agravante de, segundo os especialistas, os números ficarem aquém da realidade.

A maior parte das vítimas foi registrada nos estados do Sul, o de Telangana e o de Andhra Pradesh, onde os médicos dizem enfrentar nos hospitais grande fluxo de vítimas de insolação e de desidratação. Em Nova Delhi, as temperaturas atingiram os 45 graus Celsius (ºC).

“A prioridade nesta situação é a prevenção, assegurar que as medidas preventivas sejam tomadas”, disse Charan Singh, um responsável do Departamento de Saúde Pública da administração da capital.

O alto consumo de eletricidade, devido aos aparelhos de ar condicionado, leva a cortes de energia que complicam um pouco mais a vida dos habitantes da capital.

Há onda de calor quando a temperatura máxima atinge os 45ºC ou quando é 5ºC superior à média dos anos anteriores.

- Assuntos: Índia, onda de calor, mortes na Índia

HISTÓRIA HOJE

Saiba mais sobre a história da queda de Constantinopla


(Apresentação Carmen Lúcia)
Há 522 anos, ocorria a famosa Queda de Constantinopla, hoje Istambul. A ação ocorrida em 1453 é considerada um marco na história mundial. A cidade conquistada pelos turcos e o império Otomano marcou o fim do Império Romano do Oriente. O domínio dos turcos a Constantinopla foi estendido ao Mediterrâneo e os Bálcãs, na Europa.

Ilustração: Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
A cidade referência ao imperador Constantino foi construída num ponto de grande importância estratégica, no estreito de Bósforo, palco de muitas glórias, disputas e guerra.

Ouça no Jornal da Cabriola 1ª Edição
10h e 16h.
www.radiocabriola.com

Protesto marca início de eleição de novo presidente da Fifa

Da Agência Brasil* Edição: Talita Cavalcante

Palestinas protestam em Congresso da Fifa pela saída de Israel da entidade. Federação escolhe nesta sexta-feira novo presidenteEPA/Patrick B. K/Agência Lusa/Direitos Reservados

Duas manifestantes palestinas interromperam hoje (29) por alguns instantes o 65º Congresso da Federação Internacional de Futebol (Fifa), que deverá escolher nesta sexta-feira um novo presidente e votar a possibilidade de expulsar Israel da organização. A escolha de um novo mandatário ocorre em meio a denúncias de corrupção e prisões de sete de seus dirigentes a pedido da Justiça dos Estados Unidos.

Duas mulheres interromperam o discurso de abertura do presidente da Fifa, Joseph Blatter, mostrando cartões vermelhos aos representantes do organismo, enquanto gritavam “Israel fora!”, antes de serem retiradas por seguranças. Cerca de 150 manifestantes pró-Palestina já tinham protestaram no exterior do Hallenstadion, local do congresso, antes do início dos trabalhos.

A Palestina, membro da Fifa desde 1998, pede a expulsão de Israel, devido as restrições impostas à liberdade dos jogadores palestinos. Além disso, opõe-se à participação no campeonato israelense de cinco clubes localizados em colonatos na Cisjordânia.

Para que Israel seja expulso da Fifa é necessária uma votação de uma maioria de dois terços.

O suíço Joseph Blatter disputa o quinto mandato consecutivo, com o príncipe jordaniano Ali bin Al Hussein.

Cada uma das 209 federações-membro da Fifa tem direito a um voto, que é secreto. O presidente da entidade terá mandato de quatro anos, com direito a reeleição ilimitada. A eleição ocorre sob críticas de dirigentes de federações internacionais de futebol.

O presidente da União das Federações Europeias de Futebol (Uefa), Michel Platini, pediu hoje a demissão de Blatter. Ele disse que “a maioria das associações” vinculadas à Uefa vai votar no candidato adversário, Ali bin Al Hussein. Já a Confederação Asiática de Futebol reiterou seu apoio ao atual presidente da Fifa.

Na quarta-feira (27), uma operação da Polícia Federal norte-americana (FBI), em conjunto com autoridades suíças, prendeu sete dirigentes do futebol que estavam em Zurique. Entre eles o ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) José Maria Marin.

Autoridades norte-americanas investigam a participação de dirigentes da Fifa e empresários em fraudes na escolha dos países-sede das duas próximas copas do Mundo (Rússia, em 2018, e Catar, em 2022). No Brasil, as suspeitas recaem sobre contratos de patrocínio e de transmissão da Copa do Brasil assinados pela CBF. Ontem (28), Blatter afirmou que as denúncias trouxeram “vergonha e humilhação” para o esporte mundial.


*Com informações da Agência Lusa

- Assuntos: Corrupção na Fifa, eleição na Fifa, Joseph Blatter, FBI, Israel, Palestina

CBF apresenta contratos de gestões anteriores ao Ministério Público

Marcelo Brandão - Repórter da Agência Brasil Edição: Stênio Ribeiro

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) divulgou nota no final da tarde de hoje (28) na qual informa ter apresentado ao Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro, "de forma espontânea", os contratos firmados por ela em gestões anteriores à atual, de Marco Polo Del Nero. Ontem (27), a CBF já havia anunciado que reanalisaria “todos os contratos ainda vigentes e remanescentes de períodos anteriores”.

“O documento foi protocolado e endereçado ao procurador-chefe do MPF no Rio de Janeiro. A CBF manifestou apoio integral a toda e qualquer investigação e se colocou à inteira disposição para esclarecimentos adicionais que se façam necessários”, diz a nota. Contactada, a assessoria do MPF não foi encontrada para confirmar o recebimento do documento.

As medidas da entidade máxima do futebol brasileiro foram motivadas pela prisão de seu ex-presidente, José Maria Marin, na Suíça. Marin e outros seis dirigentes da Fifa foram presos, acusados de extorsão, fraude e lavagem de dinheiro, no que o Departamento de Justiça norte-americano chama de “um esquema de 24 anos de enriquecimento por meio da corrupção no futebol”.

Outra medida tomada pela CBF até o momento foi o afastamento de Marin do cargo de vice-presidente da entidade. Além disso, o prédio da sede da CBF, batizado de “Sede José Maria Marin” na fachada, amanheceu hoje sem o nome do dirigente. Marin também foi afastado provisoriamente pela Fifa.

- Assuntos: Corrupção na Fifa, CBF, contratos, gestões anteriores, MPF no Rio

Deputados protocolam pedido de CPI da Máfia do Futebol

Iolando Lourenço - Repórter da Agência Brasil Edição: Stênio Ribeiro

Deputados de diferentes partidos assinaram hoje (28) requerimento do deputado João Derly (PCdoB-RS) para a criação de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) de investigação e apuração de denúncias sobre o esquema de corrupção na Federação Internacional de Futebol (Fifa) e prisão de sete dirigentes da entidade esportiva, acusados de crimes como fraude, suborno e formação de quadrilha. Já denominada de CPI da Máfia do Futebol, o requerimento conta com 200 assinaturas de parlamentares.

O requerimento para a criação da CPI tem como primeiro autor o deputado João Derly (PCdoB-RS). Na justificativa do requerimento, o deputado João Derly diz que um dos presos na operação é o brasileiro José Maria Marim, vice-presidente da Confederação Brasileira de Futebol, apontado como tendo sido favorecido por suborno  em diversas situações, envolvendo inclusive acordos dos direitos da Copa do Brasil, entre outros.

“São fartas as evidências de que o futebol brasileiro esteja contaminado com negociatas ilegais, como pagamento de propinas para a realização de contratos como, por exemplo, a acusação de que a empresa Traffic pagava a Marim e a outros dois dirigentes da CBF R$ 2 milhões por ano pelos direitos de transmissão da Copa do Brasil”, diz um trecho do requerimento para criação da CPI.

As assinaturas serão agora conferidas pela secretaria-geral da Mesa da Câmara, e se pelo menos 171 delas forem validadas o pedido entra na fila de espera para a criação de CPIs. Isso, porque só podem funcionar simultaneamente cinco CPIs na Câmara.


- Assuntos: Corrupção na Fifa, deputados, protocolo, pedido, CPI, máfia, futebol

Clientes de planos de saúde vão ter mais informações para avaliar serviços

Alana Gandra - Repórter da Agência Brasil Edição: Aécio Amado

Os segurados de planos de saúde suplementar vão contar agora com mais informações sobre as operadoras para que, na hora de trocar de plano ou fechar um contrato, poder avaliar a qualidade do serviço. A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) divulgou hoje (28) uma atualização dos Dados Integrados da Qualidade Setorial, que traça um novo panorama dos planos de saúde e do setor no Brasil.

Foram introduzidas informações, por exemplo, como preço médio (ticket) de planos de saúde disponíveis no mercado e por operadora, além de dados de sinistralidade (relação entre receita e despesa) das empresas.

A diretora presidenta substituta da ANS, Martha Regina de Oliveira, destacou que os dados são um dos eixos da nova agenda regulatória. Com isso, segundo ela, a agência quer aumentar a transparência do setor. “O que a gente está chamando de empoderamento do consumidor”, disse.  O que, na opinião da diretora, significa dar ao beneficiário uma informação que lhe seja útil, destacou Martha Tegina à Agência Brasil.

A meta, de acordo com ela, é ir agregando cada vez mais informações que reflitam a assistência e a qualidade dos planos de saúde. “E que isso possa ser usado na hora de trocar de plano por portabilidade, na hora de comprar um plano ou mesmo na hora de acompanhar como está indo a sua operadora”.

O estudo inclui dados referentes ao perfil de qualidade da rede de planos, quais as ofertas do produto, qualificação das operadoras, se a operadora é ou não acreditada. O objetivo é facilitar ao consumidor avaliar as empresas e fazer comparação entre as operadoras, “de uma maneira mais rápida e acessível, sem que ele tenha que buscar as informações em vários lugares diferentes”.

Martha Oliveira disse ainda que a meta é promover a atualização dos dados a cada seis meses, pelo menos. “A gente quer usar isso também para gerar mudança e resultado no setor”.

Atualmente, existem no Brasil 1,4 mil operadoras de planos de saúde com registro ativo e 1,2 mil com beneficiários. Elas totalizam 72,2 milhões de beneficiários, sendo 50,8 milhões de consumidores em planos de assistência médico-hospitalar e 21,4 milhões em planos exclusivamente odontológicos. De acordo com a ANS, foram realizadas no ano passado pelas operadoras de planos de saúde 56 milhões de terapias, 280,3 milhões de consultas médicas, 9,7 milhões de internações e 763 milhões de exames complementares.

- Assuntos: planos de saúde, atualização, dados integrados, ANS, transparência, consumidor, monitoramento

Fifa decide nesta sexta se Blatter continua presidente, apesar de denúncias

Da Agência Brasil Edição: Jorge Wamburg

Em meio a denúncias de corrupção e prisões de sete de seus dirigentes a pedido da justiça dos Estados Unidos, a Federação Internacional de Futebol (Fifa) elege amanhã (29) o próximo presidente, em Zurique, na Suíça, mesma cidade onde ocorreram as detenções, entre o atual mandatário, o suíço Joseph Blatter, que disputa o quinto mandato consecutivo, e o príncipe jordaniano Ali bin Al Hussein.

A eleição ocorre durante o 65º Congresso da entidade, que começou oficialmente hoje, em Zurique. Nesta sexta-feira, a reunião deve começar às 9h30 (horário local, 4h30 em Brasília) e a eleição está prevista para ocorrer durante a tarde, pela hora local, segundo informações do site da entidade.

Cada uma das 209 federações membros da Fifa tem direito a um voto, que é secreto. O presidente da organização terá mandato de quatro anos, com direito a reeleição ilimitada. A eleição ocorre sob críticas de dirigentes de federações internacionais de futebol.

O presidente da União das Federações Europeias de Futebol (Uefa), Michel Platini, pediu a demissão de Blatter. Ele disse que “a maioria das associações” vinculadas à Uefa vai votar no candidato adversário, Ali bin Al Hussein. Já a Confederação Asiática de Futebol reiterou seu apoio ao atual presidente da Fifa.

Na última quarta-feira (27), uma operação do FBI em conjunto com autoridades suíças prendeu sete dirigentes do futebol que estavam em Zurique. Entre eles, o ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), José Maria Marin.

Autoridades norte-americanas investigam a participação de dirigentes da Fifa e empresários em fraudes na escolha dos países-sede das duas próximas copas do Mundo (Rússia, em 2018, e Catar, em 2022). No Brasil, as suspeitas recaem sobre contratos de patrocínio e de transmissão da Copa do Brasil assinados pela CBF. Hoje, Blatter afirmou que as denúncias trouxeram “vergonha e humilhação” para o esporte mundial.


- Assuntos: Corrupção na Fifa, prisões, elege amanhã, próximo presidente, Joseph Blatter